Nome da Disciplina
Empresa Empresarização e Sociedade
CÓDIGO
06560117
Carga Horária
68 horas
Atividade Complementar
Não
Periodicidade
Semestral
Modalidade
PRESENCIAL
Unidade responsável
CARGA HORÁRIA TEÓRICA
4
CRÉDITOS
4
FREQUÊNCIA APROVAÇÃO
75%

Ementa

A centralidade da ideia de empresa. A desnaturalização da ideia empresa. Visões de mundo que sustentam a ideia de empresa. Relações sociais fundadoras da empresa. Processo de empresarização (características, reflexos e críticas).

Objetivos

Objetivo Geral:

• Refletir sobre a naturalização e a centralidade da ideia de empresa nas sociedades modernas;
• Analisar as visões de mundo e as relações sociais tipicamente modernas que fundamentam a ideia de empresa;
• Discutir as implicações do processo de empresarização, isto é, da generalização da forma empresa em nosso mundo.

Conteúdo Programático

UNIDADE I – Empresa e Modernidade

1.1 A centralidade da ideia de empresa nas sociedades modernas;
1.2 Caracterização da ideia de empresa;

UNIDADE II – Visões de mundo e relações sociais que fundamentam a ideia de empresa

2.1 Individualismo e a invenção da realidade econômica
2.2 Mercado, relações concorrenciais e relações impessoais
2.3 O mito fundador da escassez e as relações de consumo
2.4 Racionalidade, burocracia e relações de dominação
2.5 Propriedade privada, assalariamento e divisão do trabalho
2.6 Inovação, desenvolvimento e a ideologia do progresso

UNIDADE III – Implicações do processo de empresarização do mundo

3.1 Empresarização do mundo e o impulso neoliberal;
3.2 Empresa e Estado;
3.3 Empresarização do Espaço;
3.4 Empresarização da Educação;
3.5 Empresarização da Saúde;
3.6 Empresarização e consequências individuais.

Bibliografia

Bibliografia Básica:

  • ABRAHAM, Yves-Marie. L’entreprise est-elle nécessaire? In: DUPUIS, Jean-Pierre (org.). Sociologie de l’entreprise. Montréal: Gaëtan Morin Editeur, 2006, p. 323-374. BAUDRILLARD, J. Sociedade de consumo. São Paulo: Elfos, 1995. Bourdieu, Pierre. Argelia 60 – estructuras econômicas y estructuras temporales. Madri: Siglo XXI Editores, 2006. CONSIDINE, Mark. Enterprising States: The Public Management of Welfare-to-Work. Cambridge: Cambridge University Press, 2001. DARDOT, Pierre; LAVAL, Christian. The new way of the world: On neoliberal society. London: Verso Books. 2014. DELEUZE, G. Conversações. Rio de Janeiro: Editora 34, 1992. DUMONT, L. Homo Aequalis – gênese e plenitude da ideologia econômica. Bauru: EDUSC, 2000. DURKHEIM, E. Da divisão do trabalho social. 2º ed. São Paulo: Martins Fontes, 1999. ___________. As regras do método sociológico. São Paulo. Martin Claret, 2005. ENGELS, F. A Origem da Família, da Propriedade Privada e do Estado. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1984. ETZIONI, A. Organizações Modernas. São Paulo: Pioneira, 1968. FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir. Petrópolis: Vozes, 2004. ______. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Edições Graal, 2008a. ______. Nascimento da biopolítica: curso dado no Collège de France (1978-1979). São Paulo: Martins Fontes, 2008b HARVEY, David. Condição pós-moderna: uma pesquisa sobre as origens da mudança cultural. 16.ed. São Paulo: Loyola, 2007. HELLER, Agnes. Una revisión de la teoria de las necessidades. Barcelona: Ediciones Paidós, 1998.
  • KALBERG, Stephen. Max Weber’s types of rationality: cornerstones for the analysis of racionalization process in history. American Journal of Sociology, v.85, n.5, 1980. LOCKE, John. Segundo Tratado sobre o Governo Civil. São Paulo: Editora Martin Claret, 2003. MARX, Karl. O Capital. São Paulo: Nova Cultural, 1996. _______.; ENGELS, Friedrich. Manifesto do Partido Comunista. São Paulo: Editora Martin Claret, 2003. MAUSS, Marcel. Ensaio sobre a dádiva. Forma e razão da troca nas sociedades arcaicas. In: Sociologia e Antropologia. v.2. São Paulo: Edusp, 1974. NEVES, Maria Wanderley. Rumos Históricos da Organização Privatista. In: O empresariamento da educação: novos contornos do ensino superior no Brasil dos anos 1990. São Paulo: Xamã, 2002. POLANYI, Karl. A grande transformação. Rio de Janeiro: Campinas, 2000. PROUDHON, Pierre. O que é a propriedade?. Lisboa: Estampa. 1975. REINERT, Hugo; REINERT, Eric. Creative Destruction in Economics: Nietzsche, Sombart, Schumpeter. In: Friedrich Nietzsche (1844-1900) – economy and society. Volume 3, The European Heritage in Economics and the Social Sciences. New York: Springer, pp 55-85. SAHLINS, Marshal. A primeira sociedade da afluência. In: CARVALHO, E. A. Antropologia Econômica. São Paulo: Humanas, 1978. SCHUMPETER, Joseph. A. Capitalismo, socialismo e democracia. Rio de Janeiro: Editora Fundo de Cultura, 1961. ______. A Teoria do Desenvolvimento Econômico: uma investigação sobre lucros, capital, crédito, juro e o ciclo econômico São Paulo: Nova Cultural, 1988. SIMMEL, Georg. O dinheiro na cultura moderna. In: SOUZA, J. E OËLZE, B. (Orgs) Simmel e a Modernidade. Brasília: Editora UNB, 1998. ______. The philosophy of money. London/New York: Routledge, 1990. SMITH, Adam. A Riqueza das Nações. São Paulo: Nova Cultural, 1996.
  • SOLÉ, Andreu. Créateurs de mondes – nos possibles, nos impossibles. Paris: Éditions du Rocher, 2000. ______. ¿Qué es una empresa? Construcción de un idealtipo transdisciplinario. Working Paper. Paris, 2004. ______. L’enterprisation du monde. In CHAIZE, J.; TORRES, F. Repenser l'entreprise: Saisir ce qui commence, vingt regards sur une idée neuve. Paris: Le Cherche Midi, 2008. TRAGTENBERG, Maurício. Burocracia e Ideologia. São Paulo: Ática, 1974. VAINER, C. Pátria, empresa e mercadoria - Notas sobre a estratégia discursiva do Planejamento Estratégico Urbano. Mundo Urbano - Publicación digital especializada en investigación urbana, v. 14, 2001. WACQUANT, Loic. Punir os pobres: a nova gestão da miséria nos Estados Unidos. Rio de Janeiro: Revan, 2009. WEBER, Max. Os fundamentos da organização burocrática: uma contribuição do tipo ideal. In: CAMPOS, Edmundo (Org., introd. e trad.). Sociologia da burocracia. Rio de Janeiro: Zahar, 1978. ______. Economia e Sociedade. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 2004a. ______. A Ética protestante e o espírito do capitalismo: texto integral. São Paulo: Martin Claret, 2004b. ZELIZER, Viviana. The social meaning of money: “special monies”. American journal of sociology, vol. 95, n. 2, set. 1989. ______. A negociação da intimidade. Rio de Janeiro: Vozes, 2011. CLEGG, S., HARDY, C. & NORD, W. Handbook de Estudos Organizacionais – volumes 1, 2 e 3. São Paulo: Atlas, 2001. HALL, R. Organizações: estrutura e processos. Rio de Janeiro: Prentice-Hall do Brasil, 2004. MOTTA, F. C. P. Cultura Organizacional e Cultura Brasileira. São Paulo: Atl

Bibliografia Complementar:

  • DAFT, R. Organizações: teoria e projetos. São Paulo: Pioneira,. 2002. GUERREIRO RAMOS, A. Administração e Contexto Brasileiro. Rio de Janeiro/RJ: FGV, 1983. MINTZBERG, H. Criando Organizações Eficazes. São Paulo, Atlas, 2003.

Turmas Ofertadas

Turma Período Vagas Matriculados Curso / Horários Professores
T1 2019 / 2 25 4
Desenvolvimento Territorial e Sistemas Agroindustriais (Mestrado acadêmico)
Sociologia (Mestrado acadêmico)
Sociologia (Doutorado)
Horários
ManhãTardeNoite
QUI19:00 - 19:50
19:50 - 20:40
20:40 - 21:30
21:30 - 22:20
MARCIO SILVA RODRIGUES
Professor responsável pela turma

Página gerada em 17/10/2019 08:13:17 (consulta levou 0.106868s)