Nome da Atividade
SISTEMA POLÍTICO BRASILEIRO
CÓDIGO
06560099
Carga Horária
60 horas
Tipo de Atividade
DISCIPLINA
Periodicidade
Semestral
Modalidade
PRESENCIAL
Unidade responsável
CARGA HORÁRIA TEÓRICA
04
FREQUÊNCIA APROVAÇÃO
75%
CARGA HORÁRIA OBRIGATÓRIA
04
CRÉDITOS
4
NOTA MÉDIA APROVAÇÃO
7

Ementa

Ementa: Revisão bibliográfica relativa à análise de fenômenos político-institucionais contemporâneos, seguindo os ditames da corrente interpretativa neo-institucionalista. Conteúdo específico livre, girando em torno dos seguintes temas: composição da elite política; presidencialismo e relações Executivo-legislativo; comportamento legislativo; sistema eleitoral e partidário.

Objetivos

Objetivo Geral:

Objetivo(s) geral(ais): aprofundar o estudo de temas neoinstitucionalistas contemporâneos, com vistas a atualizar e qualificar a formação dos acadêmicos

Conteúdo Programático

Programa:
1. Carreira Política
2. Perfil social da elite política
3. Seleção de candidaturas
4. Reeleição
5. Outros temas livres

Bibliografia

Bibliografia Básica:

  • AVELAR, Lúcia; CINTRA, Antônio Octávio (Org.). Sistema político brasileiro: uma introdução. RJ: Konrad Adenauer; Unesp, 2004.
  • AVRITZER, Leonardo; ANASTASIA, Fátima (Org.). Reforma política no Brasil. Belo Horizonte: UFMG, 2006. [981 R332]
  • BENEVIDES, Maria Victoria; VANNUCHI, Paulo; KERCHE, Fábio (Org.). Reforma política e cidadania. São Paulo: Fundação Perseu Abramo; Instituto Cidadania, 2003. [320.981 R332]
  • SOARES, Gláucio Ary Dillon; RENNÓ, Lucio (Org.). Reforma política – lições da história recente. RJ: Fundação Getúlio Vargas, 2006. [324.981 R332]
  • VIANNA, Luiz Werneck (Org.). A Democracia e os três poderes no Brasil. Belo Horizonte/Rio de Janeiro: UFMG; Iuperj, 2002. [321 D383]

Bibliografia Complementar:

