Nome da Atividade
Perspectivas sociológicas sobre estado e desenvolvimento
CÓDIGO
0560169
Carga Horária
68 horas
Tipo de Atividade
DISCIPLINA
Periodicidade
Semestral
Modalidade
PRESENCIAL
Unidade responsável
CARGA HORÁRIA TEÓRICA
4
CRÉDITOS
4
FREQUÊNCIA APROVAÇÃO
75%

Ementa

A disciplina apresenta diferentes perspectivas teóricas sobre os temas do Estado e
Desenvolvimento na sociologia política e os mesmos serão trabalhados de forma
transversal na disciplina. Teorias do Desenvolvimento na Sociologia. Políticas
Públicas. Dinâmicas políticas e atores sociais. Interdependências e redes sociais.
Movimentos Sociais e Estado.

Objetivos

Objetivo Geral:

4.1. Geral
Realizar uma contextualização e problematização da perspectiva teórica e da
discussão em sociologia sobre Estado e Desenvolvimento na atualidade.
4.2. Específicos
 Debater as dinâmicas históricas e sociais em que são configurados os debates
sobre Estado e Desenvolvimento;
 Abordar diferentes perspectivas sobre o Estado e as relações entre diferentes
grupos e instituições;
 Discutir noções sobre análises e perspectivas teóricas de Desenvolvimento e
Políticas Públicas;
 Instigar reflexões cerca de alguns caminhos teórico-metodológicos o
desenvolvimento de pesquisas nas temáticas do Estado e Desenvolvimento.

Conteúdo Programático

Bibliografia

Bibliografia Básica:

