Nome da Disciplina
EXTENSÃO E DESENVOLVIMENTO RURAL
CÓDIGO
0180064
Carga Horária
68 horas
Atividade Complementar
Não
Periodicidade
Semestral
Modalidade
PRESENCIAL
Unidade responsável
CARGA HORÁRIA OBRIGATÓRIA
4
CARGA HORÁRIA PRÁTICA
2
CARGA HORÁRIA TEÓRICA
2
CRÉDITOS
4
FREQUÊNCIA APROVAÇÃO
75%
NOTA MÉDIA APROVAÇÃO
7

Ementa

O que é desenvolvimento. Desenvolvimento Agrícola. Desenvolvimento Rural. Desenvolvimento
Sustentável. Desenvolvimento Territorial. Desenvolvimento como Liberdade. As novas abordagens
do desenvolvimento. Do setor ao território. A questão tecnológica na agricultura. O modelo de
inovação induzida. Saber empírico e saber científico. A Extensão Rural no Brasil. As fases da
Extensão Rural. Comunicação Rural e Extensão Rural. Metodologias em Extensão Rural.
Classificação das Metodologias. Das abordagens simples às complexas. Os mecanismos de
intervenção do Estado na agricultura. A Política Agrícola. Crédito de Custeio, Investimento e
Comercialização para a grande exploração e para a agricultura familiar. O papel dos Estoques Reguladores. O papel dos Mercados Institucionais. Os novos atores e públicos da extensão rural.
As políticas públicas. A visão universalista e a visão focalizada. Temas emergentes em Extensão
Rural. Segurança Alimentar no meio rural.

Objetivos

Objetivo Geral:

a) Oferecer ao educando uma formação consistente para que possa atuar de forma criativa, crítica
e construtiva no enfrentamento das questões que afetam o meio rural e à sociedade como um
todo na atualidade.
b) Propiciar ao educando uma base conceitual ampla sobre a necessária conciliação entre o
conhecimento técnico e as diversas dimensões (social, cultural, política, ética e ambiental) que
regem o exercício da atividade profissional no âmbito das ciências agrárias.
c) Compreender a importância da Extensão Rural como política pública, como campo de atuação
e exercício profissional, bem como do ponto de vistados processos de desenvolvimento rural e
territorial.

 

Objetivos Específicos:

a) Analisar o papel da Extensão Rural no processo de desenvolvimento da agropecuária brasileira
e suas relações com os demais instrumentos de Política Agrária do Estado.
b) Conhecer a trajetória recente das metodologias de comunicação, difusão e de adoção de
tecnologias, bem como as questões relacionadas ao planejamento em Extensão Rural.
c) Abordar os grandes desafios que afetam o desenvolvimento da agropecuária brasileira, bem
como os novos enfoques do processo de desenvolvimento rural (desenvolvimento sustentável,
desenvolvimento territorial, agroecologia, ecodesenvolvimento, abordagem sistêmica e integrada).
d) Apresentar as diversas formas sociais de produção existentes no meio rural brasileiro
(empresas rurais, agricultura familiar, pescadores artesanais, comunidades remanescentes de
quilombos, etc.) e coletividades (mulheres e jovens rurais, associações, etc.), bem como as
diferenças do ponto de vista de suas respectivas demandas e das ferramentas em extensão rural
que devem ser acionadas para atendê-las.
e) Proporcionar, através de seminários e debates, uma base conceitual ampla para compreender
a complexidade que envolve o processo de intervenção estatal na agricultura, seja do ponto de
vista da organização institucional da política agrícola, seja do ponto de vista dos instrumentos
públicos e privados que são atualmente utilizados para cumprir seus objetivos, especialmente no
âmbito do crédito agrícola, da assistência técnica e da infraestrutura produtiva.

