Nome do Projeto
A CIÊNCIA E SUAS MULHERES
Ênfase
Extensão
Data inicial - Data final
15/04/2019 - 15/04/2020
Unidade de Origem
Coordenador Atual
Área CNPq
Ciências Exatas e da Terra
Eixo Temático (Principal - Afim)
Educação / Tecnologia e Produção
Linha de Extensão
Divulgação científica e tecnológica
Resumo
A ciência e suas mulheres é um projeto de extensão de divulgação científica, o qual visa destacar a participação da mulher na produção da ciência. Trata-se da pesquisa, elaboração e divulgação de material, apresentando as principais pesquisadoras e suas respectivas contribuições na área das ciências exatas e da terra. O principal objetivo do projeto, é despertar o interesse de jovens estudantes do sexo feminino, do ensino médio pela área da ciências exatas. Serão desenvolvidas atividades, tais como, oficinas, palestras, cursos, aulas práticas realizadas em laboratórios da Universidade, assim como, atividades de iniciação à pesquisa. De outra forma, irá estimular as alunas de graduação, envolvidas na equipe de trabalho , a seguir na carreira acadêmica e oportunizar essas alunas de trabalhar o conhecimento científico em espaços não acadêmicos.

Objetivo Geral

O objetivo principal do projeto é despertar o interesse vocacional de estudantes do sexo feminino da Educação básica e do Ensino Superior por profissões e para a pesquisa científica e tecnológica, assim como, para combater a evasão que ocorre principalmente nos primeiros anos, de meninas dos cursos de graduação nessas áreas.

Justificativa

Ao longo da história, o papel da mulher na ciência foi expressivo e as suas contribuições científicas se manifestaram nas mais diversas áreas do conhecimento. Entretanto, em 2018, as mulheres ainda representam apenas um terço do conjunto dos estudantes universitários em carreiras de Ciências, Matemática e Tecnologia no mundo (UNESCO.ORG, 2018). Essa diferença tende a ser ainda mais marcante dentre as posições acadêmicas mais avançadas. Desincentivos começam na infância e se estendem pela vida profissional, muitas vezes de forma tão sutil que seus efeitos só são percebidos posteriormente (MAXMEN, 2018).
Para o caso da participação das mulheres na Ciência, o Prêmio Nobel reflete esta desigualdade. Em seus 117 anos de existência (1901 a 2018) apenas 51 prêmios, de um total de 904, foram concedidos a mulheres (NOBELPRIZE.ORG, 2018). Nas áreas de ciências, como exemplo na Química, cinco mulheres foram contempladas, enquanto na Física, apenas três até o presente momento.
Dados estatísticos fornecidos pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq 2017), para o ano de 2015, revelam adicionalmente que as mulheres são minoria em todas as categorias de bolsas de produtividade em pesquisa. Na categoria de Pesquisador 1A, o mais alto nível dos bolsistas de produtividade em pesquisa do CNPq, a participação feminina corresponde a 24,6%. Considerando o número total de bolsas outorgadas pelo CNPq no Brasil (em todos os níveis acadêmicos), encontramos que as maiores desigualdades de gênero ocorrem em Ciências Exatas e da Terra (34,2% mulheres), em Engenharia e Computação (36,5% mulheres) e Ciências da Saúde (68% mulheres) (A. B. LAZZARINI, 2018). Este cenário não se restringe ao Brasil, como mostra um relatório global sobre gênero da Editora Elsevier (ELSEVIER, 2017).
Desta forma, ao longo dos últimos 15 anos, a comunidade global fez muitos esforços para inspirar e envolver as mulheres e meninas na ciência, mas, infelizmente, muitas continuam a ser excluídas desta área. De acordo com um estudo em 14 países, a probabilidade de mulheres obterem o grau de licenciatura, mestrado e doutorado em campos relacionados com a ciência é de 18%, 8% e 2%, respectivamente; enquanto que as percentagens masculinas são de 37%, 18% e 6% (USP).
Desta forma, o ano de 2018 foi marcado por iniciativas das agências de fomento (Serrapilheira, CNPq, Ministério da Ciência e Tecnologia (chamada CNPq/MCTIC Nº 31/2018)) no sentido de incentivar a participação das mulheres no desenvolvimento das ciências, assim como de incentivar meninas, estudantes do ensino médio, a seguir a carreira de ciências exatas.
Com base no exposto, consideramos justificada a proposição deste projeto de extensão, de forma que engloba 3 dos objetivos do desenvolvimento sustentável da agenda da ONU (NACOESUNIDAS.ORG ) e duas metas do plano nacional de educação (PORTALMEC.GOV), que são a questão da melhoria da qualidade do ensino básico e superior e a redução da desigualdade de gênero, oportunizando e dando condições das mulheres terem paridade e a redução de desigualdades territoriais.

Metodologia

A metodologia aplicada no projeto envolve as seguintes etapas:
- Pesquisa bibliográfica abrangendo as contribuições de cientistas mulheres para a área de ciências exatas e da terra. Nessa etapa, prevemos ainda selecionar pesquisadoras brasileiras que são referência em suas áreas de atuação.
- Articulação do grupo de trabalho de forma a elaborar materiais impressos e digitais, a partir da pesquisa bibliográfica. Nessa etapa, a equipe irá elaborar materiais com uma recontextualização didática, tendo como meta a apresentação do conhecimento científico também em espaços não acadêmicos.
- Os materiais produzidos no item anterior serão aplicados em oficinas, palestras, cursos em escolas públicas;
- A escola indicará de dois a quatro alunos do ensino médio, para atuar em atividades de iniciação à pesquisa em grupos de pesquisa do PPGQ da UFPel.
- Alunas bolsistas de Graduação irão atuar em atividades de pesquisas juntamente com os alunos de ensino médio.
- O material digital produzido será divulgado em redes sociais de divulgação científica, assim como irá auxiliar as aulas de química, física de escolas de ensino médio.

Indicadores, Metas e Resultados

O projeto tem como principal meta estabelecer uma atividade de extensão à longo prazo, de forma a diminuir a evasão dos cursos de ciências exatas, principalmente engenharias, assim como, desmistificar que os cursos ciências exatas e engenharias são essencialmente de alunos do
gênero masculino. Ainda, as alunas de graduação, envolvidas na equipe de trabalho serão motivadas a partir dos conhecimentos adquiridos, a seguir na pós-graduação, assim como, devido as experiências sociais adquiridas a se tornarem profissionais mais conscientes.

Equipe do Projeto

NomeCH SemanalData inicialData final
ADRIANA CASTRO PINHEIRO4
ALANA NUNES CENTENO
ANDRE FRANCISCO PIVATO BIAJOLI1
DANIELLE TAPIA BUENO
GRACELIE APARECIDA SERPA SCHULZ1
IANKA JACONDINO NUNES
PAULA DEL PONTE ROCHA
ROBSON DA SILVA OLIBONI1

Página gerada em 15/12/2019 03:39:10 (consulta levou 0.297357s)