Nome da Atividade
HISTÓRIA PELOTAS:TURISMO LAZER SOCIABILIDADE
CÓDIGO
08980034
Carga Horária
60 horas
Tipo de Atividade
DISCIPLINA
Periodicidade
Semestral
Unidade responsável
CRÉDITOS
4
CARGA HORÁRIA TEÓRICA
2
CARGA HORÁRIA PRÁTICA
2
CARGA HORÁRIA OBRIGATÓRIA
4
FREQUÊNCIA APROVAÇÃO
75%

Ementa

História sócio-econômica, política e cultural de Pelotas. História do turismo em Pelotas. Lazer e sociabilidade em Pelotas. Organizações públicas, privadas e não-governamentais envolvidas com o turismo em Pelotas. Fontes Históricas.

Objetivos

Objetivo Geral:

Compreender a história do turismo e do lazer em Pelotas em diferentes momentos históricos e sua relação com o desenvolvimento da cidade.

 

Objetivos Específicos:

• Reconhecer os principais aspectos da trajetória histórica de Pelotas.
• Identificar os espaços de lazer e sociabilidade utilizados em Pelotas nos diferentes momentos históricos;
• Identificar as principais manifestações do turismo em Pelotas, bem como, as organizações que se dedicaram ao turismo na cidade.
• Identificar as fontes para a pesquisa histórica do turismo em Pelotas.

Conteúdo Programático

UNIDADE 1 – História sócio-econômica, política e cultural de Pelotas.
UNIDADE 2 – Manifestações do turismo em Pelotas em diferentes momentos históricos.
UNIDADE 3 – Espaços de lazer e sociabilidade em Pelotas a partir do século XIX.
UNIDADE 4 – Papel das diferentes organizações no desenvolvimento do turismo em Pelotas: públicas, privadas e não-governamentais.
UNIDADE 5 – Fontes para a pesquisa histórica do turismo e do lazer em Pelotas.

Bibliografia

Bibliografia Básica:

  • ANJOS, Marcos Hallal dos. Estrangeiros e Modernização: a cidade de Pelotas no último quartel do século XIX. Pelotas: Ed. Universitária/UFPel, 2000.
  • ARRIADA, Eduardo. Pelotas – gênese e desenvolvimento urbano. Pelotas: Armazém Literário, 1994.
  • GUTIERRES, Ester J. B. Barro e Sangue: mão-de-obra, arquitetura e urbanismo em Pelotas (1777-1888). 1999, 549 f. Tese (Doutorado em História) – Instituto de Filosofia e Ciência Humanas, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul – PUCRS, Porto Alegre.
  • LOPES NETO, J. Simões. História de Pelotas. (Org. por Mário Osório Magalhães). Pelotas: Editora Armazém Literário, 1994.
  • MAGALHÃES, Mario Osório. Opulência e Cultura na Província de São Pedro do Rio Grande do Sul: um estudo sobre a história de Pelotas (1860-1890). 2.ed. Pelotas: EdUFPel; Co-edição Livraria Mundial, 1993.
  • MÜLLER, Dalila. A Hotelaria em Pelotas e sua Relação com o Desenvolvimento da Região: 1843 a 1928. 2004. 158 f. Dissertação (Mestrado em Turismo) – Universidade de Caxias do Sul – UCS, Caxias do Sul, 2004.
  • MÜLLER, Dalila. “Feliz a População que tantas Diversões e Comodidades Goza”: espaços de sociabilidade em Pelotas (1840-1870). 2010. 338f. Tese (Programa de Pós-Graduação em História) – Universidade do Vale do Rio dos Sinos – UNISINOS, São Leopoldo, 2010.
  • NASCIMENTO, Heloisa Assumpção. Nossa Cidade era Assim. Pelotas: Ed. Mundial, 1989.
  • OSÓRIO, Fernando. A Cidade de Pelotas. 3.ed.rev. Pelotas: Armazém Literário, 1997. v. 1. (Coleção Cidade de Pelotas, 1).
  • OSÓRIO, Fernando. A Cidade de Pelotas. 3.ed.rev. Pelotas: Armazém Literário, 1998. v. 2.

