Nome do Projeto
Inadequação do uso de medicamentos entre idosos na cidade de Pelotas, RS
Ênfase
PESQUISA
Data inicial - Data final
30/03/2014 - 28/02/2015
Unidade de Origem
Área CNPq
Ciências da Saúde - Saúde Coletiva - Epidemiologia
Resumo
A distribuição na pirâmide etária no Brasil tem se modificado, com o aumento dos idosos no total da população, o que implica maior frequência de internações, maior número de consultas e maior uso de medicamentos. De acordo com projeções das Nações Unidas e do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), até o ano de 2025, o Brasil será o sexto país com maior população de idosos do mundo. Estes pacientes geralmente possuem maior número de diagnósticos e maior uso de medicamentos; sendo assim, é esperado que surjam mais problemas relacionados ao uso de fármacos quando comparado a pessoas jovens. Este grupo também apresenta particularidades farmacocinéticas e farmacodinâmicas que o torna particularmente vulnerável a efeitos adversos. A maioria dos idosos utiliza mais de um medicamento periodicamente e, quando hospitalizados, podem receber em média de oito a quinze. Muitos fatores contribuem para diminuir o conhecimento do paciente idoso quanto ao seu tratamento medicamentoso. Isso inclui, entre outras causas, a falta de aconselhamento individualizado, a falta de informação escrita personalizada e reforço das instruções orais, inabilidade para recordar as informações previamente apresentadas e a falta de um ajudante ou auxiliar na hora de usar os medicamentos. Um fármaco é considerado adequado quando apresenta uma evidência que apoia seu uso numa indicação determinada, é bem-tolerado na maioria dos pacientes e é custo-efetivo. Considera-se que uma prescrição é inapropriada quando o risco de efeitos adversos é superior ao benefício clínico. Existem mecanismos para determinar a adequação de tratamentos farmacológicos e protocolos que permitem a detecção de prescrições inadequadas para pacientes idosos. Entre os mais utilizados, se encontram os critérios de Beers. Portanto, faz-se necessário conhecer o perfil de utilização de medicamentos por essa população para que sejam estabelecidas estratégias de prescrição racional de fármacos, visto que existem poucos estudos de base populacional no Brasil sobre o tema, que é de grande importância para a saúde pública. Para o presente estudo, serão utilizados os critérios de Beers (atualização de 2012) por terem melhor aplicabilidade em um estudo de base populacional. Existem poucos estudos de base populacional sobre esse assunto e menos ainda após a atualização destes critérios em 2012, sendo a maioria deles realizados apenas em serviços de saúde.

Objetivo Geral

Objetivo geral
Avaliar o uso de medicamentos potencialmente inadequados entre idosos na cidade de Pelotas.


Objetivos específicos

Estimar a prevalência de uso de medicamentos em idosos nos últimos 15 dias.
Estimar a prevalência de polifarmácia em idosos (considera-se como polifarmácia o uso simultâneo de 4 medicamentos ou mais)7.
Estimar a prevalência de automedicação em idosos.
Estimar a prevalência de medicamentos potencialmente inadequados para idosos segundo os critérios de Beers (atualização de 2012).
Identificar os medicamentos mais envolvidos nas prescrições potencialmente inadequadas.
Descrever o uso de medicamentos potencialmente inadequados conforme as características sociodemográficas (idade, sexo, cor, escolaridade, classificação socioeconômica), polifarmácia, automedicação e origem da prescrição – SUS, particular ou convênio.

Equipe do Projeto

NomeCH SemanalData inicialData final
BARBARA HEATHER LUTZ230/03/201428/02/2015

Fontes Financiadoras

Sigla / NomeValorAdministrador
CAPESR$ 75.000,00
Recursos própriosR$ 7.000,00

Página gerada em 14/12/2018 08:35:37 (consulta levou 0.084911s)