Conteúdo Programático

Unidade I – INTRODUÇÃO À EXTENSÃO RURAL: AGRICULTURA, DESENVOLVIMENTO E A
QUESTÃO TECNOLÓGICA
A evolução da agricultura no mundo e no Brasil.
O processo dedesenvolvimento rural segundo a abordagem convencional, dualista e/ou clássica.
As novas concepções de desenvolvimento: a transição entre a abordagem setorial e a abordagem
espacial ou territorial.
A revolução verde, o processo de modernização da agropecuária brasileira e seus impactos.
e) A tecnologia na agricultura, o processo de geração, adaptação, vulgarização, difusão e
produção de conhecimento.
f) Saber empírico e saber científico: a pesquisa agropecuária convencional e as novas abordagens
na produção do conhecimento.
g)O modelo de inovação induzida, as biotecnologias, organismos geneticamente modificados,
conservação da biodiversidade e os desafios da sustentabilidade.
Unidade II – A CONTEXTUALIZAÇÃO DA EXTENSÃO RURAL NO BRASIL
a) As origens e a evolução histórica da Extensão Rural no Brasil.
b)As etapas da Extensão Rural: o surgimento, a fase humanista, o difusionismo-produtivismo, a
crise e ressurgimento da Extensão Rural.
c)A política nacional de Assistência Técnica e Extensão Rural.
Unidade III – COMUNICAÇÃO E METODOLOGIAS EM EXTENSÃO RURAL
a)O processo de comunicação e sua importância no âmbito da Extensão Rural e da Assistência
Técnica.
b) Modelos de comunicação rural: da visão etnocêntrica à concepção crítica e culturalmente
referenciada.
c) Enfoques metodológicos em Extensão Rural: da concepção difusionista à concepção criativa,
crítica e participativa
d)Metodologias em Extensão Rural: classificação, características, usos e limitações.
e) Métodos clássicos e convencionais (Unidades e Lavouras Demonstrativas, Dias de Campo,
Concurso de Produtividade, etc.) e métodos complexos (Abordagem sistêmica, Diagnóstico de
Sistemas Agrários, Diagnóstico Rural Participativo, Grupos de Discussão, etc.).
f) A importância e princípios básicos do planejamento em extensão rural.
g) Planejamento participativo e processos de empoderamento no meio rural.
Unidade IV – POLÍTICA AGRÍCOLA E POLÍTICAS PÚBLICAS
a)A Política agrícola no Brasil: modalidades de crédito agrícola (Custeio, Investimento e
comercialização)
b) Principais instrumentos da política agrícola para a agricultura empresarial: política de
comercialização: a Política Geral de Preços Mínimos, o papel dos estoques reguladores,
empréstimos e aquisições do governo federal).
c) Principais instrumentos de Política Agrícola para a Agricultura Familiar: O caso do Programa
Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (PRONAF), dos Mercados Institucionais
(Programa de Aquisições da Agricultura Familiar – PAA e Programa Nacional de Alimentação
Escolar – PNAE) e outros instrumentos públicos de intervenção.
d) O Plano Safra da Agricultura Empresarial e da Agricultura Familiar.
e) Os novos atores e públicos da extensão rural: entre a visão universalista e focalizada das
políticas públicas. A segurança alimentar no meio rural.

Bibliografia

Bibliografia Básica:

  • BORDENAVE, J. E. D. O que e comunicação rural. 3. ed. São Paulo: Brasiliense, 1988. 104 p. (coleção primeiros passos, 101)
  • CAPORAL, F. R.; COSTABEBER, J. A. Agroecologia e extensão rural: contribuições para a promoção do desenvolvimento rural sustentável. Brasília, DF: MDA, 2004. 165 p.
  • FREIRE, P. Extensão ou comunicação. 10. ed. São Paulo: Paz e Terra, 1992. 93 p.
  • GOODMAN, D. Da lavoura as biotecnologias. Rio de Janeiro: Campus, 1990. 192 p. 1.16 Bibliografia

Bibliografia Complementar:

