Nome da Disciplina
Politicas de Memória: teorias e práticas
CÓDIGO
0560166
Carga Horária
68 horas
Atividade Complementar
Não
Periodicidade
Semestral
Modalidade
PRESENCIAL
Unidade responsável
CARGA HORÁRIA EXERCÍCIOS
1
CARGA HORÁRIA PRÁTICA
1
CARGA HORÁRIA TEÓRICA
2
CRÉDITOS
4
FREQUÊNCIA APROVAÇÃO
75%

Ementa

A disciplina tem por objetivo fornecer aos e às estudantes do PPG em Ciência Política um
panorama sobre o tema das políticas de memória. As análises serão realizadas em dois
momentos. Num primeiro, serão lidos e debatidos textos que abordam os conceitos básicos
sobre o tema, tais como: 1. Políticas de memória, 2. Demandas por memória, verdade e justiça,
3. Justiça de transição, e 4. Legados autoritários. Num momento posterior, e, uma vez
estabelecidos os principais aspectos teórico-metodológicos que envolvem o estudo e a análise
das medidas implementadas em países que passaram por regimes autoritários, a disciplina será
focada na realização de estudos de casos, nos quais serão identificadas e debatidas as principais
políticas levadas a cabo em países como o Brasil, Argentina, Chile, Uruguai, entre outros.

Objetivos

Objetivo Geral:

Gerais: Possibilitar aos alunos a aproximação com o tema da memória da repressão política,
observando as diferentes formas como países que passaram por períodos autoritários lidam com
o tema, estabelecendo políticas para enfrentar o saldo das violações praticadas.
Específicos: Identificar os principais conceitos e debates teórico-metodológicos que envolvem o
estudo das políticas de memória. Identificar e analisar as principais políticas de memória que
foram implementadas nas últimas décadas em países da Europa e do Cone Sul entre outros
casos.

Conteúdo Programático

Bibliografia

Bibliografia Básica:

  • HALBWACHS, Maurice. A memória coletiva. São Paulo: Centauro, 2006. p. 71-111.
  • : JELIN, Elizabeth. La conflictiva y nunca acabada mirada sobre el pasado In: _____. La lucha por el pasado: cómo construimos la memoria social. Buenos Aires: Siglo Veintiuno, 2017. p. 31-59.
  • QUINALHA, Renan. Justiça de transição: contornos do conceito. São Paulo: Outras Expressões; Dobra Editorial, 2013. p. 116-153.
  • SOLÍS DELGADILLO, Juan Mario. Los tiempos de la memoria en las agendas políticas de Argentina y Chile. Buenos Aires: Eudeba, 2015. p. 25-77.
  • : ROJO, Raúl Enrique. Justicia, a pesar de todo. Indice – Revista de Ciencias Sociales, v. XXXIV, n.20, Buenos Aires, 2000, p. 363-377.
  • HAYNER, Priscilla B. Unspeakable truth: transitional justice and the challenge of truth commissions. 2.ed. Londres: Routledge, 2011. p. 7-26.
  • JELIN, Elizabeth. Marcar para recordar. Fechas, lugares, archivos. In: _____. La lucha por el pasado: cómo construimos la memoria social. Buenos Aires: Siglo Veintiuno, 2017. p. 151-190.
  • JELIN, Elizabeth. Tomar la palabra. El testimonio en el tiempo. In: _____. La lucha por el pasado: cómo construimos la memoria social. Buenos Aires: Siglo Veintiuno, 2017. p. 241-261.
  • MORLINO, Leonardo. Legados autoritários, política do passado e qualidade da democracia na Europa do Sul. In: PINTO, António Costa; MARTINHO, Francisco Carlos Palomanes (Org.). O passado que não passa: a sombra das ditaduras na Europa do Sul e na América Latina. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2013. p. 261-294.

