Nome do Projeto
Jogando para Aprender
Ênfase
Extensão
Data inicial - Data final
01/01/2017 - 15/12/2017
Unidade de Origem
Coordenador Atual
Área CNPq
Ciências da Saúde
Eixo Temático (Principal - Afim)
Educação / Educação
Linha de Extensão
Esporte e lazer
Resumo
O projeto “Esporte na Escola: Jogando para Aprender” promoverá aulas que serão ministradas por estudantes do curso de Licenciatura de Educação Física, segundo o método de iniciação esportiva baseada no método Universal proposto por Greco e Benda (1998). As crianças terão a oportunidade de uma aproximação plural com esporte a partir da utilização de jogos e brincadeiras.

Objetivo Geral

Oportunizar a vivencia de escolares com praticas de iniciação esportiva

Justificativa

A infância é uma fase marcada por descobertas, a criança através do brincar interage com um mundo de possibilidades. Segundo Instituto Ayrton Senna (2008, p.53) “uma das principais características da infância é o movimento e através dele a ligação com aprendizagem e desenvolvimento motor, mental, social e afetivo”.
De acordo com mesmo autor, as atividades propostas às crianças, a variabilidade das brincadeiras e jogos devem levar em consideração o que elas já vivenciaram, o que conhecem, valorizando as experiências anteriores e promovendo a criação, construção de novos conhecimentos para que o ensino e aprendizagem propiciem um amplo desenvolvimento motor e cognitivo. Por isso, a importância do brincar, da imaginação e também da oferta de diversos estímulos que possibilitem a tomada de decisão e consciência.
Os hábitos modernos têm interferido diretamente nas vivências e experiências motoras das crianças, tais fatores estão diretamente relacionados a gênero, idade, envolvimento e participação da família em atividades físicas, realidade social/cultural individual (realidade do ambiente onde o indivíduo está inserido) e aspectos da sociedade moderna (revolução eletrônica, indústria alimentícia, além do “domínio” do relógio sobre a vida dos indivíduos) (SEABRA et al, 2008). A influência de resultados negativos dos fatores citados constrói dentro do Brasil uma realidade onde uma a cada três crianças de cinco a nove anos encontra-se acima do peso, ao passo que as habilidades motoras fundamentais se mostram fragilizadas e não sendo atingidas por escolares na idade adequada (IBGE, 2010).
Segundo Gallahue, Ozmun e Goodway (2013 apud IGNACIO 2015) as experiências proporcionadas pelo meio através de estímulos têm papel fundamental na obtenção de uma maturação das habilidades motoras, tendo esta interferência que repercute em diversas áreas como: esportes, lutas, danças e artes cênicas. Dentro desta perspectiva percebe-se que práticas/experiências e habilidades motoras estão diretamente relacionadas, junto disto, estudos mostram que a “inabilidade” (limitações próprias) acaba por limitar a inserção da criança na pratica de exercícios físicos (devido a sua própria limitação ou por vergonha), comprometendo ainda mais seu desenvolvimento e aspectos que envolvem sua saúde (Valentini ( 2002 apud IGNACIO, 2015).
A Iniciação Esportiva Universal (GRECO; BENDA, 1998) é uma proposta de ensino-aprendizagem-treinamento de esportes para ser utilizada na iniciação esportiva de crianças. Com este modelo busca-se uma aproximação do aluno ao esporte através do resgate de jogos e brincadeiras infantis. Dessa forma, proporciona-se um ensino-aprendizado tático e motor a partir de experiências variadas evitando-se a especialização precoce e a mecanização e repetição de movimentos presente no treinamento de atletas.
De acordo com Greco e Benda (1998), esta concepção procura não especializar o aluno em uma modalidade esportiva, mas proporcionar uma formação ampla e geral, adequada a sua idade. Além disso, preza pelo ensinar pelo esporte, ou seja, desenvolver atitudes, comportamentos e valores auxiliando na formação da personalidade (GRECO, 2012).

Metodologia

O projeto “Esporte na Escola: Jogando para Aprender” promoverá aulas que serão ministradas por estudantes do curso de Licenciatura de Educação Física. As ações ocorrerão às quartas e sextas das 14h às 16h no ginásio da Escola Superior de Educação Física (ESEF) da Universidade Federal de Pelotas (UFPel). Os alunos do projeto terão entre 5 e 10 anos de idade e poderão ser de ambos os sexos.
Serão feitas visitas às escolas da região, próximas a ESEF, para apresentar o projeto às turmas com alunos de 5 a 10 anos e convidá-los a participarem. Os interessados poderão se inscrever na própria ESEF, para que dessa forma sejam formadas as turmas. Todos os alunos assinarão o Termo de Consentimento Livre e Esclarecido.
Após a formação das turmas serão realizados diagnósticos para compreender a comunidade onde vivem e conhecer os alunos. Um aspecto importantíssimo e que deve ocorrer antes de qualquer ação de planejar é o reconhecimento da realidade, o diagnóstico, a reflexão sobre o universo em que se está inserido (OLIVEIRA; MOREIRA, 2009).
Além disso, será realizado teste de Coordenação Motora com Bola (GRECO et. al, 2014) para determinar o nível de coordenação motora dos alunos, e a partir disso elaborar o planejamento das aulas.
A avaliação do projeto se dará com os mesmos testes para comparar a evolução dos participantes a partir da utilização do IEU.

Indicadores, Metas e Resultados

Espera-se comprovar a eficiência no desenvolvimento motor e tático proposto pela metodologia de Iniciação Esportiva Universal. Identificar a evolução das crianças através dos jogos e brincadeiras; a evolução da capacidade tática e motora;

Equipe do Projeto

NomeCH SemanalData inicialData final
ERALDO DOS SANTOS PINHEIRO2
FRANCIÉLE DA SILVA RIBEIRO
LILIAN MARTINA EINHARDT LEITZKE
LORENA RODRIGUES SILVA
LUCAS HOLZ RODRIGUES
NUBIA REGINA PORTO RIBEIRO
PATRÍCIA DA ROSA LOUZADA DA SILVA
PATRÍCIA MACHADO DA SILVA
VINICIUS GUADALUPE BARCELOS OLIVEIRA
VIVIAN HERNANDEZ BOTELHO

Página gerada em 03/07/2022 05:42:50 (consulta levou 0.461906s)