Nome da Disciplina
BOTÂNICA ECONÔMICA
CÓDIGO
0010061
Carga Horária
51 horas
Atividade Complementar
Não
Periodicidade
Semestral
Unidade responsável
CRÉDITOS
3
CARGA HORÁRIA TEÓRICA
2
CARGA HORÁRIA PRÁTICA
1
CARGA HORÁRIA OBRIGATÓRIA
3
FREQUÊNCIA APROVAÇÃO
75%

Ementa

Estudo da botânica do ponto de vista econômico com ênfase na conservação da natureza como princípio básico para a sustentabilidade dos ecossistemas.

Objetivos

Objetivo Geral:

Estudar a relação indissociável entre econômia e conservação da natureza;
Estudar as plantas com potencial econômico e etnobotânico;
Estudar tópicos de Educação Ambiental relacionados a conservação da natureza e botânica econômica;
Estudar as metodologias para aplicação da plantas como bioindicadoras;
Desenvolver o apreço pela natureza através do conhecimento objetivo da mesma;
Desenvolver responsabilidade no uso da natureza;
Estudar as leis de Conservação

Conteúdo Programático

Relação entre Botânica Econômica, o Profissional Biólogo e a Conservação da Natureza;
Origem, biogeografia e evolução de plantas de valor econômico;
Famílias de Angiospermas e sua importância econômica;
Tópicos de Educação Ambiental relacionados a conservação da natureza e botânica econômica;
Unidades de Conservação: Leis Ambientais, Economia da Conservação, Argumentos para a preservação das matas nativas;
Metodologia de inventários de formações florestais e campestres;
Reflorestamento com espécies nativas;
Recuperação de áreas degradadas;
Manejo e economia de florestas, banhados, maguezais...
Plantas utilizadas como bioindicadoras (algas, briófitos, pteridófitos, gimnospermas e angiospermas);
Arborização Urbana;
Coleção e exposição de Botânica Econômica em Museus de Ciências Naturais.

Bibliografia

Bibliografia Básica:

  • ALICE, C.B.; Siqueira, N.C.S.; Mentz, L.A.; Assis Brasil e Silva, G.A. & José, K.F.D. Plantas Medicinais de Uso Popular: Atlas Farmacognóstico. Canoas: Ed. ULBRA, 1995. 205 p.
  • ALMEIDA, F.S. 1990. Alelopatia: a defesa das plantas. Ciência Hoje, 11(62): 38-45.
  • BERCHEZ, F.A.S. Temporal changes in the benthic marine flora of the baia de santos, sp, over the last four decades. In: Cordeiro Marino et al. (ed.) Algae and environment: a general approach. Sociedade Brasileira de Ficologia. p. 120-131.
  • BRIGHIGNA, L. 2002. The use of tropical bromeliales (Tillandsia spp) for monitoring atmospheric pollution in the town of Florence, Italy. Revista de Biologia Tropical, 50: 577-584.
  • BUSS, D.F. 2002. Importância do biomonitoramento em programas de análise da qualidade da água de rios. Bioletim, 3 www.bioletim.hpg.com.br
  • CARVALHO, L.C. 2002. A importância e a beleza das bromélias. Bioletim, 3 www.bioletim.hpg.com.br
  • CARVALHO, P.E.R. Espécies Florestais Brasileiras; Recomendações Silviculturais, Potencialidades e Uso da Madeira. Colombo: Embrapa/CNPF, 1994. 640 p.
  • CASAS, G. 2004. The invasive kelp Undaria pinnatifida (Phaeophyceae, Laminariales) reduces native seaweed diversity in Nuevo Gulf (Patagônia, Argentina). Biological Invasions 6: 411-416.
  • CONSEUIL, H.X. & MORENO, F.N. 1999. Uso do “Chorão”(Salix babylonica) na remediação de águas subterrâneas contaminadas por gasolina. Anais do XX Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental. p. 3362-3371.
  • DIETRICH, S.M.C.ET AL. 1988. O açúcar das plantas. Ciência Hoje, 7(39): 42-48.
  • HOSOKAWA, R.T. et al. 1998. Introdução ao manejo e economia de florestas. Curitiba, ed. da UFPR. 162p.
  • FERREIRA, L.A.B. 1985. Arborização urbana. Natureza em Revista, n. 10: 34-42.
  • FILHO, G.M. A. & PFEIFFER, W.C. 1998. Utilização de macrófitoas marinhas no monitoramento da contaminação por metais pesados: o caso da Baía de sepetiba, RJ. Acta Bot. Bras. 12(3): 411-419.
  • GUTBERLET, J. 1989. Uso de Sphagnum recurvum P. Beauv. como biofiltro no monitoramento de poluição aérea insustrial de maetais pesados. Acta bot. Brás. 2: 103-114.
  • KISSMANN, K.G. & Groth, D. Plantas Infestantes e Nocivas. São Paulo: Basf Brasileira, 1992. v.2. 798 p.
  • KISSMANN, K.G. Plantas Infestantes e Nocivas. São Paulo: Basf Brasileira, 1991. v.1. 607 p.
  • KUBO, R.R. Levantamento das Plantas de Uso Medicinal em Coronel Bicaco. Porto Alegre: UFRGS, 1997. 162p. (Dissertação, Mestrado em Botânica).
  • LACERDA, L.D. 1984. Manguezais: Florestas de beira-mar. Ciência Hoje, 3(13): 63-70.
  • LEME, E.L.C. 1984. Bromélias. Ciência Hoje, 3(14): 66-72.
  • LOBO. 1987. Exploração de algas marinhas no Chile. Natureza em Revista, n. 12: 32-34.
  • LORENZI, H. & Matos, F.J.A. Plantas Medicinais no Brasil. Nova Odessa: E. Plantarum, 2002. 512 p.
  • LORENZI, H. & Souza, H.M. Plantas Ornamentais no Brasil arbustivas, herbáceas e trepadeiras. Nova Odessa: Ed, Plantarum, 1995. 720 p.
  • LORENZI, H. Árvores Brasileiras; Manual de Identificação e Cultivo de Plantas Arbóreas Nativas do Brasil. Nova Odessa: Ed. Plantarum, 1992. Vol. 1. 352 p.
  • LORENZI, H. Árvores Brasileiras; Manual de Identificação e Cultivo de Plantas Arbóreas Nativas do Brasil. Nova Odessa: Ed. Plantarum, 1998. Vol. 2. 352 p.
  • LORENZI, H. Plantas Daninhas do Brasil: terrestres, aquáticas, parasitas e tóxicas. 3ª ed. Nova Odessa: Ed. Plantarum, 2000. 608 p.
  • LORENZI, H.; Souza, H.M.; Medeiros-Costa, J.T.; Cerqueira, L.S.C. & Von Behr, N. Palmeiras no Brasil. Nova Odessa: Ed. Plantarum, 1996. 303 p.