Bibliografia Complementar:

  • AGUILAR FERNÁNDEZ, Paloma. Políticas de la memoria y memorias de la política: el caso español en perspectiva comparada. Madrid: Alianza Editorial, 2008. _____; PAYNE, Leigh A. El resurgir del pasado en España: fosas de víctimas y confesiones de verdugos. Madrid: Taurus, 2018. BAUER, Caroline Silveira. Brasil e Argentina: ditaduras, desaparecimentos e políticas de memória. Porto Alegre: Medianiz, 2012. _____. Como será o passado? História, historiadores e a Comissão Nacional da Verdade. Jundiaí: Paco, 2017. BOHOSLAVSKY, Juan Pablo (Edit.). ¿Usted también, Doctor? Complicidad de jueces, fiscales y abogados durante la dictadura. Buenos Aires: Siglo Veintiuno, 2015. CALVEIRO, Pilar. Poder e desaparecimento: os campos de concentração na Argentina. São Paulo: Boitempo, 2013. COMBLIN, Joseph. A ideologia da Segurança Nacional: o poder militar na América Latina. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1978. ELSTER, Jon. Rendición de cuentas: la justicia transicional em perspectiva histórica. Buenos Aires: Katz, 2006. _____ (Ed.). Retribution and reparation in the transition to democracy. New York: Cambridge University Press, 2006. GALLO, Carlos Artur. Para que não se esqueça, para que nunca mais aconteça: um estudo sobre o trabalho da Comissão de Familiares de Mortos e Desaparecidos Políticos no Brasil. Jundiaí: Paco, 2014. _____. Um acerto de contas com o passado: crimes da ditadura, “leis de impunidade” e decisões das Supremas Cortes no Brasil e na Argentina. Curitiba: Appris, 2018. _____ (Org.). No rastro das transições: perspectivas sobre memória, verdade e justiça no Cone Sul e no Sul da Europa. Pelotas: Editora da UFPel, 2019. _____; RUBERT, Silvania (Org.). Entre a memória e o esquecimento: estudos sobre os 50 anos do Golpe Civil-Militar no Brasil. Porto Alegre: Deriva, 2014. GUGLIANO, Alfredo Alejandro; GALLO, Carlos Artur. On the ruins of the democratic transition: Human Righst as an agenda item in abeyance for the Brazilian democracy. Bulletin of Latin American Re
  • : GALLO, Carlos Artur. O Cone Sul entre a memória e o esquecimento: elementos para uma comparação. Revista Debates, v.11, n.3, set./dez. 2017, p. 57-78.
  • AMBOS, Kai. El marco jurídico de la justicia de transición. In: _____; MALARINO, Ezequiel; ELSNER, Gisela (Edit.). Justicia de Transición: con informes de América Latina, Alemania, Italia y España. Montevideo: Fundación Konrad-Adenauer, 2009. p. 23-129.
  • GARAPON, Antoine. Crimes que não se podem punir nem perdoar: para uma justiça internacional. Lisboa: Instituto Piaget, 2004. p. 21-40.
  • LOPES, Janaina Vedoin; KONRAD, Glaucia Vieira Ramos. Arquivos da Repressão e Leis de Acesso à Informação: os casos brasileiro e argentino na construção do direito à verdade. Aedos, v.5, n.13, ago./dez. 2013, p. 6-23.
  • GALLO, Carlos Artur; GUGLIANO, Alfredo Alejandro. Legados autoritários, políticas de memória e qualidade da democracia no Brasil. In: GALLO, Carlos Artur; RUBERT, Silvania (Org.). Entre a memória e o esquecimento: estudos sobre os 50 anos do Golpe Civil-Militar no Brasil. Porto Alegre: Deriva, 2014. p. 285-301.

Turmas Ofertadas

Turma Período Vagas Matriculados Curso / Horários Professores
T1 2019 / 2 15 10
Ciência Política (Doutorado)
Ciência Política (Mestrado acadêmico)
Memória Social e Patrimônio Cultural (Doutorado)
Horários
ManhãTardeNoite
QUA14:20 - 15:10
15:10 - 16:00
16:00 - 16:50
17:10 - 18:00
CARLOS ARTUR GALLO CABRERA
Professor responsável pela turma

Página gerada em 22/10/2019 10:54:33 (consulta levou 0.095022s)