Bibliografia Complementar:

  • AMARAL, Giana Lange do. O Gymnasio Pelotense e a Maçonaria: uma face da história da educação em Pelotas. Pelotas: Seiva Publicações/Ed. Universitária – UFPel, 1999.
  • BARRETO, Alvaro. Dias de Folia. O Carnaval pelotense de 1890 a 1937. Pelotas: Educat, 2003.
  • BETEMPS, Leandro Ramos (Org.); JACCOTTET, Alda Maria de Moraes. Povoadores de Pelotas RS. Freguesia de São Francisco de Paula (1812-1825). Pelotas: Cópias Santa Cruz Ltda, 2009.
  • CAMARGO, Haroldo Leitão. Uma Pré-História do Turismo no Brasil. Recreações Aristocráticas e Lazeres Burgueses (1808-1850). São Paulo: Aleph, 2007. (Série Turismo).
  • CORBIN, Alain. História dos Tempos Livres. O advento do lazer. (Tradução de Telma Costa). Lisboa/Portugal: Teorema, 2001.
  • LE GOFF, Jacques. Documento/Monumento. In: ROMANO, Ruggiero (org.). Enciclopédia Einaudi. (Vol. 1 Memória-História). Porto: Imprensa Nacional/ Casa da Moeda, 1984, p. 95-106.
  • LONER, Beatriz Ana. Classe Operária: Mobilização e Organização em Pelotas: 1888-1937. 1999. 727 f. Tese (Doutorado em Sociologia) – Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal do Rio Grande do Sul – UFRGS, Porto Alegre, 1999. v.1.
  • MAGALHÃES, Mario Osorio. Os Passeios da Cidade Antiga. Guia Histórico das Ruas de Pelotas. 2.ed.rev. Pelotas: Armazém Literário, 2000.
  • NAVARRO, Javier Navarro. Sociabilidad e Historiografía: Trajectorias, Perspectivas y Reto. SAITABI. Revista de laFacultat de Geografia i Història, Universidad de Valência, Valência, n. 56, p. 99-120, 2006.
  • NEEDELL, Jeffrey D..Belle Époque Tropical. Sociedade e cultura de elite no Rio de Janeiro na virada do século. (Tradução de Celso Nogueira) São Paulo: Cia. das Letras, 1993.
  • OGNIBENI, Denise. Charqueadas Pelotenses no Século XIX: cotidiano, estabilidade e movimento. 2005. 274f. Tese (Programa de Pós-Graduação em História) – Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul – PUCRS, Porto Alegre, 2005.
  • PARADEDA, Maria Regina. Arquitetura da Paisagem e Modernidade: um estudo sobre representações e memória das praças de Pelotas (1860-1930). 2003. 349 f. Dissertação (Curso de Pós-Graduação em História do Brasil) – Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul – PUCRS, Porto Alegre, 2003.
  • PAULA, Débora Clasen de. Praça Pedro II: a construção de um espaço de sociabilidade (1861-1889). 2005. 35 f. Monografia (Curso de Licenciatura Plena em História) – Instituto de Ciências Humanas, Universidade Federal de Pelotas – UFPel, Pelotas, 2005.
  • PESAVENTO, Sandra Jatahy. História & História Cultural.2.ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2005. (Coleção História & ... Reflexões, 5).
  • PESAVENTO, Sandra Jatahy. Muito além do espaço: por uma história cultural do urbano. Estudos Históricos, Fundação Getúlio Vargas, Rio de Janeiro, v. 8, n. 16, p. 279-90, 1995.
  • PIRES, Mário Jorge. Raízes do Turismo no Brasil. Hóspedes, Hospedeiros e Viajantes no Século XIX. São Paulo: Manole, 2001.
  • RAMOS, Eloísa Helena Capovilla da Luz. O Teatro da Sociabilidade. Um estudo dos clubes sociais como espaços de representação das elites urbanas alemãs e teuto-brasileiras: São Leopoldo. 1850/1930. 2000. 408 f. Tese (Doutorado em História) – Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal do Rio Grande do Sul – UFRGS, Porto Alegre, 2005.
  • SCHWARCZ. Lilia Moritz. As Barbas do Imperador. D. Pedro II, um monarca nos trópicos. São Paulo: Cia. das Letras, 1998.
  • SENNETT, Richard. O Declínio do Homem Público: as tiranias da intimidade. (Tradução de Lygia Araújo Watanabe). São Paulo: Companhia das Letras, 1998.
  • SIMMEL, Georg. Sociabilidade – um exemplo de sociologia pura ou formal. In: MORAES FILHO, Evaristo de (Org.). Georg Simmel. (Tradução de Dinah de Abreu Azevedo). São Paulo: Ática, 1983. (Coleção Grandes Cientistas Sociais, nº 34).
  • VIEIRA, Sidney Gonçalves; PEREIRA, Óthon Ferreira; TONI, Jakson Silvano de. A Evolução Urbana de Pelotas: um estudo metodológico. História em Revista, Publicação do Núcleo de Documentação Histórica da UFPel, Pelotas, n. 1, p. 21-34, setembro de 1994.

Disciplinas Equivalentes

Disciplina Curso
HISTÓRIA DE PELOTAS Turismo (Bacharelado - Noturno)

Página gerada em 22/01/2021 01:03:28 (consulta levou 0.170514s)