Nome do Projeto
AÇÕES COLETIVAS PARA A PREVENÇÃO e DETECÇÃO do CÂNCER de BOCA E IDENTIFICAÇÃO DE MARCADORES MOLECULARES DO CARCINOMA ESPINOCELULAR NA POPULAÇÃO DA REGIÃO SUL DO RIO GRANDE DO SUL
Ênfase
PESQUISA
Data inicial - Data final
01/01/2009 - 31/12/2014
Unidade de Origem
Resumo
A incidência de câncer, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), pode aumentar em 50% nos próximos 20 anos, passando de 10 milhões de pessoas acometidas em 2000, para 15 milhões em 2020. Com base no Relatório Mundial sobre o Câncer, recentemente divulgado, a OMS órgão solicitou que governos, autoridades e público em geral empreendam ações urgentes para evitar a ampliação do número de vítimas dessa enfermidade. De acordo com o INCa – Ministério da Saúde, o câncer de boca figura como a sétima forma de neoplasia mais freqüente no Brasil, sendo que na Região Sul encontra-se entre os nove primeiros cânceres mais freqüentes. Ainda hoje é um problema de saúde pública em muitas partes do mundo, havendo predomínio no sexo masculino na faixa etária de 50 a 70 anos. A identificação clínica destas lesões, muitas vezes até mesmo do próprio carcinoma oral, é geralmente difícil, devido às suas aparências clínicas variáveis, as quais podem ser confundidas com um grande número de lesões benignas (SILVERMAN et al., 1984; OKAZAKI et al., 2002). As causas de 80% das neoplasias são atribuíveis às influências genéticas e ambientais, quanto a estas últimas, particularmente aquelas relacionadas ao estilo de vida. O câncer de boca não é exceção, podendo ser induzido por uma combinação de fatores: hábitos pessoais, atividade profissional e região onde o indivíduo habita. Embora este grupo heterogêneo de fatores causais seja uma carcterística marcante do CEC de cabeça e pescoço e também do bucal, tal entidade pode ser prevenida. Dentre os fatores de risco para seu desenvolvimento estão além da compleição clara, imunossupressão, predisposição genética, status sócio-econômico, hábito de fumar e o mais importante, a exposição à radiação UV. O câncer em outras regiões da boca acomete principalmente tabagistas e os riscos aumentam quando o tabagista é também alcoólatra. É importante ressaltar que um complexo mecanismo de alterações moleculares tem sido relacionado ao CEC, podendo iniciar através de alterações pré-malignas progenitoras, que num processo cumulativo de alterações genéticas pode evoluir para um fenótipo invasivo maligno progressivamente (Perez-Ordoñez & Jordan, 2006). Dentre os genes que contribuem para o processo de carcinogênese estão os que regulam os fatores de crescimento endotelial vascular (VEGF e VEGF-C) (Ferrara, 1996; Plate & Warnke, 1997; Alitalo & Carmeliet, 2002; Kerbel & Kamen, 2004), as citocinas como interleucina-6 (IL-6) (Kanazawa et al., 2007) e IL-8 (Nor et al., 2001) e seus receptores, os genes anti-apoptóticos da família do Bcl-2 (Nor et al., 2001; Karl et al., 2005).), bem como a enzima inflamatória ciclooxigenase-2 (COX-2) (Pannone et al., 2007), dentre outros. O objetivo do presente trabalho é desenvolver ações coletivas que visem a prevenção e detecção precoce do câncer de boca e contribuir com o desenvolvimento tecnológico inovador na terapêutica do Carcinoma Espinocelular (CEC), neoplasia bucal mais prevalente, a partir do melhor entendimento dos mecanismos moleculres envolvidos em seu desenvolvimento e progressão. Serão A população-alvo do estudo compreende os usuários do Serviço de Diagnóstico das Doenças da Boca (CDDB) da Faculdade de Odontologia da Universidade Federal de Pelotas, com idade superior ou igual a 50 anos, portadores de lesões de mucosa oral e/ou vermelhão de lábio com ou sem suspeita de malignidade, bem como os indivíduos sem alterações bucais. Todos os pacientes selecionados serão previamente submetidos ao protocolo de atendimento do CDDB, incluindo uma anamnese detalhada, um exame físico extra e intrabucal detalhado, bem como a avaliação da necessidade de diagnóstico histopatológico. A seguir será realizado o rastreamento de alterações bucais com potencial de malignidade, utilizando a técnica do Azul de toluidina. Com o emprego de tecnologias inovadoras de Biologia Molecular será procedida a identificação de marcadores moleculares para o CEC intrabucal, com coleta de DNA de esfregaços de mucosa bucal dos indivíduos, seu isolamento e análise com PCR, complementado por estudo in vitro, empregando cultivo celular, para análise do papel de IL-6, IL-8, VEF-C e Bcl-2 no CEC. Para os casosde CEC de lábio, será investigado o papel COX-2, cuja principal função é a de catalisar a conversão do ácido araquidônico em prostaglandinas, as quais podem afetar a proliferação celular, apoptose e angiogênese, podendo contribuir ativamente para a progressão de células malignas (Pannone et al., 2007). Com o desenvolvimento destes projeto pretende-se realizar ações de promoção, proteção, prevenção e tratamento dos casos de CEC de boca dos usuários do CDDB, de forma conjunta e coletiva, com a abrangência da área de Pelotas e toda a região Sul do RS. Também espera-se contribuir para o melhor entendimento dos mecanismos moleculares do CEC de lábio e intrabucal e, com o emprego de metologias inovadoras colaborar com o desenvolvimento de novas terapias anti-tumorais, modificando o curso dessa enfermidade considerada importante problema de saúde pública nacional.

