Nome do Projeto
Nível socioeconômico, cobertura por plano de saúde e autoexclusão do Sistema Único de Saúde
Ênfase
PESQUISA
Data inicial - Data final
01/11/2014 - 28/02/2017
Unidade de Origem
Área CNPq
Ciências da Saúde - Saúde Coletiva - Epidemiologia
Resumo
O Sistema Único de Saúde (SUS) tem caráter integral e universal, e seu financiamento é solidário, com recursos públicos prevenientes de tributos. Desde sua criação, o SUS convive com um conjunto de planos de saúde e uma rede suplementar de prestadores de assistência à saúde, tanto um quanto outro fortemente desenvolvidos graças às políticas de saúde da década de 1970 e do final da década de 1960. A partir da década de 1980, restrições orçamentárias prejudicaram a qualidade da atenção à saúde pelo Instituto Nacional de Assistência Médica da Previdência Social (INAMPS), restrições essas que se mantiveram após a universalização do acesso à assistência à saúde com a criação do SUS. De fato, a assistência à saúde pelo setor suplementar é vista como mais satisfatória pela população, enquanto o SUS sofreria com problemas de qualidade, acesso e confiabilidade. Tanto no caso dos planos de saúde coletivos quanto no dos individuais, a cobertura por plano de saúde está fortemente ligada ao nível socioeconômico da família. No caso das famílias menos favorecidas, a contratação de plano de saúde é decidida caso a caso, sendo prioridade para pessoas com saúde considerada frágil. Mas os planos de saúde também têm suas limitações, de forma que seus beneficiários ainda recorrem em algum grau ao SUS para assistência à saúde. O objetivo desta tese é estudar as características dos planos de saúde e das pessoas por eles cobertas, bem como estudar a relação entre a cobertura por plano de saúde e a utilização da atenção primária à saúde do SUS por pessoas cobertas pela estratégia Saúde da Família.

Objetivo Geral

O objetivo geral do estudo é descrever e avaliar a prevalência da cobertura por
plano de saúde e sua relação com variáveis sociodemográficas e com a utilização de
serviços de saúde públicos por pessoas cobertas pela estratégia Saúde da Família.
Os objetivos específicos incluem:
• Estimar as diferenças entre as pessoas cobertas por plano de saúde (empresarial,
individual/por adesão, e informal, ou seja, não regulamentado) e as pessoas não
cobertas, com relação a características sociodemográficas e de estado de saúde.
• Descrever os motivos relatados pelas pessoas para a cobertura por plano de
saúde (empresarial, individual/por adesão, e informal)
• Estimar a associação entre a cobertura por plano de saúde
(empresarial/individual/por adesão, e informal) e a satisfação com o atendimento
médico na atenção primária à saúde do SUS.
• Estimar a associação entre a cobertura por plano de saúde (sem copagamento,
com copagamento, informal) e a busca por atendimento (médico ou não) na
atenção primária à saúde do SUS, controlando por características
sociodemográficas e de estado de saúde.

Equipe do Projeto

NomeCH SemanalData inicialData final
LEONARDO FERREIRA FONTENELLE401/11/201428/02/2017
MARIA BEATRIZ JUNQUEIRA DE CAMARGO101/11/201428/02/2017

Página gerada em 25/06/2019 05:05:29 (consulta levou 0.077465s)