Nome do Projeto
Elaboração de Apostilas das Disciplinas de Harmonia I a IV
Ênfase
ENSINO
Data inicial - Data final
15/02/2014 - 31/12/2018
Unidade de Origem
Área CNPq
Linguística, Letras e Artes - Artes - Música
Resumo
Este projeto já vem sendo realizado e sucessivamente prorrogado desde março de 2011, quando as disciplinas de Harmonia I a IV eram obrigatórias. Devido à reformulação do Projeto Político Pedagógico do Curso de Música - Bacharelado, hoje somente de I a III são obrigatórias, tendo a Harmonia IV passado a ser optativa. Ainda assim, pretende-se continuar com o plano inicial de elaboração de quatro apostilas, desde que continuem havendo colaboradores para viabilizar isso. De acordo com orientação da PRG não está sendo encaminhada nova solicitação de prorrogação, mas sim este novo cadastro para adequação ao sistema Cobalto, como se o projeto estivesse começando agora.

Objetivo Geral

Permitir uma maior autonomia por parte do aluno no tocante ao estudo teórico, já o material escrito poderá ser lido em casa, reduzindo assim a necessidade de esclarecimentos teóricos por parte do professor; desta forma, as atividades em sala de aula podem incluir em maior proporção a orientação de exercícios práticos de execução vocal e instrumental, de escrita harmônica, de percepção de acordes e encadeamentos harmônicos, da audição analítica de gravações, etc.

Justificativa

A revisão recentemente promovida no Projeto Político-Pedagógico do Curso de Música-Bacharelado incluiu a revisão das caracterizações das disciplinas de Harmonia I a IV. Foram incluídos alguns conteúdos até então não abordados, especialmente no âmbito do vocabulário harmônico da música popular, e também metodologias de ensino-aprendizagem adequadas a essas novas propostas. Também foram reordenados os conteúdos a serem ministrados, visando a otimização do processo de ensino-aprendizagem.

Nesta intenção de reorganização e de ampliação das manifestações harmônicas a serem estudadas, surgiu a necessidade de elaboração de um material didático ao mesmo tempo conciso, prático e abrangente. Geralmente os tratados e demais textos sobre harmonia enfocam apenas uma faceta do estudo, seja esta a harmonia tradicional, a funcional, ou a harmonia voltada a estudos de arranjo e improvisação de música popular (estes últimos vêm sendo apenas recentemente - e lentamente - incorporados no meio acadêmico musical). Raramente encontra-se um texto que reúna várias abordagens tão diferentes, ainda que um músico devidamente instruído e suficientemente versátil – como atualmente entende-se que deva ser o perfil do egresso do bacharelado em música – geralmente traga consigo vários desses conhecimentos, tanto por haver consultado diversas fontes como também por sua experiência prática.

O enorme volume de traduções de livros técnicos sobre música para a língua inglesa contrasta com a enorme falta de esforço nesse sentido em nosso país. Também é fácil constatar que são poucos os alunos de graduação do bacharelado em música da UFPel que lêem fluentemente em algum idioma diferente do português e do espanhol. No caso específico de livros sobre harmonia, apenas muito recentemente, em 2001, é que o Brasil teve acesso ao tratado de Schoenbrg (Harmonielehre) em tradução para a língua portuguesa (Harmonia), livro este escrito em 1911 – ou seja, uma espera de 90 anos! Os livros de harmonia traduzidos para o português geralmente tratam somente da harmonia tradicional – e, com raras exceções, costumam funcionar apenas como guias práticos, com pouca profundidade, valendo o mesmo para várias publicações de autores nacionais sobre o assunto. Já as publicações brasileiras voltadas à harmonia de música popular, por estarem centradas normalmente no vocabulário de jazz e MPB, não abordam as manifestações harmônicas do rock e da música pop em geral, das diversas músicas folclóricas do mundo, entre outras – e ainda assim, conforme mencionado acima, ainda são poucos os cursos acadêmicos de música de nosso país que adotam tais referências.

Metodologia

• Encontros semanais entre os colaboradores e o professor coordenador do projeto, além de comunicação por meios eletrônicos;

• O texto de cada apostila seguirá a estrutura de um sumário, ambos elaborados pelo professor coordenador do projeto, o qual definirá também o conteúdo das figuras ilustrativas;

• Os colaboradores editarão digitalmente os exemplos gráficos e em partituras, opinarão quanto ao conteúdo do texto e auxiliarão na revisão geral das apostilas;

• Todos os textos e exemplos musicais passarão pela revisão constante do professor coordenador do projeto, assim como haverá ao final do processo uma revisão geral de todos os volumes.

Resultados Esperados

• Que os alunos do bacharelado em música passem a ter um material escrito conciso e claro, em língua portuguesa, sobre os assuntos a serem estudados ao longo do curso;

• Que as apostilas despertem nos alunos o espírito crítico e reflexivo;

• Que o material elaborado permita que as aulas de harmonia passem a ter um caráter bem mais prático.

Indicadores, Metas e Resultados

Estima-se que haverão futuras prorrogações a serem solicitadas para os próximos anos letivos, uma vez que a experiência de 2011 para cá mostra que as atividades do projeto demandam muito tempo de dedicação para que se mantenha um alto nível de qualidade acadêmica.

Equipe do Projeto

NomeCH SemanalData inicialData final
FABRICIO SOLANO GONÇALVES2002/05/201616/12/2016
GABRIEL FARO DEZORDI722/04/201822/12/2018
GUILHERME CAMPELO TAVARES415/02/201431/12/2018

Página gerada em 23/02/2024 06:54:00 (consulta levou 0.082858s)