Nome da Atividade
ESCALAS GEOGRÁFICAS E PROCESSOS DE GLOBALIZAÇÃO: ABORDAGENS CRÍTICAS E PÓS-CRÍTICAS
CÓDIGO
10060235
Carga Horária
68 horas
Tipo de Atividade
DISCIPLINA
Periodicidade
Semestral
Modalidade
PRESENCIAL
Unidade responsável
CARGA HORÁRIA TEÓRICA
4
FREQUÊNCIA APROVAÇÃO
75%
CARGA HORÁRIA OBRIGATÓRIA
4
CRÉDITOS
4

Ementa

Conceito de Escala Geográfica. Teorias críticas e pós-críticas sobre Escala e Globalização. Uso da Escala na operação da pesquisa geográfica. Dissidências entre o local e global. Gênese do conceito de Globalização. Limites e possibilidades nos usos dos conceitos de Escala e Globalização. Escala e Performatividade.

Objectives

Objetivo Geral:

Objetivo principal: produzir uma aproximação teórica e metodológica às teorias pós-críticas, com especial foco sobre os conceitos de escala e globalização.

São objetivos específicos da disciplina:
- Utilizar o referencial das geografias feministas como princípio epistemológico de análise dos conceitos-estruturantes da Geografia
- Compreender as principais diferenças entre os marcos críticos e pós-críticos, bem como de autores correspondentes
- Aprofundar ferramentas metodológicas de análise promovidas por teorias pós-críticas, tais como performatividade, corporificaçâo, montagem, entre outros.

Conteúdo Programático

I - Escala Geográfica - conceitos fundamentais

1. Introdução ao conceito de escala geográfica
2. Abordagens crítica sobre escala
3. Abordagens pós-críticas sobre escala
4. O reescalonamento na obra de Neil Smith
5. Geografia Humana sem escala: diálogos entre Marston e Brenner

II - Escalas e globalização

6. Espaços lisos e estriados: o global como episteme em Deleuze e Guattari
7. O Projeto de Globalização e o global de lugar nenhum: uma leitura de Doreen Massey
8. Glocalização: dissidências entre o global e o local a partir de Erik Swyngedouw
9. Escala e performatividade espacial
10. Ambiguidade escalar: uma leitura de Neil Smith a partir de Karen Barad

III - Usos da escala na Geografia

11. Escala e racialidades
12. Escala e corpo
13. Escala e comunidades nacionais
14. Escala e neoliberalismo
15. Escala e pertencimento geográfico

Bibliografia

Bibliografia Básica:

  • BRENNER, Neil. The limits to scale? Methodological reflections on scalar structuration. Progress in human geography, 2001, vol. 25, no 4, p. 591-614.
  • COLLINGE, Chris. The différance between society and space: nested scales and the returns of spatial fetishism. Environment and Planning D: Society and Space, 2005, vol. 23, no 2, p. 189-206.
  • GONZÁLEZ, Sara. La geografía escalar del capitalismo actual. PEGADA- A Revista da Geografia do Trabalho, 2005, vol. 6, no 1.
  • MACKINNON, Danny. Reconstructing scale: Towards a new scalar politics. Progress in human geography, 2011, vol. 35, no 1, p. 21-36.
  • MARSTON, Sallie A.; JONES III, John Paul; WOODWARD, Keith. Human geography without scale. Transactions of the institute of British geographers, 2005, vol. 30, no 4, p. 416-432.
  • MARSTON, Sallie A. The social construction of scale. Progress in human geography, 2000, vol. 24, no 2, p. 219-242.
  • MARSTON, Sallie A.; SMITH, Neil. States, scales and households: limits to scale thinking? A response to Brenner. Progress in human geography, 2001, vol. 25, no 4, p. 615-619.
  • MOORE, Adam. Repensar a Escala como uma categoria geográfica: da anáise para a prática.. GEOgraphia, v. 20, n. 42, p. 3-24, 23 maio 2018.
  • SMITH, Neil. Geography, difference and the politics of scale. En Postmodernism and the social sciences. Palgrave Macmillan, London, 1992. p. 57-79.
  • SMITH, Neil. Contours of a spatialized politics: Homeless vehicles and the production of geographical scale. Social text, 1992, no 33, p. 55-81.
  • SMITH, Neil. Scale bending and the fate of the national. Scale and geographic inquiry: Nature, society, and method, 2004, p. 192-212.
  • SWYNGEDOUW, Erik. Globalisation or ‘glocalisation’? Networks, territories and rescaling. Cambridge review of international affairs, 2004, vol. 17, no 1, p. 25-48.
  • AMIN, Ash. Spatialities of globalisation. Environment and planning A: Economy and Space, 2002, vol. 34, no 3, p. 385-399.
  • KAISER, Robert; NIKIFOROVA, Elena. The performativity of scale: the social construction of scale effects in Narva, Estonia. Environment and Planning D: Society and Space, 2008, vol. 26, no 3, p. 537-562.
  • MASSEY, Doreen B. Pelo espaço: uma nova política da espacialidade. Bertrand Brasil, 2008.
  • MASSEY, Doreen. Lugar, identidad y geografías de la responsabilidad en un mundo en proceso de globalización. Treballs de la Societat Catalana de Geografia, 2004, p. 77-84.
  • AHMED, Sara. Queer phenomenology. Duke University Press, 2006.
  • BARAD, Karen. Meeting the universe halfway: Quantum physics and the entanglement of matter and meaning. duke university Press, 2007.

Bibliografia Complementar:

  • MOSQUERA-VALLEJO, Yilver. Escala geográfica: visibilidades e invisibilidades en procesos culturales afrodescendientes (suroccidente de Colombia). CS, 2020, no 30, p. 251-276.

Turmas Ofertadas

Turma Período Vagas Matriculados Curso / Horários Professores
6 2024 / 1 15 4
Geografia (Mestrado acadêmico)
Horários
ManhãTardeNoite
QUA14:20 - 15:10
15:10 - 16:00
16:00 - 16:50
17:10 - 18:00
CESAR AUGUSTO FERRARI MARTINEZ
Professor responsável pela turma

Page generated on 2024-05-30 09:00:54 (query took 0.059495s)