Objetivo Geral

2.1 - Objetivos Gerais:
- Desenvolver ações coletivas que visem a prevenção e detecção precoce do câncer de boca e contribuir com o desenvolvimento tecnológico inovador na terapêutica do Carcinoma Espinocelular (CEC), neoplasia bucal mais prevalente, a partir do melhor entendimento dos mecanismos moleculres envolvidos em seu desenvolvimento e progressão.

2. 2 - Objetivos Específicos:
- conscientizar a população sobre os riscos relacionados ao câncer bucal e sobre seu papel como agente de mudança do problema
- efetivar uma estratégia de diagnóstico precoce de casos da doença e avaliar da mesma, enquanto instrumento epidemiológico, para auxiliar na prevenção e controle do câncer bucal e auxiliar na organização da demanda para assistência.
- desenvolver de forma conjunta ações de promoção, proteção, prevenção, tratamento, cura e reabilitação, tanto no nível individual quanto no coletivo.
- estimar a proporção de lesões com e sem potencial de malignidade, encontradas nos indivíduos rastreados.
- Identificar fatores de risco para a Carcinoma espinocelular (CEC) de boca (lábio e intrabucal) na população-alvo do Centro de Diagnóstico das Doenças da Boca (CDDB).
- estimar e comparar com outras pesquisas as medidas de sensibilidade, especificidade e valores preditivos positivo e negativo do rastreamento a partir dos re-exames realizados na clínica;
- Verificar se a técnica do rastreamento, enquanto instrumento da epidemiologia, tem potencialidade para contribuir com a prevenção e controle do câncer bucal.
- ldentificar se a técnica de rastreamento reconhece indivíduos doentes e em situação de risco, contribuindo para a organização da demanda à assistência individual
- Identificar prováveis marcadores moleculares do CEC de lábio e intrabucal.
- Correlacionar a existência de malignidade nos casos rastreados de CEC intrabucal com a expressão gênica (IL-6, IL-8, VEGF-C, podoplanina e Bcl-2).
- Correlacionar a existência de malignidade nos casos rastreados de CEC labial com a expressão protéica de COX-2.
- Contribuir, através do desenvolvimento de estratégias para o alcance dos objetivos anteriores, com o desenvolvimento de novas terapias anti-tumorais.
- avaliar o potencial dos resultados obtidos na perspectiva de auxiliar o controle do câncer bucal e a organização da demanda para assistência.

Equipe do Projeto

NomeCH SemanalData inicialData final
03
03
03
12
JEAN CHAVES PEREIRA1201/08/201331/07/2014
KARINE DUARTE DA SILVA1201/08/201331/01/2014
TAMARA RIPPLINGER1201/02/201431/07/2014

Página gerada em 11/12/2018 13:55:46 (consulta levou 0.076155s)