  • ABRANCHES, Sérgio. Presidencialismo de coalizão: o dilema institucional brasileiro. Dados. RJ, 31 (1), 1988.
  • ABRUCIO, Fernando (Org.). O Estado numa era de reformas: lições dos anos FHC. Brasília: 158 Ministério do Planejamento, 2002.
  • ANASTACIA, Fátima / MELO, Carlos Ranulfo / SANTOS, Fabiano. Governabilidade e representação política na América do Sul. RJ / SP: Konrad Adenauer / Unesp, 2004.
  • ALMEIDA, Maria Hermínia Tavares / MOYA, Maurício. A Reforma negociada: o Congresso e a política de privatização. Revista Brasileira de Ciências Sociais. SP, 12 (34), 1997.
  • ALMEIDA, Maria Hermínia Tavares / MOYA, Maurício. A Reforma negociada: o Congresso e a política de privatização. Revista Brasileira de Ciências Sociais. SP, 12 (34), 1997. AMES, Barry. Os Entraves à democracia no Brasil. RJ: Fundação Getúlio Vargas, 2003. _____. A Organização partidária local nas eleições presidenciais brasileiras de 1989. Dados. RJ, 37 (1), 1994. AMORIM NETO, Octávio / TAFNER, Paulo. Governos de coalizão e mecanismos de alarme de incêndio no controle legislativo das Medidas Provisórias. Dados. RJ, 45 (1), 2002.
  • AMORIM NETO, Octávio / SANTOS, Fabiano. A Produção legislativa do Congresso: entre a paróquia e a nação In: VIANNA, Luiz Werneck (Org.). A Democracia e os três poderes no Brasil. Belo Horizonte/Rio de Janeiro: UFMG/Iuperj, 2002. _____. O Segredo ineficiente revisto: o que propõe e o que aprovam os deputados brasileiros. Dados. 159 RJ, 46 (4), 2003. AMORIM NETO, Octávio. Presidencialismo e governabilidade nas Américas. RJ: Fundação Getúlio Vargas, 2006. _____. Gabinetes presidenciais, ciclos eleitorais e disciplina legislativa no Brasil. Dados. RJ, 43 (3), 2000.
  • BARREIRA / PALMEIRA (Org.). Candidatos e candidaturas: enredos de campanha eleitoral no Brasil. SP: Anna Blume, 1998. CAIN, Bruce, FAREJOHN, John A. e FIORINA, Morris. The Personal Vote: Constituency Service and Electoral Independence. Cambridge: Harvard University Press, 1987. CAREY, John / SHUGART, Matthew (Org.). Executive decree authority. Cambridge: Cambridge University Press, 1998. _____. Poder de decreto – chamando os tanques ou usando a caneta? Revista Brasileira de Ciências Sociais. SP, 13 (37), jun. 1998. CARREIRÃO, Yan. A Decisão do voto nas eleições presidenciais brasileiras. RJ/Florianópolis: Fundação Getúlio Vargas/UFSC, 2002. CARVALHO, Nelson Rojas de. E no início eram as bases. RJ: Revan, 2003. CHASQUETTI, Daniel. Democracia, presidencialismo y partido políticos en América Latina: evaluando la “difícil combinación”. Montevideo: ICP -UDELAR, 2008. CHEIBUB, José Antônio / PRZEWORSKI, Adam / SAIEGH, Sebastian. Governos de coalizão nas democracias presidencialistas e parlamentaristas. Dados. RJ, 45 (2), 2002. CHERESKY, Isidoro / POUSADELA, Inês (Comp.). Política e instituciones en las nuevas democracias latinoamericanas. Buenos Aires: Paidos, 2001.
  • COUTO, Cláudio. O Avesso do avesso – conjuntura e estrutura na recente agenda política brasileira. São Paulo em Perspectiva. SP, 15 (4), 2001. COX, Gary W. La Coordinación estratégica de los sistemas electorales del mundo. Barcelona: Gedisa, 2004. DALTON, Russel J. / WATTEMBERG, Martin P. (eds.). Parties Without Partisans: Political Change in Advanced Industrial Democracies. 160 Oxford: Oxford University Press, 2000. DINIZ, Eli. Governabilidade, democracia e reforma do Estado: os desafios da construção de uma nova ordem no Brasil dos anos 90. Dados. RJ, 38 (3), 1995. DINIZ, Simone. Interações entre os poderes executivo e legislativo no processo decisório: avaliando sucesso e fracasso presidencial. Dados. RJ, 48 (2), 2005. FERNANDES, Luis. Muito barulho por nada? Realinhamento político -ideológico nas eleições de 1994. Dados. RJ, 38 (1), 1995.
