Nome da Disciplina
ANATOMIA DO DESENVOLVIMENTO
CÓDIGO
0040069
Carga Horária
51 horas
Atividade Complementar
Não
Periodicidade
Semestral
Unidade responsável
CRÉDITOS
3
CARGA HORÁRIA TEÓRICA
2
CARGA HORÁRIA PRÁTICA
1
CARGA HORÁRIA OBRIGATÓRIA
3
FREQUÊNCIA APROVAÇÃO
75%

Ementa

A disciplina aborda os processos relacionados a ontogenia dos vertebrados, a partir de uma única célula, descrevendo os principais eventos da anatomia do desenvolvimento desde o período pré-concepção até o nascimento (eclosão) com um enfoque comparativo entre a gênese humana e dos principais representantes das demais classes de vertebrados com uma recapitulação do surgimento dos fenômenos avaliados nos invertebrados.

Objetivos

Objetivo Geral:

A disciplina de Anatomia do Desenvolvimento tem como objetivo geral o de oportunizar aos discentes uma visão holística, dinâmica e contextualizada da atual situação do desenvolvimento científico e tecnológico referente aos conhecimentos da anatomia do desenvolvimento da gênese humana comparada às demais classes de vertebrados e de uma introdução de seu surgimento nos invertebrados.

 

Objetivos Específicos:

1) - Integrar os conhecimentos obtidos no decorrer do Curso nas disciplinas de Anatomia, Histologia, Zoologia, Genética, Bioquímica, Evolução, Ecologia e outras, visando a construção do embasamento teórico para a compreensão da Anatomia do Desenvolvimento nos vertebrados com enfoque comparativo a gênese humana; 2) - Facilitar aos discentes as informações básicas sobre a anatomia do desenvolvimento correlacionada aos estudos da gênese humana e representantes das demais classes de vertebrados permitindo adquirir uma base de conhecimentos básicos aplicáveis a todas as ciências morfológicas e a formação profissional; 3) - Aplicar avaliações teóricas, práticas e teórico/práticas para a verificação do nível de aprendizado, reflexo da atividade docente e, desenvolver métodos alternativos de avaliação onde os discentes sejam colocados diante de situações que conduzam a aplicação dos conhecimentos adquiridos na resolução de situações reais; 4) - Estimular a capacidade dos discentes para ler e interpretar textos com informações da área de anatomia do desenvolvimento estimulando sua capacidade crítica frente às informações apresentadas através da discussão em grupo das informações suplementares oferecidas; 5) - Enfocar o espírito do trabalho e da tomada de decisões em grupo mediante discussão dos temários, escolha do(s) método(s) de avaliação e da verificação do desempenho individual e grupal dos discentes; 6) - Oportunizar aos discentes o convívio acadêmico com alunos-monitores em aula teóricas e teórico/práticas para incentivar o hábito do estudo e a perspectiva da docência como estímulos para a melhoria do desempenho pessoal; 7) - Desenvolver um ritmo de atividades compatível com a disponibilidade de horários de classes teóricas e práticas objetivando ministrar os conhecimentos relacionados a disciplina de forma holística e inter-relacionada às demais áreas do saber; 8) - Realizar atividades teóricas e teórico/práticas de forma sincronizada para facilitar o aprendizado e sempre que possível, observar a interdisciplinaridade da formação acadêmica procurando, entre outros objetivos, desempenhar as atividades acadêmicas em sincronia com as demais disciplinas; 9) - Buscar o complemento da formação acadêmica incentivando a utilização de modernos recursos tecnológicos como a consulta “on line”, salas de debates e mesmo a leitura de literatura científica “on line” em outro(s) idioma(s) através da proposição sistemática de questões referentes aos conteúdos programáticos que estejam em discussão no momento; 10) - Flexibilizar as metodologias utilizadas em sala de aula e também nas avaliações, procurando facilitar o aprendizado e, sobretudo, estimular a busca pessoal da formação profissional indicando métodos e recursos para consecução deste objetivo. 11) Oportunizar aos acadêmicos a revisão geral dos conteúdos previamente vivenciados nas disciplinas da grade curricular permitindo sua correlação e integração realizando deste modo um corte transversal conjunto as demais disciplinas do semestre encerrando o ciclo de formação acadêmica da graduação.

