Nome da Atividade
TóPICOS ESPECIAIS EM POLíTICAS LINGUíSTICAS
CÓDIGO
20000595
Carga Horária
68 horas
Tipo de Atividade
DISCIPLINA
Periodicidade
Semestral
Modalidade
PRESENCIAL
Unidade responsável
CARGA HORÁRIA TEÓRICA
04
CRÉDITOS
4
FREQUÊNCIA APROVAÇÃO
75%

Ementa

Aspectos teóricos das políticas linguísticas. Línguas minoritárias. Diversidade linguística. Línguas familiares. Línguas de inclusão e integração. Línguas adicionais. Internacionalização. Línguas e poder.

Objetivos

Objetivo Geral:

a) Compreender o status que diferentes línguas desempenham na sociedade e as implicações para as políticas em diferentes âmbitos e para o ensino de línguas.
b) Analisar ações de políticas linguísticas em materiais como legislações, normas e outros documentos relacionados.
c) Discutir ações de manutenção da diversidade linguística regional, promoção de línguas estrangeiras, valorização das línguas, integração e internacionalização.
d) Conceber ações de popularização e democratização da linguística, aproximando a pesquisa em políticas linguísticas da sociedade.

Conteúdo Programático

Bibliografia

Bibliografia Básica:

  • CALVET, L.-J. As Políticas Lingüísticas. São Paulo: Parábola Editorial, 2006.
  • RAJAGOPALAN, K. Política linguística: do que é que se trata, afinal. In: Política e Políticas Linguísticas. NICOLAIDES, C.; SILVA, K. A.; TÍLIO, R; ROCHA, C. H. (Org.) Campinas: Pontes, 2013. p. 19-42.
  • "SPOLSKY, B. Language Management. New York: Cambridge University Press, 2009. "
  • SPOLSKY, B. Para uma Teoria de Políticas Linguísticas. ReVEL, v. 14, n. 26, p. 32-44, 2016.
  • ALTENHOFEN, C. V. Bases para uma política linguística das línguas minoritárias no Brasil. In: NICOLAIDES, C. et al. (Eds.). Política e Políticas Linguísticas. Campinas: Pontes Editores, 2013. p. 93–116.
  • MAHER, T. M. Ecos de resistência: políticas linguísticas e línguas minoritárias no Brasil. In: Política e Políticas Linguísticas. NICOLAIDES, C.; SILVA, K. A.; TÍLIO, R; ROCHA, C. H. (Org.) Campinas: Pontes, 2013. p. 117-134.
  • TERBORG, Roland. La "ecología de presiones" en el desplazamiento de las lenguas indígenas por el español. Presentación de un modelo. Forum Qualitative Sozialforschung, v. 7, n. 4, 2006.
  • HORST, C.; KRUG, M.; FORNARA, A. E. Estratégias de manutenção e revitalização linguística no Oeste Catarinense. Organon, v. 32, n. 62, p. 1-16, 2017.
  • MOZZILLO, I. Algumas considerações sobre o bilinguismo infantil. Veredas (on-line), v. 19, n. 1, 2015.
  • FLORES, C. Bilinguismo infantil. Um legado valioso do fenómeno migratório. Revista Diacrítica, v. 31, n. 3. Volume Temático sobre Imigração, refugiados e as humanidades: abordagens críticas para novos desafios. SILVA, M.-M.; SKEIKER, Fadi; GROSSEGESSE, Orlando (eds). Braga: CEHUM / Ed. Húmus, 2019.
  • FINGER, L. Contexto multilíngüe: conduta avaliativa e atitudes lingüísticas. A influência de crenças e políticas. Revista Contingentia, v. 3, n. 1, maio 2008.
  • LICO, A. L. C. Ensino do Português como Língua de Herança. Prática e Fundamentos, v. 2, n. 1, 2011.
  • LIRA, C. O português como língua de herança em Munique: Ofertas, práticas e desafios. Fólio – Revista de Letras, v. 10, n. 1, jan./jun. 2018.
  • SOUZA, A. Motherhood in migration: A focus on family language planning. Women’s Studies International Forum, 52, 2015.
  • DEPREZ, C.; VARRO, G.; COLLET, B. Introduction. Langage & société. Familles plurilingues dans le monde. Mixités conjugales et transmission des langues, n. 147. Premier semestre, 2014.
  • ALBRES, N. A.; NEVES, S. L. G. (org.) Libras em estudo: política linguística. São Paulo: FENEIS, 2013.
  • JÚNIOR, J.; DÓREA, Y.; KOGUT, M.; SOUZA, L. Políticas linguísticas e a língua de sinais brasileira. Revista Sinalizar, v. 3, n. 1. p. 57-67, 2018.
  • FERNANDES, S.; CERETTA M. L. Políticas de educação bilíngue para surdos: o contexto brasileiro. Educar em Revista, n. 2, p. 51-69, 2014.
  • DE FARIA DO NASCIMENTO, S. P.; RAMOS COSTA, M. Movimentos surdos e os fundamentos e metas da escola bilíngue de surdos: contribuições ao debate institucional Educar em Revista, núm. 2, 2014, pp. 159-178
  • OAB. Cartilha dos direitos da pessoa com autismo. Comissão de defesa dos direitos da pessoa com autismo da OAB/DF. 2015.
  • BRASIL, Presidência da República. Lei nº 12.764, de 27 de dezembro de 2012. Institui a Política Nacional de Proteção dos Direitos da Pessoa com Transtorno do Espectro Autista e altera o § 3o do art. 98 da Lei no 8.112, de 11 de dezembro de 1990.
  • BRASIL, Presidência da República. Lei nº 13.146, de 6 de julho de 2015. Institui a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (Estatuto da pessoa com deficiência).
  • GODOI BUSTAMANTE, Evanilda Nascimento de. Políticas Públicas Educacionais e os Direitos das Crianças com TDAH. Revista Brasileira de Direito Constitucional Aplicado, 2017.
  • SIGNOR, R. Dislexia: uma análise histórica e social. Revista Brasileira de Linguística Aplicada, vol. 15, núm. 4, octubre-diciembre, 2015, pp. 971-999
  • ANDIFES - ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS DIRIGENTES DAS INSTITUIÇÕES FEDERAIS DE ENSINO SUPERIOR. Programa de expansão, excelência e internacionalização das universidades federais, 2012. Disponível em: . Acesso em: 20/11/2019.
  • KNIGHT, J. Updating the definition of internationalization. International Higher Education, [s.l.], v. 33, p. 2–3, 2003.
  • ARCHANJO, R. Languages and Power in Language Policies in the Brazilian Context. In: FINARDI, K. R. English in Brazil: views, policies and programs. Londrina: Eduel, 2016, v. 1, p. 37-56.
  • HEIDT, I. Exploring the Historical Dimensions of Bildung and its Metamorphosis in the Context of Globalization. L2 Journal, v. 7, n. 4, p.1-16, 2015,.
  • HU, A. The Idea of Bildung in the Current Educational Discourse: A Response to Irene Heidt. L2 Journal, v.7, n.4, 2015, pp.17-19..
  • KRAMSCH, C. From Communicative Competence to Symbolic Competence. The Modern Language Journal, v. 90, p. 249-252, 2006.
  • KRAMSCH, C. The symbolic dimensions of the intercultural. Language Teaching, v. 44, p. 354-367, 2011.

Página gerada em 25/10/2020 03:13:23 (consulta levou 0.360477s)