  • FIGUEIREDO, Argelina. O Executivo nos sistemas de governo democráticos. BIB. SP (58), 2º sem. 2004. FIGUEIREDO, Argelina / LIMONGI, Fernando. Executivo e Legislativo na nova ordem constitucional. RJ: Fundação Getúlio Vargas, 1999. _____. Incentivos eleitorais, partidos e política orçamentária. Dados. RJ, 45 (2), 2002. FIGUEIREDO / LIMONGI / VALENTE, Ana Luíza. Governabilidade e concentração de poder institucional: o Governo FHC. Tempo Social. SP, 11 (2), 2000. GROFMAN, B. / LIJPHART, A. (eds.). Electoral Laws and Their Political Consequences. New York: Agathon Press, 1986. FARREL, David M. Electoral Systems: a Comparative Introduction. New York: Palgrave, 2001. HAGGARD, S. / MCCUBBINS, M. D. (eds.), Presidents, Parliaments and Policy. Cambridge: Cambridge University Press. KATZ. Democracy and Elections. Oxford: Oxford University Press, 1997. KRAUSE, Silvana / SCHMITT, Rogério (Org.). Partidos e coligações eleitorais no Brasil. RJ/SP: Konrad Adenauer/Unesp, 2005. LAMOUNIER, Bolívar (Org.). A Opção parlamentarista. SP: Sumaré, 1991. LAMOUNIER, Bolívar / SOUZA, Amaury de. Democracia e reforma institucional no Brasil: uma cultura política em mudança. Dados. RJ, 34 (3), 1991.
  • LAMOUNIER, Bolívar / MENEGUELLO, Rachel. Partidos políticos e consolidação democrática. SP: Brasiliense, 1986. LANZARO, Jorge (Comp.). Tipos de presidencialismo y coaliciones políticas en América Latina. Buenos Aires: Clacso, 2001. LAVAREDA, Antônio. A Democracia nas urnas. RJ: Rio Fundo/Iuperj, 1991. LEMOS, Leany Barreiro D. S. O Congresso brasileiro e a distribuição de benefícios sociais no período 1988-1994: uma análise distributivista. Dados. RJ, 44 (3), 2001. LEONI, Eduardo. Ideologia, democracia e comportamento parlamentar: a Câmara dos Deputados (1991-1998). Dados. RJ, 45 (3), 2002. LIJPHART, Arend. Modelos de democracia. RJ: Civilização Brasileira, 2003. _____. Electoral Systems and Party Systems. Cambridge: Cambridge University Press, 1994. LIJPHART, A. / GROFMAN, B. (eds.). Choosing an Electoral System: Issues and Alternatives. New York: Praeger, 1984 LIMA JÚNIOR, Olavo Brasil de. Instituições políticas democráticas. RJ: Jorge Zahar, 1997. _____. Os Partidos Políticos Brasileiros - A Experiência Federal e Regional: 1945/64. Rio de Janeiro, Graal: 1983. _____. (Org.). O Sistema partidário brasileiro. RJ: Fundação Getúlio Vargas, 1997.
  • LIMA JÚNIOR, Olavo Brasil de / SANTOS, Fabiano Guilherme Mendes. O Sistema proporcional no Brasil: lições de vida In: Idem 162 (Org.). Sistema Eleitoral brasileiro – teoria e prática. RJ: Rio Fundo, 1991. _____. (org.). Sistema Eleitoral brasileiro – teoria e prática. RJ: Rio Fundo, 1991. LIMA JR, Olavo Brasil de. As Eleições de 1994: resultados e implicações político -institucionais. Dados. RJ, 38 (1), 1995. _____ (Org.). O Sistema partidário brasileiro. RJ: Fundação Getúlio Vargas, 1997. LIMONGI, Fernando / FIGUEIREDO, Argelina. Processo orçamentário e comportamento legislativo: emendas individuais, apoio ao Executivo e programas de governo. Dados. RJ, 48 (4), 2005. LÓPEZ, Ernesto / MAINWARING, Scott (Comp.). Democracia: discusiones y nuevas aproximaciones. Quilmes: Universidad Nacional de Quilmes, 2000. LOUREIRO, Maria Rita / ABRUCIO, Fernando Luiz. Política e burocracia no presidencialismo brasileiro: o papel do Ministério da Fazenda no primeiro governo FHC. Revista Brasileira de Ciências Sociais. SP, 14 (41), out. 1999. MAINWARING, Scott. Sistemas partidários em novas democracias. Rio de Janeiro / Porto Alegre: Fundação Getúlio Vargas / Mercado Aberto, 2001. _____. Políticos, partidos e sistemas eleitorais. Novos Estudos. SP, (29), mar. 1991. MAINWARING, Scott / SHUGART, Matthew (Comp.). Presidencialismo y democracia en America Latina. Buenos Aires: Paidós, 2002. MAINWARING, Scott / SCULLY, Timothy R. A Institucionalização dos sistemas partidários na América Latina. Dados. RJ, 37 (1), 1994. MAINWARING, Scott / TORCAL, Mariano. Teoria e institucionalização dos sistemas partidários após a terceira onda de democratização. Opinião Pública. Campinas, 11 (2), out. 2005. MAINWARING, S. / WELNA, C. (eds.). Democratic Accountability in Latin America. Oxford: Oxford University Press, 2003. MAIR, Peter. Party System Change. Approaches and Interpretations. Oxford: Oxford University Press, 1997.
