Nome do Projeto
Efeito do aconselhamento nutricional realizado na infância sobre os transtornos mentais e a inteligência na adolescência: estudo de intervenção
Ênfase
PESQUISA
Data inicial - Data final
01/08/2014 - 28/02/2017
Unidade de Origem
Área CNPq
Ciências da Saúde - Saúde Coletiva - Epidemiologia
Resumo
A suplementação com micronutrientes e macronutrientes na gestação ou nos primeiros anos de vida é importante para a saúde geral das crianças e seu pleno desenvolvimento. Resultados de estudos de coorte prospectiva indicam efeitos positivos da adequada nutrição na infância e o desenvolvimento mental em etapa posteriores do desenvolvimento. Os estudos de intervenção nutricional têm como foco, essencialmente, a suplementação com micronutrientes e macronutrientes durante a gestação e o primeiro ano de vida e seus efeitos na cognição durante infância. No entanto, seus efeitos em longo prazo na saúde mental e no desenvolvimento cognitivo são pouco investigados em diferentes países do mundo. Não foram identificados estudos realizados no Brasil. Estudos de aconselhamento nutricional durante a infância para promover a saúde mental ou a melhoria na cognição são praticamente inexistentes. De acordo com a revisão bibliográfica realizada, nenhum ensaio clínico randomizado de aconselhamento nutricional foi localizado. Também se deve considerar que os efeitos do aconselhamento nutricional em longo prazo ainda não foram investigados no Brasil. A intervenção de aconselhamento nutricional proposta por este estudo, se efetiva, poderá ser realizada nas unidades básicas de saúde, já que consiste em orientações, realizada por médicos, sobre a alimentação das crianças menores de dois anos de idade.

Objetivo Geral

Objetivo geral

Avaliar os efeitos de uma a intervenção de aconselhamento nutricional realizada durante a infância sobre a inteligência (QI) e na ocorrência de transtornos mentais aos 15-16 anos.


Objetivos específicos

Avaliar se houve diferença entre o grupo de intervenção e controle na prevalência de transtornos mentais em geral, nos transtornos de externalização (transtornos disruptivos e déficit de atenção) e nos transtornos de internalização (depressivos e ansiosos) aos 15-16 anos.
Avaliar se houve diferença entre o grupo de intervenção e controle no escore total do QI aos 15-16 anos.
Avaliar se existe diferença na prevalência de transtornos mentais e na média do QI, entre os grupos de intervenção e controle, para aquelas crianças pertencentes ao grupo de pior condição socioeconômica e no grupo de pior situação nutricional comparadas aos grupos de melhor condição socioeconômica e ao grupo de melhor situação nutricional.

Equipe do Projeto

NomeCH SemanalData inicialData final
TIAGO NEUENFELD MUNHOZ101/08/201428/02/2017

Fontes Financiadoras

Sigla / NomeValorAdministrador
CNPqR$ 112.380,00

Página gerada em 24/09/2019 06:06:36 (consulta levou 0.089302s)