Nome da Disciplina
MITOLOGIA E RITUAL
CÓDIGO
1670034
Carga Horária
68 horas
Atividade Complementar
Não
Periodicidade
Semestral
Unidade responsável
CRÉDITOS
4
CARGA HORÁRIA TEÓRICA
4
CARGA HORÁRIA OBRIGATÓRIA
4
FREQUÊNCIA APROVAÇÃO
75%

Ementa

A partir das séries classificatórias natureza/cultura, animalidade/humanidade, corpo/espírito, simetria/assimetria, sincronia/diacronia esta disciplina aborda a articulação dos conceitos de mitologia, história, genealogia, alteridade, ritual, território, presentes entre os grupamentos ameríndios e as sociedades modernas.

Objetivos

Objetivo Geral:

Subsidiar projetos, pesquisas, análises, escritura de textos produzidos pelos estudantes de graduação.

 

Objetivos Específicos:

- Compreender as relações entre humanos e não-humanos;
- Discussão teórica e metodológica sobre mito e ritual;
- Possibilitar um olhar particular sobre a diversidade de sociedades humanas marcadas tanto pelo fenômeno da tradição como da globalização.

Conteúdo Programático

1. Preâmbulo
2. Pensamento Mitológico
3. Mitologia e Alteridade
4. O Ritual

Bibliografia

Bibliografia Básica:

