Nome da Disciplina
ARQUEOLOGIA E ACERVOS MUSEAIS
CÓDIGO
0790033
Carga Horária
68 horas
Atividade Complementar
Não
Periodicidade
Semestral
Modalidade
CRÉDITOS
4
CARGA HORÁRIA TEÓRICA
4
CARGA HORÁRIA OBRIGATÓRIA
4
FREQUÊNCIA APROVAÇÃO
75%

Ementa

Disciplina teórica que apresenta a gestão de acervos arqueológicos (móveis e imóveis), pressupondo sua correspondência com a documentação gerada em campo e laboratório, e as necessárias ações de conservação preventiva e curativa. Objetiva expor e debater a inter-relação entre os trabalhos de Arqueólogos, Museólogos e demais profissionais de Museu envolvidos na gestão de acervos arqueológicos, suas implicações curatoriais e expográficas. Para tanto, considera levantamentos históricos, conceituais e metodológicos, bem como estudos de caso.

Objetivos

Objetivo Geral:

Apresentar e debater a inter-relação entre os trabalhos de Arqueólogos, Museólogos e demais profissionais de Museu, a fim de compreender os processos de levantamento de dados, análise de material e produção de conhecimento em arqueologia, bem como a musealização destes processos e suas implicações na divulgação científica e na educação patrimonial.

 

Objetivos Específicos:

. Apresentar e debater o histórico da inter-relação entre os trabalhos de Arqueólogos, Museólogos e demais profissionais envolvidos na gestão do patrimônio arqueológico.
. Apontar conceitos e interpretações relevantes à musealização de acervos arqueológicos, sua caracterização e inventário.
. Analisar estudos de caso emblemáticos de problemas e soluções corriqueiras na musealização de sítios arqueológicos.
. Analisar estudos de caso emblemáticos de problemas e soluções corriqueiras na curadoria arqueológica.
. Analisar estudos de caso emblemáticos de problemas e soluções corriqueiras na expografia de acervos arqueológicos.
. Compreender os processos de levantamento de dados, análise de material e produção de conhecimento em arqueologia,
. Compreender a musealização de acervos arqueológicos e suas implicações na divulgação científica e na educação patrimonial.

Conteúdo Programático

Unidade 1. Histórico da musealização da arqueologia

Unidade 2. Conceitos fundamentais à caracterização de sítios e acervos arqueológicos

Unidade 3. A musealização da arqueologia e seus novos desafios.

Unidade 4. Apontamentos acerca da curadoria de vestígios arqueológicos e de sua classificação.

Unidade 5. Produção de conhecimento, divulgação científica e educação patrimonial.

Bibliografia

Bibliografia Básica:

  • BEARD, M. & HENDERSON, J. Antigüidade Clássica – uma brevíssima introdução. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1995. BEZERRA, Márcia. Os sentidos contemporâneos das coisas do passado: reflexões a partir da Amazônia. In: Revista de Arqueologia Públican.7, 2013, p. 107-122. BRUNO, Maria Cristina O. Arqueologia e Antropologia: a musealização de sítios arqueológicos. In: Revista do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional no. 31. Rio de Janeiro, 2005. __________. Formas de Humanidade: concepção e desafios da musealização. IN: Cadernos de Sociomuseologia. Lisboa: ULHT. 9, 1996a. __________. Museus de Arqueologia: uma história de conquistadores, abandono e mudanças. Revista do Museu de Arqueologia e Etnologia n. 2, São Paulo: MAE-USP, 1996b: p. 293 a 313. __________. et alii. Um olhar museológico para a arqueologia: a exposição “pré-história regional” de Joinville, Santa Catarina. In Revista do Museu de Arqueologia e Etnologia n. 1, São Paulo: MAE-USP, 1991: p.113 a 129. De BLASIS, Paulo A. D. & MORALES, Walter F. O Potencial dos acervos antigos: recuperando a coleção 030 do Museu Paulista. Revista do Museu de Arqueologia e Etnologia n. 7, São Paulo: MAE-USP, 1997: p. 111 a 131. DUARTE CÂNDIDO, Manuelina M. Arqueologia e público: pesquisas e processos de musealização da Arqueologia na imprensa brasileira. In: Arqueologia Pública (UNICAMP), v. 3, p. 33-48, 2008. FRONER, Yacy-Ara, Conservação Preventiva e Patrimônio Arqueológico e etnográfico: ética, conceitos e critérios. Revista do Museu de Arqueologia e Etnologia n. 5, São Paulo: MAE-USP, 1995: p. 291 a 301. FRONER, Yacy-Ara, O trabalho de conservação e restauro do acervo destinado à exposição de longa duração do MAE: a preservação das formas de humanidade.Revista do Museu de Arqueologia e Etnologia n. 7, São Paulo: MAE-USP, 1997: p. 143 a 152. FUNARI, Pedro Paulo A. Arqueologia e Patrimônio.Erechim: Habilis, 2007. FUNARI, Pedro Paulo A. Arqueologia no Brasil e no mundo: origens, problemáti

Bibliografia Complementar:

  • BOTTALLO, Marilúcia. Os museus tradicionais na sociedade contemporânea: uma revisão. Revista do Museu de Arqueologia e Etnologia n. 5, 1995: p. 283 a 287. BRAUN, Museo gregoriano d´etruschi monumenti in Bullettino dell’Instituto di Corrispondenza Archeologica I e II. Roma: Instituto di Corrispondenza Archeologica, 1837: p. 1 a 10. CERAVOLO, Suely; DEMARTINI, Célia Maria C. & SCATAMACCHIA, Maria Cristina M. A “Caverna do Ódio”: um exemplo de utilização social do sítio arqueológico. Revista do Museu de Arqueologia e Etnologia n. 2, São Paulo: MAE-USP, 1992: p. 115 a 121. FUNARI, Pedro Paulo A. Arqueologia. São Paulo: Contexto, 2003. MENESES, Ulpiano B. de. O Discurso Museológico: um desafio para os Museus. IN: Ciência em Museus n.4: Belém: CNPq, 1992. RENFREW, C. & BAHN, P. Arqueología, Teorías, Métodos y Praticas (trad.: M. Mosquera Rial). Madrid: Akal, 1993. STANDING COMISSION ON MUSEUMS AND GALERIES, Universities and Museums – report on the Universities in relation to their own and other Museums. London: Her Majesty´s Stationery Office, 1968. SWAIN, Hedley. An Introduction to Museum Archaeology, Cambridge University Press, 2007.

Turmas Ofertadas

Turma Período Vagas Matriculados Curso / Horários Professores
T1 2018 / 1 5 0 Museologia (Bacharelado)
SEG (13:30-14:20) SEG (14:20-15:10) SEG (15:10-16:00) SEG (16:00-16:50)
TARDE
HORASEGTERQUAQUISEXSAB
13:30X
14:20X
15:10X
16:00X
17:10
18:00
PEDRO LUIS MACHADO SANCHES
Professor responsável pela turma

Página dinâmica gerada em 0.117642s.