Nome do Projeto
O Laboratório de Ensino de Ciências e Biologia e a criação de material didático como apoio à educação básica
Ênfase
Extensão
Data inicial - Data final
01/06/2017 - 31/12/2017
Unidade de Origem
Coordenador Atual
Área CNPq
Ciências Humanas
Eixo Temático (Principal - Afim)
Educação / Tecnologia e Produção
Linha de Extensão
Metodologias e estratégias de ensino/aprendizagem
Resumo
São diversas as questões que afligem a educação, mais especificamente, nas escolas de educação básica enfatizam-se a relação teoria e prática, a inovação pedagógica e a aprendizagem dos alunos. As escolas necessitam investir na inovação pedagógica, como forma de acompanhar a juventude atual em suas características emocionais, atitudinais, cognitivas, sociais e nos processos de compreensão e aprendizagem, tendo em vista as mudanças que a sociedade contemporânea apresenta nas formas de educar e compreender da juventude atual. Manter a escola inalterada, face a tantas mudanças, nos parece ampliar a sua ineficiência como locus de produção de conhecimento e construção de cidadania. Nesse contexto, analisa-se que uma das formas de incentivar tais modificações na prática pedagógica dos professores seja através da utilização de recursos pedagógicos inovadores. Citamos, como exemplo, a produção e utilização de material didático em sala de aula a fim de favorecer a compreensão e estimular a criatividade dos alunos, possibilitando um ensino contextualizado e significativo. A que se considerar também a importância de estudos, planejamento e confecção de recursos didáticos adaptados para pessoas com deficiência, que possam constituir em suporte para as práticas e aprendizagens na educação básica. Urge superar a concepção de inclusão escolar como impossível de ocorrer devido a incapacidade de aprender dos alunos com necessidades educativas especiais (NEE). Nesse sentido, o Laboratório de Ensino de Ciências e Biologia (LenciBio) da Universidade Federal de Pelotas vem desenvolvendo recursos que instrumentalizem e incentivem os licenciandos a produzirem diferentes recursos a serem implementados nas escolas, bem como atividades de pesquisa e extensão, como forma de melhorar a compreensão e socialização do conhecimento científico. Várias pesquisas apontam (Krasilchik e Marandino, 2004; Galiazzi et al 2008; Bizzo, 2009; Marandino et al 2009; Duso e Hoffmann, 2013) a importância de estratégias metodológicas diferenciadas e a necessidade de superação de aulas predominantemente expositivas, centradas na figura do professor e que priorizam a memorização. Através das diferentes iniciativas desenvolvidas no LenciBio, preocupa-se com a formação inicial integrada e contextualizada, preparando os futuros docentes para os diversos desafios encontrados no mercado de trabalho, bem como o LenciBio se constitui também em um espaço para a realização de formação continuada de professores, oportunizando vivências e a troca de saberes entre a escola e a Universidade.

Objetivo Geral

Oportunizar aos professores da educação básica espaço para estudo, planejamento, elaboração e execução de materiais e recursos inovadores a partir das demandas observadas nas escolas públicas do Município de Pelotas;