  • ATLAN, Henri. Ruído e determinismo: diálogos espinosistas entre Antropologia e Biologia. Mana, v. 9, n.1. Rio de Janeiro, 2003.
  • BATESON, Gregory. Naven. São Paulo: Edusp, 2008.
  • CASTRO, Eduardo Viveiros de. A inconstância da alma selvagem: e outros ensaios de antropologia. São Paulo: Cosac & Naify, 2002.
  • CRÉPEAU, Robert R. Uma ecologia do conhecimento é possível? Ilha, v. 7, n. 1-2 , Florianópolis, 2005.
  • CUNHA, Manuela Carneiro da (org.). História dos índios no Brasil. São Paulo: Fapesp/SMC; Companhia das Letras, 1992.
  • DAMATTA, Roberto. Carnavais, malandros e heróis. Rio de Janeiro: Rocco, 1997.
  • DELEUZE, Gilles, GUATARRI, Félix. Introdução: Rizoma. In: Mil platôs: capitalismo e esquizofrenia. Rio de Janeiro: Editora 34, 1995.
  • DESCOLA, Philippe. Par-delà nature et culture. Paris: Gallimard, 2005.
  • DUMONT, Louis. Homo Hierarchicus. São Paulo: Edusp, 1992.
  • DURKHEIM, Émile; MAUSS, Marcel. Algumas formas primitivas de classificação. In: RODRIGUES, José A. (org.). Émile Durkheim. São Paulo: Ática, 1984. (Coleção Grandes Cientistas Sociais: Sociologia).
  • FRAZER, James Jorge. O ramo de ouro. Rio de Janeiro: Zahar, 1982.
  • GALLOIS, Dominique Tilkin. Mairi revisitada: a reintegração da Fortaleza de Macapá na tradição oral dos Waiãpi. São Paulo: NHII/USP/Fapesp, 2003.
  • GLUCKMAN, Max. Política, derecho y ritual en la sociedad tribal. Madrid: Akal, 1978.
  • HILL, Jonathan D. Introduction: myth and History. In: Rethinking History and myth. Estados Unidos: University of Illinois Press, 1988.
  • HOUSEMAN, Michael; SEVERI, Carlo. Naven ou le donner à voir: essai d’interprétation de l’action rituelle. Paris: CNRS-Éditions de la Maison des Sciences de l'Homme, 1994.
  • LANGDON, Esther Jean. Performance e sua diversidade como paradigma analítico: a contribuição da abordagem de Bauman e Briggs. Revista Antropologia em Primeira Mão, n. 94. Florianópolis, 1995.
  • LATOUR, Bruno. Jamais fomos modernos. São Paulo: Editora 34, 2000.
  • LEACH, Edmund Ronald. Sistemas políticos da Alta Birmânia: um estudo da estrutura social kachin. São Paulo: Edusp, 1996.
  • LÉVI-STRAUSS, Claude. Antropologia Estrutural. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1996.
  • LÉVI-STRAUSS, Claude. Antropologia Estrutural dois. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1993.
  • LÉVI-STRAUSS, Claude. O totemismo hoje. Portugal: Edições 70, 1986.
  • LÉVI-STRAUSS, Claude. O pensamento selvagem. Campinas: Papirus, 1989.
  • LÉVI-STRAUSS, Claude. O cru e o cozido. São Paulo: Cosac & Naify, 2004.
  • LÉVI-STRAUSS, Claude. Do mel às cinzas. São Paulo: Cosac & Naify, 2004.
  • LÉVI-STRAUSS, Claude. A origem dos modos à mesa. São Paulo: Cosac & Naify, 2006.
  • LÉVI-STRAUSS, Claude. L’homme nu. Paris: Plon, 1971.
  • LÉVI-STRAUSS, Claude. O olhar distanciado. Portugal: Edições 70, 1986.
  • LÉVI-STRAUSS, Claude. Do lado do vento. In: História de Lince. São Paulo: Companhia das Letras, 1993.
  • LÉVI-STRAUSS, Claude. Mito e significado. Lisboa: Edições 70, 1978.
  • LÉVY-BRUHL, Lucien. El mundo mítico. In: La mitología primitiva. Barcelona: Ediciones Península, 1978.
  • MALINOWSKI, Bronislaw. Os Argonautas do Pacifico Ocidental. São Paulo: Abril Cultural, 1978.
  • MAUSS, Marcel. Sociologia e Antropologia. São Paulo: Cosac & Naify, 2003.
  • MAUSS, Marcel, HUBERT, Henri. Sobre o sacrifício. São Paulo: Cosac & Naify, 2005.
  • MERLEAU-PONTY, Maurice. Fenomenologia da percepção. São Paulo: Martins Fontes, 1999.
  • MERLEAU-PONTY, Maurice. O visível e o invisível. São Paulo: Perspectiva, 1971.
  • OLIVEIRA, Roberto Cardoso de. O trabalho do antropólogo: olhar, ouvir, escrever. In: O trabalho do antropologo. São Paulo: Editora da Unesp, 2006.
  • PEIRANO, Mariza. O dito e o feito: ensaios de Antropologia dos rituais. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2001.
  • RICOEUR, Paul. Tempo e narrativa I. Campinas: Papirus, 1994.
  • ROSA, Rogério Reus Gonçalves da. Lenda e mito do Cacique Nonohay guerra e vingança Kaingangue no fio do tempo. In: KERN, Arno; SANTOS, Maria Cristina dos; GOLIN, Tau. Povos indígenas. Passo Fundo: Méritos, 2009.
  • TAMBIAH, Stanley. A performative aproach to ritual. In: The procedings of the british academy. London, Volume LXV, Oxford University Press, 1979.
  • SILVA, Aracy Lopes da. Mito, razão, História e sociedade: interrelações nos universos sócio-culturais indígenas. In: SILVA, Aracy Lopes da; GRUPIONI, Luís Donisete Benze. A temática indígena na escola. Brasília: MEC; MARI; Unesco, 1995.
  • TURNER, Victor W. O processo ritual. Petrópolis: Vozes, 1974.
  • TURNER, Victor W. Floresta de símbolos. Niterói: Editora da UFF, 2005.
  • TURNER, Victor W. The anthropology of performance. Maryland: Paj Publication, 1987.
  • TURNER, Terence. Social complexity and recursive hierarchy in indigenous South American societies. In: Journal of the Steward Anthropological Society. v. 24, n. 1-2. University of Illinois, 1996.
  • TURNER, Victor. Al margen del margen: el periodo liminal en ritos de pasaje. In: Simbolismo y ritual. Lima: PUC, 1973.
  • TURNER, Victor W. Les tambours d’affliction: analyse des rituels chez les Ndembu de Zambie. Paris: Gallimard, 1972.
  • VAN GENNEP, Arnold. Los ritos de paso. Madrid: Taurus Ediciones, 1986.

Bibliografia Complementar:

  • CLASTRES, Pierre. Sociedade contra o Estado. São Paulo: Cosac & Naify, 2003.
  • LOPES NETO, Simões. Contos gauchescos & lendas do Sul. Porto Alegre: L&PM, 2008.

Disciplinas Equivalentes

Disciplina Curso
MITOLOGIA E RITUAL Antropologia - Hab. em Antropologia Social (Bacharelado)
MITOLOGIA E RITUAL Antropologia - Hab. em Arqueologia (Bacharelado)

Página gerada em 12/11/2019 11:38:46 (consulta levou 0.214569s)