Nome do Projeto
Agroecologia e Agricultura Familiar Camponesa: expressões da sociobiodiversidade
Ênfase
ENSINO
Data inicial - Data final
03/12/2014 - 16/12/2014
Unidade de Origem
Área CNPq
Ciências Humanas - Geografia - Geografia Agrária
Resumo
O segmento da agricultura familiar caracteriza-se por apresentar uma grande diversidade de combinações, tanto no que se refere à disponibilidade quanto ao uso e distribuição dos recursos – terra, trabalho e capital - no interior das unidades produtivas. Essa diferenciação pode ser observada em diversas escalas, seja nacional, estadual, microrregional, municipal e, até mesmo dento de uma comunidade rural. (GERARDI e SALAMONI, 1994) Para entender a organização da produção familiar nesses termos, é necessário considerar que a diferenciação social entre produtores familiares é fruto do desenvolvimento de uma agricultura moderna, que incorpora o progresso tecnológico, formando uma camada de produtores “ditos” modernos e, no outro extremo, aqueles que adotaram outras estratégias de desenvolvimento e de reprodução social e territorial. Pode-se dizer que, mesmo dentro de um processo de modernização da agricultura, persiste um patrimônio cultural camponês, identificável por meio dos conhecimentos sobre a gestão dos agroecossistemas e da sociabilidade camponesa. Desta maneira, segundo Neumann (1993), o ponto de partida para o processo de transição rumo a sustentabilidade na agricultura reside no reconhecimento das diferentes racionalidades de decisões produtivas presentes na produção familiar, se é que se pretende oferecer algum aporte eficaz para enfrentar os problemas existentes na organização interna das unidades produtivas familiares.

Objetivo Geral

Compreender o campo empírico da agricultura familiar na escala local e regional a partir dos pressupostos teóricos da
multifuncionalidade no espaço rural;

Justificativa

A questão cultural valoriza o conhecimento popular acumulado ao longo de anos de processo de vivência camponesa, o conhecimento empírico, experimentado e renovado a cada ano de maneira artesanal, firma-se como necessário e culturalmente valorizado na medida em que a sociabilidade camponesa torna-se também agente de transformação dos padrões de produção/consumo.
No aspecto político, mostra-se em um contexto mais amplo e de fundamental importância, já que é o agente de transformação e impulsiona o tratamento de técnicas tradicionais para cultivos mais saudáveis. O poder público tem poder e recursos para direcionar as formas de acesso ao crédito e financiamentos aos produtores rurais, o incentivo dado pelo poder público facilita as negociações do produtor e permite que este possa realizar a conversão de sua
produção na propriedade com o auxílio técnico necessário. Ainda, está relacionada aos processos participativos e democráticos que incluam os produtores rurais nos processos decisórios e de gestão nas atividades desempenhadas por eles, assim como, as redes de organização social e de representações dos diversos segmentos da população rural, isto é, métodos e estratégias capazes de assegurar o resgate da auto-estima e o pleno exercício da cidadania,
transformando os agricultores em sujeitos ativos nos rumos do processo de mudança no desenvolvimento local e regional.
A dimensão ética vincula-se a solidariedade intra e intergerencial e requer novas responsabilidades com respeito a preservação do ambiente, por parte dos agricultores. Ainda, visa fortalecer os princípios e valores que expressem o compromisso com as gerações atuais e futuras.
Diante dessas considerações, justifica-se a proposta de um projeto de ensino voltado para a realização de atividade de campo que articule os eixos teóricos da agricultura familiar e da multifuncionalidade do espaço rural com a realidade empírica presente nas áreas rurais dos municípios de Pelotas, Morro Redondo, Canguçu, São Lourenço do Sul e Hulha Negra proporcionando reflexão acadêmica-científica aos alunos participantes, bem como, ampliando sua formação a partir de atividades extra-curriculares. Com este objetivo promove-se atividade extracurricular para discutir a multifuncionalidade do espaço agrário local, com ênfase no segmento da agricultura familiar, o qual é o lócus de transformações nas relações sociais de trabalho observadas, atualmente, nas áreas rurais. Ainda, a participação em atividades de campo, possibilita aos participantes desenvolver uma visão ampla e integrada sobre o território, sua organização e gestão, sob a perspectiva da sustentabilidade social, econômica e ambiental. Por outro lado, esta atividade justifica-se pela necessidade de oferecer um aporte teórico-metodológico para realização das monografias de conclusão de curso, realizadas sobre a temática em foco, enriquecendo as discussões sobre a relação ensino/pesquisa/extensão.