  • DURKHEIM, Emille. Da divisão social do trabalho. São Paulo: Editora Martins Fontes. 2007.p. 187- 282.
  • OLIVEIRA, M. O Estado em Durkheim: elementos para um debate sobre sua sociologia política. Revista Sociologia Política. V. 18. N. 37. 2010. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rsocp/v18n37/09.pdf .Acessado em agosto de 2017.
  • BIANCHI, Alvaro. O conceito de estado em Max Weber. Lua Nova [online]. 2014, n.92, pp.79-104.
  • WEBER, Max. Economia e sociedade. Brasília: Editora UNB, 1991. Volume II, Seção 8. p. 517-580.
  • MARX, Karl. O 18 Brumário de Luís Bonaparte. Disponível em: https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/2804654/mod_resource/content/0/Marx%20- %20O%2018%20Brum%C3%A1rio%20de%20Lu%C3%ADs%20Bonaparte%20%28Boitempo%29.pd f . Acesso em: 01 jul. 2017. p. 23-155.
  • EVANS, Peter. O Estado como problema e solução. Lua Nova, São Paulo , 1993 . n. 28-29, p. 107- 157
  • BOURDIEU. Pierre, Sobre o Estado. São Paulo: Companhia das Letras, 2014.p.29-54/p. 441-460. Disponível em: https://pt.scribd.com/document/267354862/Sobre-o-Estado-BOURDIEU-Pierre. Acessado: 01/09/2017.
  • ELIAS. N. O processo civilizador - formação do estado e civilização (vol. 2), Rio de Janeiro: Jorge Zahar.1993.p. 87-171. Disponível em: https://uerjsa.files.wordpress.com/2013/04/elias-norbert-oprocesso-civilizador-vol-ii.pdf . Acessado em: 01/09/2017.
  • MARTINS, de Souza, José. O Poder do Atraso; Ensaios de Sociologia da História Lenta. São Paulo: Hucitec, 1994.Cap. I e II.
  • FERNANDES. F. A revolução burguesa no Brasil: ensaio de interpretação sociológica. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1975.p. 13-149/p.201-289.
  • SOUZA, Jessé A elite do atraso: da escravidão à Lava Jato / Jessé Souza. - Rio de Janeiro: Leya, 2017.p. 13-63
  • LEME, Alessandro, André. Desenvolvimento e sociologia: uma aproximação necessária. Soc. estado., Brasília , v. 30, n. 2, p. 495-527, Aug. 2015 .
  • NIERDELE, Paulo André; RADOMSKY, Guilherme Francisco Waterloo. Introdução às teorias do desenvolvimento. Coordenado pelo SEAD/UFRGS. – Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2016.
  • POLANYI, K. 1944. A grande transformação: as origens da nossa época. Rio de Janeiro, Campus, 1980. p. 259-302. Disponível em: https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/262942/mod_resource/content/2/A_grande_transformac%CC %A7ao_as_origens_de_nossa_epoca_Polanyi.pdf Acessado em: 01/09/2017.
  • FEIL, Alexandre André; SCHREIBER, Dusan. Sustentabilidade e desenvolvimento sustentável: desvendando as sobreposições e alcances de seus significados. Cad. EBAPE.BR, Rio de Janeiro , v.15, n.3, p.667-681, jul. 2017.
  • JANNUZZI,P.M. Indicadores Sociais no Brasil: conceitos, medidas e aplicações. Campinas: Allínea/PUC-Campinas, 2004 (3ª. ed.).p.11-37 . Disponível em: https://favaretoufabc.files.wordpress.com/2014/06/januzzi-principais-indicadores-sociaiscompleto.pdf . Acessado em: 01/09/2017.
  • FOX, Jonathan. How Does Civil Society Thicken? The Political Construction of Social Capital in Rural Mexico. World Development, Vol. 24, Nº 6, 1089-1103.1996.
  • ROMANO. J.O; Antunes, M. Empoderamento e direitos no combate à pobreza. Rio de Janeiro: ActionAid Brasil.2002. p. 5-21. Disponível em: http://187.45.205.122/Portals/0/Docs/empoderamento.pdf . Acessado em: 01/09/2017
  • BRASIL, Gonçalves, Felipe; CAPELLA, Niedhardt Claudia Ana. Os Estudos das Políticas Públicas no Brasil: Passado, Presente e Caminhos Futuros da Pesquisa Sobre Análise de Políticas. Revista Política Hoje - Volume 25, n. 1. 2016.
  • CORTES, Vargas, Soraya; LIMA, Leite Luciana. A contribuição da sociologia para a análise de políticas públicas. Lua Nova, São Paulo, 87: 33-62, 2012.
  • HOWLETT, Michael; RAMESH, M; PERL, Anthony. O contexto da Política Pública. In: Política Pública: seus ciclos e subsistemas: uma abordagem integral. Rio de Janeiro: Elsevier, 2013.p. 57- 103.
  • SOUZA, Celina. Políticas públicas: uma revisão da literatura. Sociologias, Porto Alegre, ano 8, nº 16, jul/dez 2006, p. 20-45
  • ARAÚJO, Luísa e RODRIGUES, Maria de Lurdes. Modelos de análise das políticas públicas: Sociologia, Problemas e Práticas [Online], 83 | 2016. Acessado em: 06 Fevereiro 2017.
  • FREY, K. Políticas públicas: um debate conceitual e reflexões referentes à prática da análise de políticas públicas no Brasil. Planejamento e políticas públicas, Brasília, IPEA, nº 21, jun.,2000. Disponível em: http://www.usp.br/procam/docs. Acessado em: 05/08/2009.
  • FLEXOR, G. & LEITE, S. P. (2006). Análise de Políticas Públicas: Breves Considerações TeóricoMetodológicas. Disponível em: http://www.sep.org.br/artigo/_686_0fe6d13a5276dca8a2a290576df0c15d.pdf?PHPSESSID=93c69bf5 12f15aacfd4cac3a9c. Acessado em: 02/08/2009.
  • KINGDON, John. Agendas, alternatives, and public policies. Nova York. Harper Collins. 1995
  • BARCELOS, Márcio. O Papel das Ideias nos Processos de Construção de Políticas Públicas: Abordagens Sintéticas versus Abordagens Pós-empiricistas. 1º Seminário Internacional de Ciência Política. Porto Alegre, UFRGS. 2015
  • CASTELLS, Manuel. A nova economia: informacionalismo, globalização e funcionamento em rede. In: A Sociedade em rede. São Paulo: Editora Paz e Terra.1999. Cap. II. Disponível em: https://globalizacaoeintegracaoregionalufabc.files.wordpress.com/2014/10/castells-m-a-sociedadeem-rede.pdf . Acessado em: 01/09/2017
  • CRUZ, dos Reis Gisele; FREIRE, Jussara. Participação e arenas públicas: um quadro analítico para pensar os conselhos municipais setoriais e os fóruns de desenvolvimento local. Cadernos Metrópole, N. 10, pp. 75-102, 2º sem. 2003.
  • MARQUES, Eduardo. Redes sociais e poder no Estado brasileiro: aprendizados a partir de políticas urbanas. Revista Brasileira de Ciências Sociais, 21 (60). 2006.
  • IBARRA, P; PUIG, S, M; GOMÁ, R. Creadores de democracia radical: movimientos sociales y redes de politicas publicas. Movimientos sociales, políticas públicas y democracia radical: algunas cuestiones introductorias. pp. 9-22. Ed. Icaria. España. 2002. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/311606899_Movimientos_sociales_politicas_publicas_y_de mocracia_radical_Algunas_cuestiones_introductorias . Acessado em: 01/09/2017.
  • DAGNINO, Eveline. Construção democrática, neoliberalismo e participação: os dilemas da confluência perversa. Politica & Sociedade.N• 5 – outubro de 2004, p. 139 – 164.

Página gerada em 28/11/2020 23:51:38 (consulta levou 0.148096s)