  • MELLO, Marcus. O Jogo das regras: a política da 163 reforma constitucional. 1993 - 6. Revista Brasileira de Ciências Sociais. SP, 12 (35), 1997. MELO, Carlos Ranulfo Felix de. Retirando as cadeiras do lugar – migração partidária na Câmara dos Deputados (1985 -2002). Belo Horizonte: UFMG, 2004. _____. Partidos e migração partidária na Câmara dos Deputados. Dados, RJ 43 (2), 2000. MELO, Carlos Ranul / SAEZ, Manoel Alcântara (Org.). A Democracia brasileira. Belo Horizonte: UFMG, 2007. MENEGUELLO, Rachel. Partidos e governos no Brasil contemporâneo (1985 -1997). RJ: Paz e Terra, 1998. MULLER, Gustavo. Comissões e partidos políticos na Câmara dos Deputados: um estudo sobre os padrões partidários de recrutamento para as comissões permanentes. Dados. RJ, 48 (2), 2005. NICOLAU, Jairo. Sistema eleitoral e reforma política. RJ: Foglio, 1993. _____. Multipartidarismo e democracia. RJ: Fundação Getúlio Vargas, 1994. _____. Sistemas eleitorais. 5ed. rev. amp. RJ: Fundação Getúlio Vargas, 2004. _____. Disciplina partidária e base parlamentar na Câmara dos Deputados no primeiro governo FHC (1995 -98). Dados. RJ, 43 (4), 2000. _____. Como controlar o representante? Considerações sobre as eleições para a Câmara dos Deputados no Brasil. Dados. RJ, 45 (2), 2002. _____. As Distorções na representação dos Estados na Câmara dos Deputados brasileira. Dados, RJ 40 (3), 1997. _____. Notas sobre os quatro índices mais utilizados nos estudos eleitorais In: LIMA JÚNIOR , Olavo Brasil (org.). Sistema Partidário Brasileiro: Diversidade e Tendências. RJ: Fundação Getulio Vargas, 1997. _____. A Participação eleitoral no Brasil In: VIANNA, Luiz Werneck (Org.). A Democracia e os três poderes no Brasil. Belo Horizonte/RJ: UFMG/Iuperj, 2002.
  • NICOLAU, Jairo. Partidos na República de 1946: Velhas Teses, 164Novos Dados. Dados. RJ, 47 (1), 2004. _____. Partidos na república de 1946: uma réplica metodológica. Dados. RJ, 48 (3), 2005. _____. O sistema eleitoral de lista aberta no Brasil. Dados, RJ, 49 (4), 2006. NICOLAU, Jairo / SCHMITT, Rogério. Sistema eleitoral e sistema partidário. Lua Nova . SP, (36). NOVAES, Carlos Alberto Marques. Dinâmica institucional da representação: individualismo e partidos na Câmara dos Deputados. Novos Estudos. SP, (38), 1994. O’DONNEL, G.. Democracia delegativa? Novos Estudos. São Paulo, (31), 1991. PALERMO, Vicente. Política brasileña contemporânea. Buenos Aires: Instituto Di Tella / Siglo Veinteuno, 2003. _____. Como se governa o Brasil? Debate sobre instituições políticas e gestão de governo. Dados. RJ, 43 (3), 2000. PEREIRA, Carlos / MUELLER, Bernardo. Uma teoria da preponderância do poder Executivo. O Sistema de comissões no Legislativo brasileiro. Revista Brasileira de Ciências Sociais. SP, 15 (43), jun. 2000. _____. Comportamentos estratégicos em presidencialismos de coalizão: as relações entre Executivo e Legislativo na elaboração do orçamento brasileiro. Dados. RJ, 45 (2), 2002. _____. Partidos fracos na arena eleitoral e partidos fortes na arena legislativa: a conexão eleitoral. Dados. RJ, 46 (4), 2003. PÉREZ -LIÑAN, Aníbal. Juicio político al presidente y nueva inestabilidad política en América Latina. Buenos Aires, 2009. PESSANHA, Charles. O Poder Executivo e o processo legislativo nas constituições brasileiras: teoria e prática In: VIANNA, Luiz Werneck (Org.). A Democracia e os três poderes no Brasil. Belo Horizonte/Rio de Janeiro: UFMG/Iuperj, 2002. PINTO, Celi Regina Jardim / SANTOS, André Marenco dos (Org.). Partidos no Cone Sul – novos ângulos de pesquisa. RJ / Porto Alegre: Konrad Adenauer / UFRGS, 2002.
