Nome da Atividade
SOCIOLOGIA DO TRABALHO
CÓDIGO
0568159
Carga Horária
68 horas
Tipo de Atividade
DISCIPLINA
Periodicidade
Semestral
Unidade responsável
CARGA HORÁRIA OBRIGATÓRIA
4
CARGA HORÁRIA TEÓRICA
4
CRÉDITOS
4
FREQUÊNCIA APROVAÇÃO
75%

Ementa

O curso visa discutir o papel do trabalho na sociedade capitalista e suas transformações atuais, procurando analisar as mudanças tecnológicas e organizacionais no processo de trabalho e suas implicações na constituição de identidades sociais, atores coletivos, movimentos sociais e políticos. Para tal, os temas norteadores da disciplina são os seguintes: trabalho como categoria estruturante na sociedade capitalista; da acumulação fordista à acumulação flexível; a reordenação produtiva global; cidadania e direitos do trabalho; trabalho e subjetividade: a construção social de um novo trabalhador na contemporaneidade; novas configurações do mundo do trabalho.

Objetivos

Objetivo Geral:

Discutir o papel do trabalho na sociedade capitalista e suas transformações atuais, procurando analisar as mudanças tecnológicas e organizacionais no processo de trabalho e suas implicações na constituição de novas subjetividades, atores coletivos, movimentos sociais e políticos.

Conteúdo Programático

1. O trabalho e a organização científica do trabalho
2. Da acumulação fordista à acumulação flexível
3. Mercado de trabalho e a questão da informalidade no Brasil
4. Ação coletiva, cidadania e direitos sociais
5. Trabalho e gênero
6. Trabalho e subjetividade

Bibliografia

Bibliografia Básica:

  • Artigos BARBOSA, Attila Magno e Silva. A naturalização da identidade social precarizada na indústria do alumínio primário paraense. Sociologias, Porto Alegre, ano 12, no 23, jan./abr. 2010, p. 268-303. ______. O empreendedor de si mesmo e a flexibilização no mundo do trabalho. Revista Sociologia e Política, Curitiba, v. 19, n. 38, p. 17-30, fev. 2011. ______. Engajamento subjetivo e organização flexível do trabalho: o caso dos trabalhadores da indústria do alumínio primário paraense. Soc. estado., Abr 2014, vol.29, no.1, p.225-252. CARDOSO, Adalberto. Uma utopia brasileira: Vargas e a construção do estado de bem-estar numa sociedade estruturalmente desigual. Dados [online]. 2010, vol.53, n.4 pp.775-819. CARDOSO, Adalberto e  AZAIS, Christian. REFORMAS TRABALHISTAS E SEUS MERCADOS: uma comparação Brasil-França. Cad. CRH [online]. 2019, vol.32, n.86 [citado  2020-05-20], pp.307-324.
  • Filgueiras, Vitor Araujo, Lima, Uallace Moreira, & Souza, Ilan Fonseca de. (2019). OS IMPACTOS JURÍDICOS, ECONÔMICOS E SOCIAIS DAS REFORMAS TRABALHISTAS. Caderno CRH, 32(86), 231-252. HIRATA, Helena  e  KERGOAT, Danièle. A classe operária tem dois sexos. Revista Estudos Feministas, vol. 2, n.º 3, 1994. KREIN, José Dari. (2018). O desmonte dos direitos, as novas configurações do trabalho e o esvaziamento da ação coletiva: consequências da reforma trabalhista. Tempo Social, 30(1), 77-104. LIMA, Jacob Carlos e  BRIDI, Maria Aparecida. TRABALHO DIGITAL E EMPREGO: a reforma trabalhista e o aprofundamento da precariedade. Cad. CRH [online]. 2019, vol.32, n.86, pp.325-342. NARDI, Henrique Caetano. A propriedade social como suporte da existência: a crise do individualismo moderno e os modos de subjetivação contemporâneos. Psicologia & Sociedade; 15 (1): 37-56 jan/jun. 2003. NORONHA, Eduardo G.. (2003). "Informal", ilegal, injusto: percepções do mercado de trabalho no Brasil. Revista Brasileira de Ciências Sociais, 18(53), 111-129. RODRIGUES, Iram Jácome. O sindicalismo brasileiro: da confrontação à cooperação conflitiva. São Paulo em Perspectiva (9)3, 1995, pp. 116-126. ROSENFIELD, Cinara. Autoempreendedorismo: forma emergente de inserção social pelo trabalho. Rev. bras. Ci. Soc. [online]. 2015, vol.30, n.89 [citado  2020-06-12], pp.115-128.
  • Livros BENDASSOLI, Pedro Fernando. Trabalho e identidade em tempos sombrios. Aparecida-SP: Idéias & Letras, 2007. BIHR, Alain. Da grande noite à alternativa. São Paulo: Boitempo. 1998. BRAVERMAN, Harry. Trabalho e capital monopolista. A degradação do trabalho no século XX. Rio de Janeiro, Zahar Editores, 1981. GOUNET. Fordismo e toyotismo na civilização do automóvel. São Paulo: Boitempo. 1999. HARVEY, David. Condição pós-moderna. São Paulo, Loyola, 1993. Santana, M. A. e Ramalho, J. R. Trabalhadores, sindicatos e a nova questão social. In Santana, M. A. e Ramalho, J. R. (orgs). Além da Fábrica – trabalhadores, sindicatos e a nova questão social. São Paulo, Boitempo. 2003. SILVA, Luis. Antonio. Machado. da. Mercado de trabalho, ontem e hoje: informalidade e empregabilidade como categorias de entendimento. In: In Santana, M. A. e Ramalho, J. R. (orgs). Além da Fábrica – trabalhadores, sindicatos e a nova questão social. São Paulo, Boitempo. 2003

Bibliografia Complementar:

  • Artigos BARBOSA, Attila Magno e Silva; MARTINS JR, Angelo. Da disciplina ao controle: novos processos de subjetivação no mundo do trabalho. Política & Sociedade - Vol. 11 - Nº 22 - Novembro de 2012. Livros BAUMAN, Zygmunt. Modernidade Líquida. A busca por segurança no mundo atual. Rio de Janeiro, Zahar, 2003. BOLTANSKI, L. & CHIAPELLO, È. O novo espírito do capitalismo. São Paulo: Martins Fontes, 2009.

Página gerada em 04/12/2020 12:37:45 (consulta levou 0.100507s)