Nome da Disciplina
AVALIAÇÃO E TIPIFICAÇÃO DE CARCAÇAS
CÓDIGO
1430025
Carga Horária
51 horas
Atividade Complementar
Não
Periodicidade
Semestral
Modalidade
PRESENCIAL
Unidade responsável
CARGA HORÁRIA OBRIGATÓRIA
3
CARGA HORÁRIA PRÁTICA
1
CARGA HORÁRIA TEÓRICA
2
CRÉDITOS
3
FREQUÊNCIA APROVAÇÃO
75%

Ementa

Introdução ao estudo da avaliação animal; fibra muscular; tecido conjuntivo; tecido adiposo; contração muscular; avaliação qualitativa da carne; crescimento animal; medidas na carcaça; estudo do animal vivo e da carcaça; tipificação e classificação de carcaças; avaliação
quantitativa pré e pós-abate. Avaliação da morfologia do animal e da carcaça. Avaliação da composição regional e tecidual da carcaça

Objetivos

Objetivo Geral:

Capacitar o estudante para a identificação dos fatores que determinam a produtividade e a qualidade da carcaça e da carne dos animais de interesse zootécnico. Reconhecer o crescimento dos tecidos que compõem o corpo do animal e estabelecer sua relação com os
parâmetros que influem na qualidade de uma carcaça.
Proporcionar conhecimentos práticos e desenvolver o senso crítico que propicie uma análise das técnicas que permitem uma avaliação de carcaças. Identificar um animal de qualidade para produção de carne e avaliar carcaças e praticar os métodos e técnicas de avaliação de carcaça.

 

Objetivos Específicos:

Os objetivos específicos esta descritos nos planos de ensino atualizados semestralmente

Conteúdo Programático

01 Conceituação de carcaça
02 Situação atual da avaliação e tipificação de carcaça e
carne no Brasil e mundo;
03 Definição de carcaça das principais espécies;
04 O abate, técnicas e conseqüências;
05 Os cortes comerciais;
06 A composição corporal;
07 Os fatores identificadores de produtividade e qualidade
no animal vivo e na carcaça;
08 O uso da ultra-sonografia como ferramenta de
apreciação na avaliação de composição corporal;
09 O Sistema Brasileiro de Classificação de Carcaças (normativa 9 de 09/05/2004); 10Métodos de avaliação, classificação e tipificação;
11 Instalações e equipamentos de abate e necessários
para avaliação de carcaça e carne;
11 Estrutura e aspectos físico-químicos da carne;
12 Bioquímica da formação do músculo;
13 Composição dos diversos grupos genéticos;
14 Fatores relacionados à qualidade ante e post mortem;
15 Padrões de avaliação;
16 Efeito da ingestão de produtos cárneos na nutrição
humana

Bibliografia

Bibliografia Básica:

  • QUALIDADE, morfologia e avaliação das carcaças. Pelotas: Ed. Universitária UFPEL, 2002. 194 .
  • REECE, W.O. - Dukes- Fisiologia dos Animais Domésticos. 12ª ed. Rio de Janeiro: Editora Guanabara Koogan S.A., 2006. 926p
  • SWENSON, M.J. & REECE W.O.- Dukes- Fisiologia dos Animais Domésticos. 11ª ed. Rio de Janeiro: Editora Guanabara Koogan S.A., 1996. 856p
  • CUNNINGHAN, J.G. Tratado de Fisiologia Veterinária. 2a Edição, Rio de Janeiro: Editora Guanabara Koogan S.A., 1999, 528p.

Bibliografia Complementar:

  • PARDI, M.C.; SANTOS, I.F. et al. Ciência, Higiene e Tecnologia da Carne. V.1, 1993.
  • LAWRIE, R.A. Ciência da Carne. 6ª Edição. Editora Artimed, Porto Alegre, RS. 384 p. 2005.
  • OSÓRIO, J.C.S., OSÓRIO, M.T.M., JARDIM, P.O.C. et al. Métodos para avaliação da produção de carne ovina: “in vivo”, na carcaça e na carne. Editora e Gráfica Universitária da UFPel. 107 páginas. 1998.
  • Agrarmarkt Austria Marketing GesmbH (AMA). 2001. Categorization of beef cattle. Disponível em: http://www.fleischteilstuecke.at/en/qalitaet/vermarktung/rind.html
  • American Meat Science Association (AMSA). 2001. Meat Evaluation Handbook. American Meat Science Association, Savoy, IL. Associação Brasileira da Indústria Produtora e Exportadora de Carne Suína (ABIPECS). 2001. Produção Brasileira de Suínos. Disponível em: http://www.abipecs.com.br/histproducao.htm Australian Beef. 2001. VIAscan®: New Instrument Grading Technology. Disponível em: http://www.australian-beef.com/resources/viascan.html Australian Intercollegiate Meat Judging Association, Inc. 2001. Pork Judging. Disponível em: http://www.beef.crc.org.au/Documents/PDF/mj10.pdf
  • BOHUSLAVEK, Z. 2001. Estimation of EUROP- Conformation and Fatness of Beef carcasses by Bioelectrical Impedance Analysis. Disponível em: http://ageninfo.tamu.edu/cigr/Submissions/CIGRFP00_0011/Beef.PDF
  • BRONDUM, J.; EGEBO, M.; AGERSKOV, C.; E BUSK, H. 1998. On-line pork carcass grading with Autofom ultrasound system. J. Anim. Sci. 76:1859-1868. Disponível em: http://www.asas.uiuc.edu/papers/1998/jul/jul1859.pdf
  • CORRÊA, A.N.S. 1996. Gado de Corte: 500 perguntas, 500 respostas. EMBRAPA, Brasília - DF.
  • CORRIGAN, P. 2000. Australian Quarantine & Inspection Service. Proceedings, Meat Industry Research Conference, October 12-14, Las Vegas, Nevada. Disponível em: http://www.meatscience.org/mirc/Corrigan_files/frame.htm
  • Didai Tecnologia. 2000. Tipificação de carcaças. Disponível em: http://www.didai.com.br/tipcar.htm
  • Food and Agriculture Organization (FAO). 2001. FAOSTAT Agriculture Data. Disponível em: http://apps.fao.org/page/collections?subset=agriculture
  • Felício, P.E. 1999. Perspectivas para a tipificação de carcaça bovina. Disponível em: http://www.fea.unicamp.br/
  • GUIDONI, A.L. 2000. Melhoria de processos para a tipificação e valorização de carcaças suínas no Brasil. Disponível em: http://www.cnpsa.embrapa.br/pork/anais00cv_guidoni_pt.pdf
  • HALE, D.S; GOODSON, K; E SAVELL, J.W. 2001. Beef Quality and Yield Grades. Disponível em: http://savell-j.tamu.edu/beefgrading.html
  • HARRIS, J.J.; CROSS, H.R.; E SAVELL, J.W. History of meat grading in the United States. Disponível em: http://meat.tamu.edu/history.html
  • IRGANG, R. 1996. Avaliação e tipificação de carcaças de suínos no Brasil. Em: Anais, Conferência Internacional sobre Ciência e Tecnologia de Produção e Industrialização de Suínos. SUINOTEC II, p.67-85.
  • JONES, S.D.M. 1996. The Canadian pork carcass grading system and the 1992 National carcass cut out. Disponível em: http://mark.asci.ncsu.edu/nsif/96proc/jones.htm
  • National Pork Producers Council (NPPC). 1999. Pork Quality Targets. Disponível em: http://www.nppc.org/facts/targets.html
  • BRASIL, Ministério da Agricultura. Secretaria de Inspeção de Produtos Animal - SIPA - Portaria nº 220 de 22 set. 1981. Aprova os "Sistemas de Classificação de Carcaças Bovinas e Bubalinas". D.O.U., Brasília, 24 set. 1981. ____. Portaria nº 821 de 22 set. 1981. Aprova o "Sistema de Tipificação de Carcaça Suína". D. O. U., Brasília, 24 set. 1981. ____. Portaria nº 307 de 26 dez. 1990. Aprova o "Sistema Nacional de Tipificação de Carcaças Ovinas". D.O.U., Brasília, 27 dez. 1990. ____. Portaria nº 004 de 27 jun. 1988. Aprova as "Normas Gerais de Inspeção de Carnes de Aves". D.O.U., Brasília, 11 jul. 1988. ____. Decreto nº 20.691 de 29 mar. 1952. Aprova o "Novo Regulamento da Inspeção Industrial e Sanitária de Produtos de Origem Animal - Título IX - Inspeção Industrial e Sanitária de Ovos e Derivados". D.O.U., 29 mar. 1952. Brasília, 1980. p. 120-126.
  • MÜLLER, L. Normas para Avaliação de Carcaças e Consumo de Carcaças de Novilhos. UFSM, Santa Maria - RS, 1980. 31p.
  • PARDI, M.C.; SANTOS, I.F. et al. A Epopéia do Zebu - Um Estudo Zootecnico-Econômico. 1996, 126p.
  • SILVA, T.J.P. & SANTOS, W.L.M. TEI-105 - Tecnologia de Carnes e Produtos Derivados. v. 1 e 2. 1994.
  • SILVA, T.J.P. & PARDI, H.S. Classificação e Tipificação de Carnes e Ovos. Faculdade de Veterinária da UFF. 1996. 165 p.
  • Associação Brasileira das Industrias Exportadoras de Carne, disponível em: www.abiec.com.br Brazilian Beef – Naturally good, disponível em: www.brazilianbeef.org.br
  • FIGUEIRO, P.R.P. Algumas Considerações a Respeito da Produção de Carne Ovina. Depto. Zootecnia da U.F.S. Maria-RS, 1976. 18p.
  • FORREST, J.C.; ABERLE, E. Ciência de la Carne y de los Produtos Carnicos.1991.

Turmas Ofertadas

Turma Período Vagas Matriculados Curso / Horários Professores
M1 2018 / 2 50 23 Zootecnia (Bacharelado)
Horários
ManhãTardeNoite
QUA10:00 - 10:50
10:50 - 11:40
11:40 - 12:30
ISABELLA DIAS BARBOSA SILVEIRA
Professor responsável pela turma

Página gerada em 18/12/2018 23:38:03 (consulta levou 0.083213s)