Nome da Atividade
PRÁTICAS EDUCATIVAS VI
CÓDIGO
17350051
Carga Horária
75 horas
Tipo de Atividade
DISCIPLINA
Periodicidade
Semestral
Unidade responsável
CRÉDITOS
5
CARGA HORÁRIA TEÓRICA
3
CARGA HORÁRIA PRÁTICA
2
CARGA HORÁRIA OBRIGATÓRIA
5
FREQUÊNCIA APROVAÇÃO
75%
NOTA MÉDIA APROVAÇÃO
7

Ementa

Artes Visuais (História da Arte, Crítica da Arte e Fazer artístico na infância - Desenho, pintura, gravura, escultura, modelagem, colagem).
Musicalização Infantil. Dramatização e Artes Cênicas na Infância. Linguagens expressivas como mediadoras da produção cultural da criança.

Objetivos

Objetivo Geral:

- Conhecer os rudimentos de História da Arte e Crítica da Arte
- Desenvolver sensibilidade e o senso estético
- Oferecer oportunidades para a manipulação sensível e criativa de objetos de uso cotidiano e da natureza associado a materiais específicos das artes visuais
- Oferecer subsídios teórico-prático para desenvolver a dramatização e musicalização na Educação Infantil.

Conteúdo Programático

Bibliografia

Bibliografia Básica:

  • AEBLI, Hans. Prática de Ensino: formas fundamentais de ensino elementar, médio e superior. Petrópolis: Vozes, 1976. AGOSTI-GHERBAN, Cristina et RAPP-ESS, Christina, L'enfant, le monde sonore et la musique, Paris, PUF, 1986, 151p. AGUIAR, Roberto A. R. de. Os filhos da flecha do tempo. Brasilia: Letraviva, 2000. ALVES, Rubem. Conversas com quem gosta de ensinar. São Paulo: Cortez Editora, 1991. ARNHEIM, Rudolf. Arte e percepção visual: uma psicologia da visão criadora. São Paulo: Pioneira, 1989. Barba, Eugênio e SAVARESE, Nicola. A arte secreta do ator. Campinas: Hucitec, 1995. BARBOSA, Ana Mae. Arte-educação: conflitos/acertos. São Paulo: Cultrix, 1985. __________________. Teoria e Prática da Educação Artística. São Paulo: Cultrix, 1990. BARBOSA, A. M. e SALES, H.M. (orgs.). O ensino de arte e sua história. São Paulo: MAC/USP, 1990. BENJAMIN, Walter. Reflexões: a criança, o brinquedo, a educação. São Paulo: Summus, 1984.
  • BIASOLI, Carmem Lúcia A. A formação do professor de arte: do ensino à encenação. Campinas: Papirus, 1999. BOAL, Augusto. Exercícios e jogos para o ator e o não-ator. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1998. BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: arte. Brasilia: MEC/SEF, 1997a. 128p. BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: meio ambiente e saúde. Brasilia: MEC/SEF, 1997b. 128p. BRASIL. Secretaria de Educação. Parâmetros curriculares nacionais: educação infantil. Brasilia: DF. 1997. CABRAL, Beatriz (Org). Ensino de teatro: experiências interculturais. Florianópolis: Imprensa Universitária, 1999. CAMARGO, Luiz (org.).Arte-educação, da Pré-escola à Universidade. São Paulo: Studio Nobel, 1994. CAVALIERI, Ana Lúcia F. Teatro vivo na escola. São Paulo: FTD, 1990. CELESTE, Bernadette, DELALANDE, François et DUMAURIER, Elisabeth, L'enfant du sonore au musical, Paris, INA GRM/Buchet Chastel, 1982, 180 p. CHACRA, Sandra. Natureza e sentido da improvisação teatral. São Paulo: Perspectiva, 1983. COURTNEY, Richard. Jogo, teatro e pensamento. São Paulo: Perspectiva, 1980. COELHO, Betty. Contar histórias. Uma arte sem idade. São Paulo: Ática, 1999. COSTA, Marisa Vorraber (org.). O currículo nos limiares do contemporâneo. 2ª. Ed. Rio de Janeiro: DP&A, 1999. CROSS, Jack. O ensino de arte nas escolas. São Paulo: Cultrix: EDUSP, 1983. DELALANDE, François, La musique est un jeu d'enfant, Paris, INA. GRM/ Buchet Chastel, 1984, 195p.
  • DERDYK, Edith. Formas de pensar o desenho: desenvolvimento do grafismo infantil. São Paulo: Scipione, 1989. _____________. Linha do horizonte: por uma poética do ato criador. São Paulo: Escuta, 2001. DIDI-HUBERMAN, Georges, O que vemos, o que nos olha. São Paulo: Ed. 34, 1998. DOMINGUES, Diana (org). A arte no século XXI. A humanização das tecnologias, São Paulo: Ed. Unesp, 1997. DOURADO, Paulo e MILET, Maria Eugênia. Manual de criatividades. Salvador; Funceb: EGB, 1997. DUARTE Jr. Por que arte-educação?. Campinas: Papirus, 1986. __________. Fundamentos estéticos da Educação. Campinas: Papirus, 1988. EHRENZWEIG, Anton. A ordem oculta da arte: um estudo sobre a psicologia da imaginação artística. Rio: Zahar, 1969. FUSARI, Maria R. e FERRAZ, Maria H. Arte na Educação escolar. São Paulo: Cortez, 1992. ________________________________. Metodologia do ensino de arte. São Paulo: Cortez, 1993. GAGNARD, Madeleine. Education musicale de la voix à l'école, Issy-les-Moulinaux, EAP, 1988, 118p. Id., La voix dans la musique contemporaine et extra-européene, Paris, Van de Velde, 1987, 117p. GAINZA, Violeta Hemsky de, Estudos de psicopedagogia musical (Etudes de psychopédagogie musicale), São Paulo: Summus, 1988. HUIZINGA, Johan. Homo Ludens. São Paulo: Perspectiva, 1993. JANUZELLI, Antônio Janô. A aprendizagem do ator. São Paulo: IBRASA, 1976. KOUDELA, Ingrid Dormien (org). Um vôo brechtiano. São Paulo: Perspectiva: Fapesp, 1992. ___________________________. Jogo teatrais. São paulo: Perspectiva, 1984. ___________________________. Teatro e Jogo. São Paulo: Perspectiva, 1996. LANGER, Susanne. Sentimento e Forma. São Paulo: Perspectiva, 1980. LINHARES, Angela Maria B. O tortuoso e doce caminho da sensibilidade: um estudo sobre arte e educação. Ijuí: Ed. Unijuí, 1999.
  • LOWENFELD, Viktor. A criança e sua arte. São Paulo: Mestre Jou, 1977. LOWENFELD, V. e BRITTAIN, W.L. Desnvolvimento da capacidade criadora. São Paulo: Mestre Jou. 1977. LUQUET, G.H. O desenho infantil. Trad. Maria Teresa Gonçalves de Azevedo. Porto: Livraria Civilização, 1979. MALUF, Sheila Diab, Ensinar ou encenar? Uma proposta metodológica para o ensino profissionalizante. MARTENOT, Maurice. Principes fondamentaux de formation musicale et leur application, 6 ed, Paris, Magnard, 1970, 237 p. MEREDIEU, Florence de. O desenho infantil. Trad. Álvaro Lorencini e Sandra M. Nitrini. São Paulo: Editora Cultrix, 2000. MIRANDA, Nicanor. 210 jogos infantis. Belo Horizonte: Ed; Itatiaia, 1992. MONTEIRO, Regina. Jogos dramáticos. São Paulo: Ágora, 1990. MOURA, Ieda C., BOSCARDIN, M. Teresa et ZAGONEL, Bernadete. Musicalizando crianças. Teoria e prática musical. São Paulo: Ática, 1989, 102p. NOVAES, Maria Helena. Psicologia da criatividade. Ptrópolis: Vozes, 1993. NOVELLY, Maria. Jogos teatrais para grupos e sala de aula. Campinas: Papirus, 1994. NOVELLY, Maria. Jogos teatrais. Campinas: Papirus, 1996. OSTROWER, Fayga. Criatividade e processos de criação. Petrópolis: Vozes, 1989. _________________. A sensibilidade do intelecto. Rio de Janeiro: Campus, 1998. PAINTER, John et ASTON, Peter. Sound and Silence. Cambridge University Press, 1970.
  • PACHECO, Elza Dias (org.). Comunicação, Educação e Arte na cultura infanto-juvenil. São Paulo: Loyola, 1991. PENNA, Maura. Reavaliações e buscas em musicalização. São Paulo: Loyola, 1990. 85p. PILLAR. Analice Dutra. (org.). A educação do olhar no ensino das Artes. Porto Alegre: Mediação, 2001 _________________________. Desenho e construção de conhecimento na criança. Porto Alegre: Artes Médicas, 1996. _________________________. Desenho e como sistema de representação. Porto Alegre: Artes Médicas, 1996. PORCHER, Louis (org.). Educação Artística: luxo ou necessidade?. São Paulo: Summus, 1982. READ, Herbert. A educação pela arte. São Paulo: Martins Fontes, 1982. _____________ A redenção do robô: meu encontro com a educação através da arte. São Paulo: Summus, 1986. RENARD, Claire, Le geste musical, Paris, Hachette/Van de Velde, 1982. 145 p. REVERBEL, Olga. um caminho do teatro na escola. São Paulo: Scipione, 1989. _______________. Oficina de Teatro. Porto Alegre: Quarup, 1993. _______________. Jogos teatrais na escola. Atividade globais de expressão. São Paulo: scipione, 1993. SANTOS, Santa Marli Pires dos. (org.). O lúdico na formação do educador. Petrópolis: Vozes, 1997. SCHILLER, Friedrich. A educação estética do homem, numa série de cartas. São Paulo: Iluminuras, 1990. SILVA, Daisy Maria Barella da. Uma vida na escola em linguagem teatral. Ijuí: Ed. Unijuí, 2000. SLADE, Peter. O jogo dramático infantil. São Paulo: Summus, 1978. SNYDERS, Georges. Alunos felizes. São Paulo: Paz e Terra, 1993. SPOLIN, Viola. Improvisação para o teatro. São Paulo: Perspectiva, 1982. VIGOTSKI, Liev S. Psicologia da Arte. São Paulo: Martins Fontes, 1998. ZAGONEL, Bernadete et CHIAMULERA, Salete. Introdução à estética e à composição musical contemporânea segundo H.J. Koellreutter, Porto Alegre: Movimento, 1985, 157p. ZAGONEL, Bernadete. O que é gesto musical. São Paulo: Brasiliense