Conteúdo Programático

1 Revisão Sist. Genital Masculino e Feminino
1.1 Sistema Genital Feminino
1.1.1 Generalidades
1.1.2 Ovário
1.1.3 Tubas, útero, vagina e genitália externa
1.1.4 Histofisiologia do sistema genital feminino
1.2 Sistema Genital Masculino
1.2.1 Generalidades
1.2.2 Testículos
1.2.3 Ductos genitais e glândulas acessórias
1.2.4 Pênis
1.2.5 Histofisiologia do sistema genital masculino
1.3 Gametogênese masculina e feminina
2 Fenômenos Pré-concepção
2.1 Cortejo
2.2 Fisiologia do orgasmo
2.3 Aspectos associados ao comportamento sexual e reprodutivo
2.4 Temas associados a sexualidade
3 Terminologia - Principais conceitos e termos utilizados no estudo da Anatomia do Desenvolvimento
3.1 Terminologia do Período Pré-Natal
3.2 Terminologia do Período Pós-Natal
3.3 Termos Descritivos
4 Semanas da Anatomia do Desenvolvimento Humano (Gênese Humana) – Pós-Fertilização
4.1 Primeira Semana
4.1.1 Gametogênese, número cromossômico
4.1.2 Fecundação
4.1.3 Segmentação (Clivagem)
4.1.4 Formação do blastocisto
4.1.5 Zigotos anormais e abortamentos espontâneos
4.1.6 Início da nidação
4.2 Segunda Semana
4.2.1 Implantação do blastocisto
4.2.2 Sítios de Implantação
4.2.3 Abortamentos precoces
4.2.4 Embrioblasto didérmico
4.2.5 Anexos extra-embrionários - cório, âmnio e saco vitelínico
4.2.6 Formação da Placa Pré-Cordal
4.3 Terceira Semana
4.3.1 Gastrulação
4.3.2 Linha Primitiva, nó primitivo, notocorda
4.3.3 Desenvolvimento da Notocorda
4.3.4 Neurulação
4.3.5 Desenvolvimento dos Somitos
4.3.6 Desenvolvimento do celoma intra-embrionário
4.3.7 Sistema cardio-vascular primitivo
4.3.8 Desenvolvimento das vilosidades coriônicas
4.3.9 Anexos embrionários - alantóide
4.4 Quarta a Oitava Semanas
4.4.1 Dobramentos do Embrião
4.4.2 Derivados dos folhetos embrionários - organogênese e morfogênese
4.5 Período Fetal
4.5.1 Fenômenos de crescimento, desenvolvimento e acabamento
4.5.2 Avaliação fetal
5 Placentologia
5.1 Placentas coriônica, Coriovitelínica avascular e vascular, corioalantoidiana
5.2 Placentas decídua e não decídua
5.3 Placentas labiríntica, vilosa, pregueada, difusa
5.4 Placentas discoidal, cotiledonária, zonária
5.5 Placentas epiteliocorial, sindesmocorial, endoteliocorial e hemocorial
5.6 Parto
6 Teratologias
6.1 Principais alterações teratológicas da Primeira Semana
6.2 Principais alterações teratológicas da Segunda Semana
6.3 Principais alterações teratológicas da Terceira Semana
6.4 Principais alterações teratológicas da Quarta a Oitava Semanas
6.5 Principais alterações teratológicas do Período Fetal
6.6 Algumas substâncias Teratogênicas e seus efeitos
6.7 Principais Síndromes
7 Métodos diagnósticos utilizados para acompanhar a anatomia do desenvolvimento humano
7.1 Cordocentese
7.2 Amniocentese
7.3 Fetoscopia
7.4 Ultrasonografia
7.5 Ressonância Magnética e similares
7.6 Dosagem de Alfafetoproteínas
7.7 Outros Métodos
8 Embriologia comparada
8.1 Embriologia dos Invertebrados e Protocordados
8.2 Embriologia dos Vertebrados - Peixes
8.3 Embriologia dos Vertebrados – Anfíbios
8.4 Embriologia dos Vertebrados - Répteis
8.5 Embriologia dos Vertebrados - Aves
8.6 Embriologia dos Vertebrados - Mamíferos
8.7 Outros modelos – Tipos de ovos e sua segmentação; Oligolécito, Centrolécitos e Telolécitos

ATIVIDADE PRÁTICA
1. Sistemas genital masculino e feminino – anatomia microscópica dos testículos, vias espermáticas, ovário, oviduto, útero, glândula mamária
2. Gametas masculino e feminino
3. Segmentação – modelo Peixes
4. Blastocistos
5. Modelos de embriões
6. Fetos – datação fetal
7. Organogênese de répteis (tartarugas e serpentes ovovivíparas)
8. Métodos de descrição da Anatomia do Desenvolvimento em peixes, anfíbios e répteis.

Bibliografia

Bibliografia Básica:

  • Almeida. J.M. de (1999) Embriologia Veterinária Comparada. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 176p.
  • Calandra, D.; Andersen, O.A.; Reynoso, R.M.; Comparato, M.R.; Mormandi, J.O.; Diaz, E.M. (1975) Ecologia Embrionaria y Fetal. – estúdios de los factores exógenos responsables de malformaciones fetales. Buenos Aires: Artgentina: Panamericana, 278p.
  • Cha, S.C. (2004) Medicna Fetal – Vol I. São Paulo: Roca, 288 p.
  • De Moraes e Silva Filho, A. (1991) O Colo Uterino Humano. Artes Médicas. 293p.
  • Fitzgerald, M.J.T. (1980) Embriologia Humana. São Paulo: Harper & Row do Brasil, 197 p.
  • Garcia, S.M.L.; Daudt, H.M.L.; Fernandez, C.G. (1997) Embriologia Estudos Dirigidos para aulas práticas. Porto Alegre: Sagra-Luzzato, 148p.
  • Gatty, B. (1986) A origem do ser vivo. São Paulo: Martins Fontes, 172p.
  • Gatty, B. (1986) Ontem, o Universo. São Paulo: Martins Fontes, 160p.
  • Gilbert, S.F., Singer, S.R. (2006) Developmental Biology. 8ª ed. Sinauer Associates, 751p.
  • Gondim, H.C. (1995) Atlas de Embriologia. Porto Alegre: EDUFRGS, 118p.
  • Gould, S.J. (1987) Darwin e os grandes enigmas da vida. São Paulo: Martins Fontes, 274p.
  • Gregersen, E. (1983) Práticas sexuais – A história da sexualidade humana. São Paulo: Roca, 323p.
  • Grene, R. (2001) El arte de la seduccion. Edicion de Jose Elffers. Madrid: Espasa, 512p.
  • Hite, S. (1981) O relatório Hite sobre a sexualidade masculina. 4 ed. Rio de Janeiro: Editora Bertrand do Brasil, 1305p.
  • Hyttel, P. ; Sinowatz, S., Zejlsted, M. (2010) Essentials of Domestic animal embryology. New York: Saunders, 455 p.
  • Kierszenbaum, A.L. (2008) Histologia e Biologia Celular – Uma introdução à Patologia. 2ª ed. Rio de Janeiro: Mosey Elsevier, 677p.
  • Monod, J. (1970) O acaso e a necessidade. 2ª ed. Biblioteca Universitária, Europa-América, 174 p.
  • Moore, K.L. (1986) Embriologia Clínica. 3ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 442 p
  • Moore, K., Persaud, (1994) Embriologia Rio de Janeiro: Guanabara Koogan.
  • Moore, K., Persaud, (2004) Embriologia Básica. 6ª ed. Rio de Janeiro: Elseviér, 462 p.
  • Novikoff, A.B., Holtzman, E. (1977) Células e Estrutura Celular. 2ª ed., Rio de Janeiro: Interamericana, 326 p.
  • Oliveira, F. (2002) Clonagem e manipulação genética e humana: mitos, realidade, perspectivas e delírios. O estado da arte da reprodução humana assistida em 2002. Brasília: Ministério da Justiça, Secretaria de Estado dos Direitos da Mulher. 68 p.
  • Paniagua, R., Nistal, M., Sesma, P., Álvarez-Uría, M., Fraile, B., Anadón, R., Sáez, F.J., Miguel, M.P. de. (1997)
  • Citología e Histología Vegetal y Animal. 2 ed., Madrid: McGraw-Hill-Interamericana, 960 p.
  • De Robertis (Jr), HIB, Ponzio (2003) De Robertis Biologia Celular e Molecular. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 413 p.
  • Sadler, T.W. (2004) Langman Embriologia Médica. 9ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan
  • Wischnitzer, S. (1980) Atlas y guia de laboratorio de embriologia de vertebrados. Barcelona, Omega, 154 p.
  • Wolpert, L.; Jessell, T.; Lawrence, P.; Meyerowitz, E.; Robertson, E.; Smith, J. (2008) Principios de Biologia do Desenvolvimento. 3ª ed. Porto Alegre: Artmed, 576p.
  • Bacha Jr., W.J. Wood, L.M. (1991) Atlas color de Histologia Veterinária. Buenos Aires: Inter-Médica, 269 p.
  • Di Fiori, M. (1988) Atlas de Histologia. 7ª ed., Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 229 p.
  • Freeman, W.H. (1985) Atlas de Histologia. Rio de Janeiro: Interamericana, p.
  • Kühnel, W. (1989) Atlas de Citologia, Histologia e Anatomia Microscópica – Para Teoria e Prática. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 409 p.
  • Rheingantz, M. G. T & Machado, I. G. ATLAS EM CD ROOM – Histologia Básica Interativa. Versão 1.01 – 2003. UFPEL.
  • Vegue, J.B. (1998) Atlas de Histología y Organografía Microscópica. Madrid, Espanha: Editorial Médica Panamericana, 418 p.

Turmas Ofertadas

Turma Período Vagas Matriculados Curso / Horários Professores
M1 2018 / 2 100 35 Ciências Biológicas (Bacharelado)
Ciências Biológicas (Licenciatura)
Horários
ManhãTardeNoite
QUI18:50 - 19:40
19:40 - 20:30
20:30 - 21:20
LUIZ FERNANDO MINELLO
Professor responsável pela turma

M2 2018 / 2 60 20 Zootecnia (Bacharelado)
Horários
ManhãTardeNoite
SEG14:00 - 14:50
14:50 - 15:40
16:00 - 16:50
LUIZ FERNANDO MINELLO
Professor responsável pela turma

ANA PAULA NUNES
Professor Regente

Disciplinas Equivalentes

Disciplina Curso
ANATOMIA DO DESENVOLVIMENTO Zootecnia (Bacharelado)

Página gerada em 12/12/2018 20:06:43 (consulta levou 0.143863s)