  • MAGALHÃES, R.G. Plantas Medicinais na Região do Alto Uruguai – RS: Conhecimentos de João Martins Fiúza, “Sarampião”. Porto Alegre: UFRGS, 1997. 172p. (Dissertação, Mestrado em Botânica).
  • MARCHIORI, J.C.N. & Sobral, M. Dendrologia das Angiospermas: Myrtales. Santa Maria: Ed. UFSM, 1997. 304 p.
  • MARCHIORI, J.C.N. Dendrologia das Angiospermas: das Bixáceas às Rosáceas. Santa Maria: Ed. UFSM, 2000. 240 p.
  • MARCHIORI, J.C.N. Dendrologia das Angiospermas: Leguminosas. Ed. UFSM, 1997. 200 p.
  • MARCHIORI, J.N.C. Dendrologia das Gimnospermas. Santa Maria: Ed. UFSM, 1996. 158 p.
  • MARCHIORI, J.N.C. Elementos de Dendrologia. Santa Maria: Ed. UFSM, 1995. 165 p.
  • MARCHORI, J.C.N. Dendrologia das Angiospermas: das Magnoliáceas às Flacourtiáceas. Santa Maria: Ed. UFSM, 1997. 271 p.
  • McCONNACHIE, A.J. et al. 2003. Economic evaluation of the successful biological control of Azolla filiculoides in South Africa. Biological Control, 28: 25-32.
  • MUÑOZ, J.; Ross, P. & Cracco, P. Flora Indigena del Uruguay. Montevideo: Ed. Hemisferio Sur, 1993. 284 p.
  • PACIONI, G. Guia de Hongos. 2. ed. Barcelona: Ed. Grijalbo, 1982. 523 p.
  • PENNINGTON, T.D. & Fernandes, E. C. M. (Eds.) The genus Inga; Utilization. Kew: Continental Printing, 1998. 167 p.
  • PENNINGTON, T.D. The genus Inga. Kew: Continental Printing, 1997. 844 p.
  • PIGNATA, M.L. ET AL. 2002. Atmospheric quality and distribution of heavy metals in Argentina employing Tillandsia capilaris as a biomonitor. Environmetal Pollution, 120: 59-68.
  • PORTO, M.L. & Dillemburg, L.R. Fisionomia e Composição Florística de uma Mata de Restinga da Estação Ecológica do Taim, Brasil. Ciência e Cultura; SBPC, v.38. n. 7. p 1229-1236, julho de 1986.
  • REITZ, R., Klein, R.M. & Reis, A. Projeto Madeira do Rio Grande do Sul. Sudesul / HBR/ Governo do Estado do Rio Grande do Sul. Ed. Corag. Porto Alegre. 1988. 525 p.
  • RIO GRANDE DO SUL, S.A. Manual de Conservação do Solo e da Água. Porto Alegre, 1983. 228 p.
  • RIO GRANDE DO SUL. SAA/DRNR. Frutíferas Nativas. Porto Alegre: DDIR, 1982. 31 p.
  • RODRIGUES, C.F. et al. 2005. Loss of diversity and degradation of wetlands as a result of introducing exotic crayfish. Biological Invasions, 7: 75-85
  • SANCHOTENE, M.C.C. Frutíferas Nativas Úteis à Fauna na Arborização Urbana. 2ª ed. Porto Alegre: SAGRA, 1989. 306 p.
  • SANTOS, E. Nossas Madeiras. Belo Horizonte: Ed. Itatiaia, 1987. 313 p.
  • SCHAUB, M. et al. 2003. Physiological and foliar injury response of Prunus serotina, Fraxinus americana, and Acer rubrum seedlings to varying soil moisture and ozone. Environmental Pollution, 124: 307-320.
  • SIMÕES, C.M.O.; Mentz, L.A.; Schenkel, E.P.; Irgang, B.E.; Stehmann, J.R. Plantas da Medicina Popular no Rio Grande do Sul. 3ª ed. Porto Alegre: Ed. UFRGS, 1989. 174 p.
  • STREHL, T. 1986. A curiosa família do abacaxi: as bromeliáceas. Natureza em Revista, n. 11: 20-23.
  • UNGARETTI, I. 1976. O valor medicinal da malva. Natureza em Revista, n.1: 32-35.
  • WINGE, H.; Ferreira, A.G.; Mariath, J.E.A. & Tarasconi, L.C. (Orgs). Erva-Mate: Biologia e cultura no Cone Sul. Porto Alegre: Ed. UFRGS, 1995. 356 p.
  • WOLF, J.H.D. & KONINGS, C.J.F. 2001. Toward the sustainable harvesting of epiphytic bromeliads: a pilot study from the highlands of Chiapas, México. Biological Conservation, 101:23-31.
  • YAOBIN, Q. 1999. Estudos sobre a variação temporal da composição de macroalgas marinhas em uma baía oluída – o caso de Santos, Litoral da São Paulo, Brasil. USP. 87p.

Página gerada em 13/12/2018 22:55:15 (consulta levou 0.076529s)