Turmas Ofertadas

Turma Período Vagas Matriculados Curso / Horários Professores
M1 2020 / 1 45 36 Pedagogia (Licenciatura - Noturno)
Horários
ManhãTardeNoite
QUA19:00 - 19:50
19:50 - 20:40
20:40 - 21:30
21:30 - 22:20
22:20 - 23:10
EDSON PONICK
Professor responsável pela turma

DIANA PAULA SALOMÃO DE FREITAS
Professor Regente

M71 2020 / 1 20 18 Pedagogia (Licenciatura - Noturno)
Horários
ManhãTardeNoite
QUA19:00 - 19:50
19:50 - 20:40
20:40 - 21:30
21:30 - 22:20
22:20 - 23:10
EDSON PONICK
Professor responsável pela turma

M72 2020 / 1 20 14 Pedagogia (Licenciatura - Noturno)
Horários
ManhãTardeNoite
QUA19:00 - 19:50
19:50 - 20:40
20:40 - 21:30
21:30 - 22:20
22:20 - 23:10
DIANA PAULA SALOMÃO DE FREITAS
Professor responsável pela turma

Disciplinas Equivalentes

Disciplina Curso
PRÁTICAS EDUCATIVAS VI Pedagogia (Licenciatura)
PRÁTICAS EDUCATIVAS VI Pedagogia (Licenciatura - Noturno)

Página gerada em 27/11/2020 00:18:54 (consulta levou 0.182667s)