  • POWER, Timothy / NICOLAU, Jairo. Instituições 165 representativas no Brasil. Belo Horizonte: UFMG, 2007. RAE, Douglas W. The Political Consequences of Electoral Laws. New Haven: Yale University Press, 1967. REIS, Fábio Wanderley. Política e racionalidade. 2ed. rev. amp. Belo Horizonte: UFMG, 2000. RICCI, Paolo. O Conteúdo da produção legislativa brasileira: leis nacionais ou políticas paroquiais. Dados. RJ, 46 (4), 2003. RODRIGUES, Leôncio Martins. As Eleições de 1994: uma apreciação geral. Dados. RJ, 39 (1), 1995. _____. Partidos, ideologia e composição social. SP: Edusp, 2002. SAMUELS, David. Determinantes do voto partidário em sistemas eleitorais centrados no candidato: evidências sobre o Brasil. Dados. RJ, 40 (3), 1997.
  • SANTOS, André Marenco dos. Nas Fronteiras do campo político: raposas e outsiders no Congresso Nacional. Revista Brasileira de Ciências Sociais. SP, 33, fev. 1997. _____. Sedimentação de lealdades partidárias no Brasil: tendências e descompassos. Revista Brasileira de Ciências Sociais. SP, 16 (45), fev. 2001. _____. Regras eleitorais importam? Modelos de listas eleitorais e seus efeitos sobre a competição partidária e o desempenho institucional. Dados. RJ, 49 (4), 2006. ____. Path-dependency, instituciones políticas y reformas electorales en perspectiva comparada. Rev. cienc. polít. (Santiago), 2006, 26 (2), 2006. SANTOS, Fabiano (Org.). O Poder legislativo nos 166 estados: diversidade e convergência. RJ: Fundação Getúlio Vargas, 2001. SANTOS, Fabiano. O Poder legislativo no presidencialismo de coalizão. RJ/Belo Horizonte: Iuperj/UFMG, 2003. _____. Partidos e comissões no presidencialismo de coalizão. Dados. RJ, 45 (2), 2002. _____. Patronagem e poder de agenda na política brasileira. Dados. RJ, 40 (3), 1997. _____. Instituições eleitorais e desempenho do presidencialismo no Brasil. Dados. RJ, 42 (1), 1999. SANTOS, Fabiano / ALMEIDA, Acir. Teoria informacional e a seleção de relatores na Câmara dos Deputados. Dados. RJ, 48 (4), 2005. SANTOS, Maria Helena de Castro. Governabilidade, governança e democracia: criação de capacidade governativa e relações Executivo -Legislativo no Brasil pós -Constituinte. Dados. RJ, 40 (3), 1997.
  • SANTOS, Wanderley Guilherme dos. Crise e Castigo: partidos e generais na política brasileira. RJ: Vértice, 1987. _____. O Cálculo do Conflito: estabilidade e crise na política brasileira. BH/RJ: UFMG/IUPERJ, 2003. _____. Voto e partidos – Almanaque de dados eleitorais: Brasil e outros países. RJ: Fundação Getúlio Vargas, 2002. _____. Velhas Teses, Novos Dados: Uma Análise Metodológica. Dados. RJ, 47 (4), 2004. SARTORI, Giovanni. Partidos e sistemas partidários. Brasília: UnB, 1983. _____. Engenharia constitucional. Brasília: UnB, 1996. SCHMITT, Rogério. Partidos políticos no Brasil. 1945 -2000. RJ: Jorge Zahar, 2002. _____. Migração partidária e reeleição na Câmara dos Deputados. Novos Estudos. SP, (54), jul. 1999. SHUGART, Matthew / CAREY, John. Presidents and assemblies: constitutional design and electoral dynamics. Cambridge: Cambridge University Press, 1992. SINGER, André. Esquerda e direita no eleitorado 167 brasileiro. SP: Edusp/Fapesp, 1999. SOARES, Gláucio Ary Dillon. A Democracia interrompida. RJ: Fundação Getúlio Vargas, 2001. SOARES, Gláucio Ary Dillon / RENNÓ, Lucio (Org.). Reforma política – lições da história recente. RJ: Fundação Getúlio Vargas, 2006. TAAGEPERA, Rein / SHUGART, Matthew. Seats and Votes: The Effects and Determinants of Electoral Systems. New Heaven: Yale University Press, 1989. TAVARES, José Antônio Giusti. Sistemas eleitorais nas democracias contemporâneas. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 1994. _____ (Org.). O Sistema partidário na consolidação da democracia brasileira. Brasília: Instituto Teotônio Vilela, 2003 _____. O Problema do cociente partidário na teoria e prática brasileiras do mandato representativo. Dados. RJ, 42 (1), 1999. ______. Reforma política e retrocesso democrático. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1998.

Página gerada em 22/04/2024 14:23:59 (consulta levou 0.112659s)