Nome do Projeto
O ESTÁGIO CURRICULAR NA UFPEL E A FORMAÇÃO DE PROFESSORES: APROXIMAÇÕES E DISTANCIAMENTOS EM SUAS TRAJETÓRIAS E IDENTIDADES
Ênfase
PESQUISA
Data inicial - Data final
15/07/2008 - 16/07/2014
Unidade de Origem
Área CNPq
Ciências Humanas - Educação
Resumo
Temas relacionados à formação de professores estão progressivamente sendo discutidos nas últimas décadas. Entretanto, as investigações que envolvem os estágios curriculares, em termos quantitativos, são menos expressivas. Entre medidas legais e o que efetivamente é vivenciado cotidianamente pelos sujeitos que se constroem professores e professoras, existe uma lacuna considerável. Historicamente, desde a criação dos primeiros cursos de Licenciatura no Brasil, nos anos 30 do século XX, constatamos uma fragmentação na forma como esses cursos estão organizados, no modelo 3+1, que gera um descompasso entre as propostas formadoras e a realidade do trabalho dos professores. Esse descompasso caracteriza-se, dentre outros, pela concepção de que para ser professor basta “ter o conhecimento do campo específico do que será ensinado”, ocupando, portanto, o conhecimento da área pedagógica, lugar de desprestígio nos cursos, delegando aos professores dessa área, de um modo geral, a “responsabilidade pela formação do professor”. A Universidade Federal de Pelotas segue os princípios de criação das universidades brasileiras. Conta, atualmente, com cinqüenta e três cursos de graduação, entre presenciais e a distância, sendo que destes, dezenove, são de licenciatura. Em 2007, a Pró-Reitoria de Graduação - PRG organizou o II Fórum das Licenciaturas, contando com representantes das categorias envolvidas, objetivando dar continuidade às discussões anteriores que problematizavam os processos de formação dos professores. Após esse evento, foi proposta a instituição de uma “Comissão de Políticas das Licenciaturas potencializando estágios e práticas nos cursos de Graduação”.Interessante notar, entretanto, que embora exista um esforço no sentido de compreender melhor os estágios e práticas de ensino, a expressão destas discussões, parece ter contribuído pouco para a proposição de estratégias que superem um entendimento reducionista destes componentes curriculares. O que temos analisado, em nossas inserções nos cursos, refere-se à premissa de que no momento em que os estágios entram em cena, assumem características muito distintas e isso se deva menos pelas peculiaridades dos cursos e mais por uma interpretação particular do que seja o trabalho do professor, ou seja, pela compreensão muito particular acerca de uma identidade profissional do professor. A preocupação do grupo em relação aos temas relacionados à formação de professores, tem permitido algumas iniciativas no sentido de compreender melhor essa complexa profissão. Nossos trabalhos têm investido nas trajetórias de professores de nível médio e superior (ZANCHET, 2006) e formação de professores para os níveis da educação básica e superior, estágio curricular e licenciaturas (PINTO, 2002, 2008), (FOSTER, BROILO, PINTO 2002). O projeto aqui proposto condiz com a linha de pesquisa na qual estamos vinculadas, no Programa de Pós-Graduação em Educação da UFPel: Formação Docente: ensino, aprendizagem e conhecimento. Propomos investigar como os estágios curriculares dos cursos de licenciatura presenciais, estão se organizando e quais são as aproximações e distanciamentos que existem entre eles, já que têm, no mínimo, uma característica em comum, que se refere a estarem “formando professores”. Dessa forma, analisaríamos também, a concepção predominante acerca de formação de professores que circunscrevem as propostas dos estágios. A orientação metodológica dar-se-á pelo Estudo de Caso, tendo como recursos a Análise Documental e entrevistas semi-estruturadas. A Abordagem dos dados será prioritariamente, qualitativa. Alguns referenciais que possibilitariam a interlocução com os dados estariam em: ALARCÃO, I.; TAVARES (2001), CUNHA, M. I.(2001), FÁVERO (2001), OLIVEN (2002), SANTOS (2001), TARDIF (2000), PIMENTA, S.G.; LIMA, M. S. L (2004), LIBÂNEO (2006).

Objetivo Geral

#investigar como os estágios curriculares dos cursos de licenciatura presenciais, estão se organizando e quais são as aproximações e distanciamentos que existem entre eles, já que têm, no mínimo, uma característica em comum, que se refere a estarem “formando professores”.
# Analisar também, a concepção predominante acerca de formação de professores que circunscrevem as propostas dos estágios.

Equipe do Projeto

NomeCH SemanalData inicialData final
08
08
08
08
GUSTAVO DE OLIVEIRA DUARTE410/06/201316/07/2014
LELIA NEGRINI DINIZ410/06/201316/07/2014
MONICA CORREA DE BORBA410/06/201316/07/2014
TAIANE OLIVEIRA DE ARRUDA DA ROSA410/06/201316/07/2014

Página gerada em 14/12/2018 08:15:59 (consulta levou 0.061335s)