Nome do Projeto
PADRÕES DE CONSUMO DE BEBIDA ALCOÓLICA EM TRABALHADORES RURAIS
Ênfase
PESQUISA
Data inicial - Data final
01/06/2015 - 28/02/2017
Unidade de Origem
Área CNPq
Ciências da Saúde - Saúde Coletiva
Resumo
Motivação: O processo de trabalho na fumicultura pode gerar processos próprios de interação entre os trabalhadores, de tal modo que produza uma cultura de consumo de bebida alcoólica. O trabalho na fumicultura apresenta grande demanda física, com longas jornadas de trabalho, especialmente durante a colheita. Além disso, os fumicultores tem grandes demandas psíquicas relacionadas ao Sistema Integrado de Produção, que apesar de se responsabilizar pela estocagem e comercialização do produto, faz com que o fumicultor perca a autonomia, estabelecendo o modo de produção, concedendo crédito e estabelecendo o valor do produto. A saúde mental também pode ser afetada na zona rural pela migração dos mais jovens para a cidade e pelas incertezas em relação ao clima. Entretanto, não há estudos que avaliem se essas cargas, e a sazonalidade da intensidade de trabalho, típica na agricultura, influencia os padrões de consumo de bebida alcoólica. Objetivos: Determinar os padrões de consumo de bebida alcoólica e os fatores associados ao consumo de risco em fumicultores de São Lourenço do Sul, e verificar a variabilidade do consumo nas diversas etapas de produção do fumo. Métodos: O estudo possui delineamento transversal, e foi realizado contemplando as três etapas do ciclo produtivo do fumo. As duas primeiras foram constituídas por uma sub-amostra de fumicultores que aplicavam agrotóxicos (492 indivíduos). A terceira etapa foi feita com uma amostra representativa de fumicultores do município de São Lourenço do Sul (2570 indivíduos). O trabalho de campo foi de junho de 2010 a março de 2011. O questionário abordou variáveis demográficas, socioeconômicas, comportamentais, do processo de trabalho, e de comorbidades. O consumo moderado foi definido como o consumo de até duas doses de bebida alcoólica por dia para os homens e de até uma dose para mulheres, enquanto o consumo de risco é aquele que excede o consumo moderado, ou seja, três ou mais doses por dia para homens e duas ou mais doses por dia para mulheres. O beber pesado foi definido como beber mais de três doses por dia para mulheres e quatro ou mais doses para homens. Considerou-se o teste Cage positivo indicando “problemas com bebida alcoólica” como duas ou mais respostas positivas.

Objetivo Geral

Objetivo geral
 Descrever o padrão de consumo de bebida alcóolica entre fumicultores
 Determinar a prevalência do consumo de risco, beber pesado e problemas com bebida alcoólica (Cage positivo) e os fatores associados ao consumo de risco em fumicultores de São Lourenço do Sul.
 Verificar a variabilidade nas prevalências do consumo de bebida alcoólica entre aplicadores de agrotóxico nas etapas de produção do fumo

Objetivos específicos
Verificar a associação do consumo de risco com:
 Variáveis demográficas: sexo, idade, e estado civil;
 Variáveis socioeconômicas: escolaridade, volume de produção, tamanho da propriedade, nível de mecanização da propriedade, presença de dívidas com bancos ou com as fumageiras, indicador sintético de nível econômico;
 Variáveis comportamentais: tabagismo, religião, história de suicídio na família
 Idade que iniciou trabalho na lavoura, idade que iniciou o trabalho com fumo, idade de início da aplicação dos agrotóxicos;
 Jornada de trabalho agrícola e doméstico;
 Atividades: subir em andaimes; fazer camalhões; transplantar as mudas; cortar árvores; trabalhar na semeadura e no desbrote; colher o baixeiro; carregar as folhas de fumo; controlar a temperatura da estufa à noite; classificar o fumo; fazer manocas; enfardar;
 Cargas de trabalho: carregamento de peso, fazer muita força; trabalhar curvado; trabalhar em outras posições forçadas; trabalhar sentado no chão; entrar na estufa quente; trabalhar exposto à fumaça; aplicar agrotóxicos;
 Comorbidades: transtornos psiquiátricos menores, tentativa de suicídio; sintomas de doença da folha verde no último mês, sintomas de intoxicação por agrotóxicos;
Verificar a variabilidade no consumo de bebida alcóolica durante o plantio, durante o manejo da produção e durante a colheita: meio da semana e aos finais de semana;
Verificar associação da variabilidade no consumo de bebida alcóolica com:
 Jornadas de trabalho e etapa do ciclo agrícola;

Equipe do Projeto

NomeCH SemanalData inicialData final
JULIANA LOPES FÁVERO401/06/201528/02/2017
RODRIGO DALKE MEUCCI101/06/201528/02/2017

Fontes Financiadoras

Sigla / NomeValorAdministrador
CNPqR$ 149.910,00
FAPERGS (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio Grande do Sul)R$ 120.900,00

Página gerada em 19/07/2019 15:55:45 (consulta levou 0.058691s)