Nome do Projeto
DINÂMICA RUMINAL E OTIMIZAÇÃO DO USO DE NITROGÊNIO DO AZEVÉM (Lolium multiflorum LAM) AVALIADOS COM DIFERENTES TÉCNICASDE DIGESTIBILIDADE
Ênfase
PESQUISA
Data inicial - Data final
19/12/2015 - 31/12/2016
Unidade de Origem
Coordenador Atual
Área CNPq
Ciências Agrárias - Zootecnia - Nutrição e Alimentação Animal
Resumo
A pecuária brasileira é uma estratégia econômica pois vem conquistando cada vez mais mercados estrangeiros , trazendo retorno ao produtor rural e ao mercado interno. Em grande parte do País, a forma extensiva de criação é marcada pela presença de pastagem natural, as quais sofrem mudanças em sua flora conforme as condições edafoclimáticas de cada regiao. No Rio Grande do Sul, o campo nativo sofre alterações significativas durante as estações que apresentam temperaturas mais baixas, exigindo ao produtor que procure alternativas viáveis para manter sua produção. Atualmente, em nosso estado, o azevém é a espécie que mais se destaca como alternativa forrageira hibernal nesses sistemas produtivos. O azevém apresenta alto valor nutritivo, alta ressemeadura e resistência a doenças. Como silagem, sua utilização ainda não é bem conhecida nutricionalmente em seus diferentes estágios ou tempo de desidratação. sendo assim, ste trabalho tem por objetivo avaliar os parâmetros da digestão ruminal de diferentes estágios fenológicos de azevém, diferentes tempos de murcha da silagem de azevém, assim como o feno, procurando otimizar a utilização a nível ruminal do N contido na forragem.

Objetivo Geral

Caracterizar a dinâmica da fermentação ruminal in vitro e in situ do azevém (Lolium multiflorum, LAM.)

Determinar:
Digestibilidade in situ, in vitro e in vitro gases do azevém em: três diferentes estágios fenológicos da planta verde, silagem com 4 teores de MS;
Avaliar a associação do N do azevém com diferentes níveis de amido, procurando otimizar a utilização a nível ruminal do N do azevém, comparando as diferentes formas de fornecimento;
Avaliar o efeito do teor de amilopectina do amido quanto a otimização da utilização do N para o animal ruminante;
Estimar e comparar a aderência bacteriana do azevém nas diferentes formas citadas;
Correlacionar os resultados obtidos das incubações com a composição química das dietas experimentais.

Equipe do Projeto

NomeCH SemanalData inicialData final
ANA CAROLINA FLUCK1219/12/201531/12/2016
DÉRICK CANTARELLI ROSLER219/12/201531/12/2016
FÁBIO ANTUNES RIZZO119/12/201531/12/2016
GUSTAVO DUARTE FARIAS119/12/201531/12/2016
Jamir Luis Silva da Silva219/12/201531/12/2016
Jamir Luis Silva da Silva219/12/201531/12/2016
Jorge Schaufhäuser Junior219/12/201531/12/2016
Jorge Schaufhäuser Junior219/12/201531/12/2016
LEANDRO DE CONTO119/12/201531/12/2016
LEILA CARDOZO219/12/201531/12/2016
LÉSTER AMORIM PINHEIRO119/12/201531/12/2016
LÉSTER AMORIM PINHEIRO119/12/201531/12/2016
LÍVIA ARGOUD LOURENÇO119/12/201531/12/2016
OLMAR ANTÔNIO DENARDIN COSTA419/12/201531/12/2016
OTONIEL GETER LAUZ FERREIRA119/12/201531/12/2016
PATRÍCIA PINTO DA ROSA219/12/201531/12/2016
RODRIGO GARAVAGLIA CHESINI219/12/201531/12/2016
RUDOLF BRAND SCHEIBLER119/12/201531/12/2016

Fontes Financiadoras

Sigla / NomeValorAdministrador
EMBRAPAR$ 0,00
Programa de Pós-Graduação em ZootecniaR$ 0,00

Página gerada em 22/10/2020 01:12:08 (consulta levou 0.069387s)