Justificativa

Muitos professores da educação básica, embora manifestem desejo, não conseguem desenvolver ideias inovadoras que tornariam suas aulas mais criativas, inovadoras e dinâmicas, seja por falta de tempo para produção, quanto por brechas na formação. Quando se trata da produção de recursos didáticos adaptados à alunos com necessidades educativas especiais (NEE) a realidade educacional se agrava ainda mais, pois além do despreparo dos docentes para lidar com as diferentes NEEs, a infraestrutura de muitos laboratórios não auxilia no desenvolvimento de estratégias diversificadas com diferentes materiais pedagógicos que possam enriquecer a prática pedagógica do professor. No entanto, se sabe que o uso adequado de alternativas didáticas (aulas práticas, maquetes, modelos, produção de vídeos, mídias digitais entre outros materiais) pode estimular a participação, valorizar a iniciativa, os avanços coletivos e individuais e contribuir para uma melhor compreensão dos conceitos teóricos apresentados no espaço escolar.
Nesse contexto, as disciplinas de Ciências e Biologia da educação básica necessitam, na maioria das vezes, demonstrar os fenômenos biológicos, utilizando-se, para isso, de diferentes materiais. No entanto, os laboratórios de ciências das escolas, muitas vezes, são precários e os procedimentos laboratoriais precisam de materiais de elevado custo, o que inviabilizam a execução de muitas práticas. Nesse sentido, um dos objetivos deste projeto é auxiliar na adequação e substituição das atividades de laboratório através da produção de material de fácil obtenção e baixo custo. Além disso, instrumentalizar os professores da educação básica para que aprendem a desenvolver, de acordo com as características de cada deficiência, materiais adaptados que integrem os alunos com NEEs aos demais colegas e ao espaço da escola, proporcionando a compreensão do conhecimento científico.
Objetiva-se, também, oportunizar aos professores de Ciências e Biologia apropriarem-se dos conhecimentos teóricos necessários para a compreensão de que todo o recurso didático utilizado em sala de aula precisa apresentar objetivos pedagógicos claros e adequados para, efetivamente, auxiliar nos processos de ensino e aprendizagem. Para isso, o LenciBio, em parceria com alunos do Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências e Matemática (PPGEM/UFPel) e alunos da Licenciatura em Ciências Biológicas se propõe a atender estas demandas através da construção do ideário metodológico, tendo em vista a utilização das tecnologias e de recursos didáticos como atividades centrais para o ensino, tendo como espaço formativo o Laboratório de Ensino de Ciências e Biologia.

Metodologia

O projeto será desenvolvido através de diversas ações tanto na educação básica, quanto na universidade, envolvendo: Levantamento do número de escolas públicas do Município de Pelotas que apresentam Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) considerado baixo; Levantamento da existência de laboratórios de ciências, bem como, sua qualidade, a frequência de utilização do espaço e a confecção de diferentes estratégias metodológicas adaptadas ou não voltadas para o ensino de Ciências e Biologia nas escolas identificadas com os menores Idebs em Pelotas; Levantamento, junto aos professores de Ciências e Biologia, das demandas das escolas quanto à produção de materiais pedagógicos adaptados ou não; estudo e desenvolvimento pelos professores da educação básica, com auxílio dos licenciandos e alunos de pós-graduação, de recursos pedagógicos inovadores; Socialização e aplicação de diferentes materiais didáticos adaptados ou não no Laboratório de Ensino de Ciências e Biologia e publicação em formato digital.

Indicadores, Metas e Resultados

Pretende-se, através deste projeto de extensão, aprimorar a formação de professores, assim como qualificar as práticas desenvolvidas nas escolas de educação básica. A formação continuada requer aprimoramento para que, os professores compreendam a importância da inclusão escolar e da inovação pedagógica como processos necessários e fundamentais para qualificação de suas práxis e do espaço escolar, assim como a pós-graduação serve como momento de reflexão e pesquisa durante a formação continuada.
Espera-se, através dos indicadores obtidos nas escolas com Idebs baixos no Município de Pelotas, auxiliar e incentivar os professores de Ciências e Biologia a compreenderem a importância da utilização de recursos pedagógicos inovadores, assim como pensar em estratégias para a promoção da inclusão escolar.
Além disso, se espera que os professores da educação básica percebam a influência positiva que a criação e aplicação em sala de aula de materiais pedagógicos apresenta na compreensão dos conceitos científicos; que se sintam mais preparados para trabalhar com alunos com NEEs no espaço escolar; que aprendam a ter criatividade e versatilidade quando a escola não dispor de muitos recursos; que compreendam a importância da construção coletiva junto à comunidade escolar.

Equipe do Projeto

NomeCH SemanalData inicialData final
ELLEN ALDRIGHI GALARZ
FRANCELE DE ABREU CARLAN2
LEONARDO NOGUEIRA ZANCHETTA
LUCIANA HENZEL DOS SANTOS
PRISCILA KRÜGER VOIGT
RAQUEL LUDTKE2
RITA DE CASSIA MOREM COSSIO RODRIGUEZ2
STHÉFANI BORGES BREGUE
VERÔNICA PORTO GAYER

Página gerada em 01/07/2022 04:56:43 (consulta levou 0.080892s)