  • ABRAMOVAY, R. O futuro das regiões rurais. 2. ed. Porto Alegre: EDUFRGS, 2009. 149 p. (Série Estudos rurais) ISBN 9788538600411
  • ALMEIDA, J. A Construção social de uma nova agricultura: tecnologia agrícola e movimentos sociais no sul do Brasil. 2. ed. Porto Alegre: Ed. da UFRGS, 2009. 214 p. (Série Estudos rurais).
  • ALMEIDA, J.; NAVARRO, Z. (Org). Reconstruindo a agricultura: idéias e ideais na perspectiva do desenvolvimento rural sustentável. Porto Alegre: Ed. da Universidade, 2009. 309p
  • CHEVITARESE, A. R. (Org.) O campesinato na história. Rio de Janeiro: Relume Dumara, 2002. 301p.
  • DEL PRIORE, M. Uma historia da vida rural no Brasil. Rio de Janeiro: Ediouro, 2006. 223 p. ISBN 8500018321
  • FERNANDES, B. M.; MEDEIROS, L. S.; PAULILO M. I. (Orgs.). Lutas camponesas contemporâneas: condições, dilemas e conquistadas: v.1: o campesinato como sujeito político nas décadas de 1950 a 1980. São Paulo: Editora UNESP; Núcleo de Estudos Agrários e Desenvolvimento Rural, 2009. v.1 (Historia social do campesinato brasileiro).
  • MARQUES, P. E. M. Políticas públicas e participação social no Brasil rural. 2. ed. Porto Alegre: Ed. da UFRGS, 2009. 252 p. (Série estudos rurais).
  • MENASCHE, R (Org.). A agricultura familiar à mesa: saberes e práticas da alimentação no Vale do Taquari. Porto Alegre: UFRGS Editora, 2007. 198 p. (Série Estudos e Pesquisas - IEPE).
  • MOTTA, M.; ZARTH,P. (Orgs). Formas de resistência camponesa: visibilidade e diversidade de conflitos ao longo da história: v.1: concepções de justiça e resistência nos Brasis. São Paulo: Editora UNESP; Núcleo de Estudos Agrários e Desenvolvimento Rural, 2008. v.1 (Historia social do campesinato brasileiro).
  • NEVES, D. P. Processos de constituição e reprodução do campesinato no Brasil: formas dirigidas de constituição do campesinato. São Paulo: Editora UNESP ; Núcleo de Estudos Agrários e Desenvolvimento Rural, 2009. v.2 (Historia social do campesinato brasileiro).
  • OLIVEIRA, A. U.; MARQUES, M. I. M. M. (Org.). O campo no Século XXI: território da vida, de luta e de construção da Justiça social.São Paulo: Casa Amarela: Paz e Terra, 2004. 372 p.
  • PRADO JR., C. A Questão Agrária no Brasil. São Paulo: Brasiliense, 1979. 188 p.
  • SACCO DOS ANJOS, F. A agricultura familiar em transformação: o caso dos colonos operários de Massaranduba (SC). Pelotas: UFPel, 1995. 169 p.
  • SACCO DOS ANJOS, F. Agricultura familiar, pluralidade e desenvolvimento rural no sul do Brasil. Pelotas: Gráfica Universitária, 2003. 374 p.
  • SACCO DOS ANJOS, F.; CALDAS, N. V. A propósito do debate sobre pluriatividade e multifuncionalidade na agricultura: o surgimento de uma nova formação discursiva. In: Revista Theomai, nº 20, p.22-33, 2009. Disponível em: < http://revistatheomai. unq.edu.ar/NUMERO20/2ArtAnjos.pdf>.
  • SILVA, J. G. O que é Questão Agrária?.16. ed. São Paulo: Brasiliense, 1990. 114 p.
  • SILVA, J. G.. A reforma agrária brasileira na virada do milênio. Campinas: ABRA, 1996. 246 p.
  • SILVESTRO,M. L.; ABRAMOVAY, R.; MELLO, M. A.; DORIGON, C.; BALDISSERA, I. T. Os impasses sociais da sucessão hereditária na agricultura familiar. Florianópolis: Epagri; Brasília: Núcleo de Estudos Agrários e Desenvolvimento Rural, 2001. 120 p.
  • SZMRECSANYI, T.; QUEDA, O. Vida rural e mudança social: leituras básicas de sociologia rural. 3ª. ed. São Paulo: Nacional, 1979. 239 p.
  • VEIGA, J. E. O que é reforma agrária. 3ª. ed. São Paulo: Brasiliense ; 1982. 87 p.
  • WELCH Clifford A.; MALAGODI, E.; CAVALCANTI J. S. B.; WANDERLEY M. N. B. (Orgs.). Camponeses brasileiros: leituras e interpretações clássicas. São Paulo: Editora UNESP; Núcleo de Estudos
  • Sites para consulta acerca de temas de Extensão Rural, agricultura e desenvolvimento: DESER- Departamento de Estudos Sócio-EconômicosRurais:WWW.deser.org.br DIEESE- Depto. Intersindical de Estatística e Estudos Sócio-econômicos. WWW.dieese.org.br EMBRAPA – Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária: WWW.embrapa.br EMATER- Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Rio Grande do Sul.

Disciplinas Equivalentes

Disciplina Curso
EXTENSÃO E COMUNICAÇÃO RURAL Agronomia (Bacharelado)

Página gerada em 10/12/2018 14:20:55 (consulta levou 0.109276s)