Metodologia

O desenvolvimento deste projeto de ensino vincula-se a temática proposta pelas disciplinas de Geografia Agrária e Planejamento Rural, dessa forma, contribuir para a compreensão acerca da organização do espaço rural.
Dessa forma, a atividade está organizada em dois momentos:
• O primeiro momento, a fim de relacionar os pressupostos teóricos analisados pelo grupo de estudos, prevê-se a realização de pesquisa de campo junto a algumas propriedades rurais que adotam
estratégias de reprodução social e territorial de forma diversificada, utilizando recursos como gravador, máquina fotográfica, GPS, cartas topográficas e mapas;
• O segundo momento tem como sistematização metodológica discutir e aprofundar o entendimento dos pressupostos teórico-metodológicos, adotados pelos estudiosos das questões agrárias,
para estabelecer as inter-relações entre o segmento da agricultura familiar e a multifuncionalidade, para tanto será utilizado um conjunto de leituras/textos como referencial bibliográfico;

Resultados Esperados

Prevê-se que ao final da realização da atividade proposta os alunos participantes possam:
- Aportar os conhecimentos teóricos e empíricos para a realização dos seus trabalhos de conclusão de curso;
- Participar dos debates propostos em sala de aula pelas disciplinas de Geografia Agrária e Planejamento Rural,
relacionando a aplicabilidade dos conceitos e teorias na interpretação da realidade;
- Organizar acervo fotográfico relacionado ao espaço rural dos municípios a serem visitados.

Equipe do Projeto

NomeCH SemanalData inicialData final
ADAO JOSE VITAL DA COSTA1003/12/201416/12/2014
CARINA DA SILVA1003/12/201416/12/2014
Clea Menna Pinto1003/12/201416/12/2014
EVERTON SAMUEL MARQUES COSTA1003/12/201416/12/2014
FRANCIÉLE VOLZ DA FONSECA1003/12/201416/12/2014
FÁBIO LUÍS BADIA DA SILVA1003/12/201416/12/2014
GABRIELA RODRIGUES GOIS1003/12/201416/12/2014
GIANCARLA SALAMONI1003/12/201416/12/2014
IGOR ARMINDO ROCKENBACH1003/12/201416/12/2014
JERUSA CASSAL DE ALMEIDA1003/12/201416/12/2014
JULIANA TAVARES PEREIRA1003/12/201416/12/2014
KAINAN RODRIGUES DOS SANTOS1003/12/201416/12/2014
LEANDRO RODRIGUES FLOR1003/12/201416/12/2014
MARA ELISIANE DUARTE UCKER1003/12/201416/12/2014
MARCELO JARDIM BOEMEKE1003/12/201416/12/2014
MARCO ANTONIO RAMOS DE OLIVEIRA1003/12/201416/12/2014
MARIA REGINA CAETANO COSTA1003/12/201416/12/2014
MARIANA ALVES NUNES DODE1003/12/201416/12/2014
MARILÊA HARTWIG BESSA1003/12/201416/12/2014
PAULA ECHEVENGUÁ CARDOSO DA ROSA1003/12/201416/12/2014
QUELI REJANE DA SILVA KONZGEN1003/12/201416/12/2014
VENICE MARIA MEAZZA DE CAMARGO1003/12/201416/12/2014

Página gerada em 17/10/2019 13:21:42 (consulta levou 0.056330s)