Nome do Projeto
Controle biológico de Senecio madagascariensis e outras espécies de Senecio p pela utilização de pastejo com ovinos
Ênfase
PESQUISA
Data inicial - Data final
02/03/2016 - 02/02/2017
Unidade de Origem
Coordenador Atual
Área CNPq
Ciências Agrárias - Medicina Veterinária - Toxicologia Animal
Resumo
A intoxicação por Senecio spp. apesar de conhecida há mais de 30 anos, ainda causa perdas econômicas elevadas, principalmente na Região Sul do Brasil. As diversas espécies dessa planta com a ocorrência de surtos têm aumentado permanentemente nos últimos anos devido, entre outras causas, à diminuição da população de ovinos no Estado. É sugerido, também, que o aumento da ocorrência da planta e consequentemente da intoxicação em bovinos e a mudança no padrão da intoxicação, com apresentação subaguda, podem estar relacionados também às mudanças climáticas como secas prolongadas e como à degradação do solo. Tentativas de controlar essa intoxicação por métodos tradicionais, com utilização de herbicidas, ou eliminação dos espécimes tóxicos por métodos mecânicos não têm tido o êxito esperado. Perante essa realidade, novas alternativas para o controle da intoxicação devem ser investigadas e implementadas. Entre estas, inclui-se o controle biológico mediante pastejo com ovinos. Para tanto, é necessário estabelecer o tipo de pastejo (continuado ou alternado), quantidade (lotação) de ovinos por hectare, tempo de permanência dos ovinos em cada tipo de manejo, época de pastejo no caso de pastejo alternado e o risco de toxicidade para os ovinos. Os ovinos ingerem normalmente Senecio spp. e em áreas nas quais esta espécie é criada, essas plantas desaparecem no entanto, a intoxicação é relatada em ovinos, tanto no Rio Grande do Sul quanto em outros Países. Com base no exposto há uma clara carência de informações referentes ao desempenho de rebanhos ovinos mantidos em pastejo de áreas invadidas pelas diversas espécies de Senecio, especialmente S. madagascariensis que se apresenta como uma nova invasora com grande capacidade de disseminação. Isto sugere que mais estudos necessitam ser realizados para a determinação de quantos ovinos e por quanto tempo podem permanecer em áreas severamente infestadas pela planta sem risco. Além disso, o controle por ovinos pode ser limitado ao controle humano e não atingir as dimensões do equilíbrio que pode ser obtido, por exemplo, entre populações de Senecio e de seus inimigos naturais. Os objetivos deste projeto são determinar a eficiência do controle de de S. madagascariensis em áreas invadidas, utilizando ovinos em pastejo rotativo ou contínuo em diferentes fases de desenvolvimento da planta, bem como estabelecer quantas unidades animais /hectare são mais eficientes para este controle em menor período de tempo .

Objetivo Geral

Controlar S. madagascariensis utilizando o pastejo alternado ou contínuo com ovinos em diferentes lotações e em diferentes épocas do ano
Utilizar ovinos para o controle de Senecio spp. em propriedades rurais com histórico de intoxicação em bovinos, de acordo com as condições de manejo e realidade de cada propriedade.

Equipe do Projeto

NomeCH SemanalData inicialData final
ADRIANA LÜCKE STIGGER2002/03/201602/02/2017
ANA CAROLINA BARRETO COELHO802/03/201602/02/2017
BIANCA LEMOS DOS SANTOS802/03/201602/02/2017
ELIZA SIMONE VIEGAS SALLIS202/03/201602/02/2017
PABLO ESTIMA SILVA1002/03/201602/02/2017
PABLO ESTIMA SILVA1201/08/201331/07/2014

Fontes Financiadoras

Sigla / NomeValorAdministrador
CAPESR$ 3.000,00

Página gerada em 30/11/2020 20:41:37 (consulta levou 0.075551s)