Nome do Projeto
RESPOSTAS METABÓLICAS E MOLECULARES DE PLANTAS DE SOJA SUBMETIDAS AO ALAGAMENTO: AVALIAÇÃO DE MECANISMOS DE TOLERÂNCIA AO ESTRESSE HIPÓXICO ENTRE GENÓTIPOS
Ênfase
PESQUISA
Data inicial - Data final
15/07/2019 - 31/12/2021
Unidade de Origem
Coordenador Atual
Área CNPq
Ciências Agrárias - Agronomia - Fisiologia de Plantas Cultivadas
Resumo
No Rio Grande do Sul, cerca de 5,9 milhões de hectares são classificados como de terras baixas que poderiam ser incorporados ao processo produtivo. Do total, aproximadamente 5 milhões de hectares se encontram na forma de solos hidromórficos, constituindo 84 % do total de terras baixas, sendo que cerca de 900 mil hectares são ocupados com o binômio arroz irrigado-pecuária de corte. Desta maneira, as áreas de várzea do Rio Grande do Sul constituem um recurso produtivo do setor primário da economia que pode ser melhor explorado. A inundação do solo que ocorre nestas áreas acarreta em diversas alterações na capacidade do solo em suportar o crescimento das plantas, dentre elas a diminuição ou o desaparecimento de O2, o acúmulo de CO2 e formação de compostos tóxicos. Apesar da ocorrência de distúrbios metabólicos e fisiológicos decorrentes de tais ambientes, algumas espécies são capazes de crescer ou sobreviver por períodos limitados, sob essas condições. A cultura da soja [Glycine max (L.) Merrill], devido à importância sócio-econômica que assume na economia nacional, torna-se uma alternativa importante de cultivo para as áreas de terras baixas, uma vez que apresenta variabilidade genética para tolerância à deficiência de oxigênio no solo. A ocupação de áreas de várzea com o complexo da soja possibilitaria incremento em produção e melhor aproveitamento destas áreas, fortalecendo a agricultura gaúcha. Para tanto, a busca de genótipos ou cultivares de plantas que sejam tolerantes ao excesso de água no solo tem apresentado importância crescente, pois o alagamento e o encharcamento do solo são episódios recorrentes nessas áreas, especialmente no cenário atual de mudanças climáticas. O entendimento dos mecanismos bioquímicos e moleculares responsáveis pela tolerância da soja ao estresse por alagamento pode gerar informações ou mesmo ferramentas bioquímicas que permitam diferenciar genótipos, otimizando a seleção de materiais à condição de alagamento, o que poderá refletir positivamente em relação ao período para seleção e validação de resultados a serem alcançados nos programas de melhoramento genético e seleção assistida. Isto poderá permitir avanços significativos na geração de variedades tolerantes ao estresse por alagamento, com impactos positivos sob o ponto de vista econômico, social e ambiental nas áreas agrícolas de solos de várzea da região sul do Rio Grande do Sul.

Objetivo Geral

Estudar os mecanismos metabólicos de aclimatação de plantas de soja [Glycine max (L.) Merril] ao estresse hipóxico utilizando-se de genótipos com diferentes sensibilidades ao alagamento e capacidade de recuperação.

Equipe do Projeto

NomeCH SemanalData inicialData final
DARWIN ALEXIS POMAGUALLI AGUALONGO2015/07/201931/12/2021
DENISE DOS SANTOS COLARES DE OLIVEIRA115/07/201931/12/2021
DIEGO GONCALVES RIBEIRO LUCAS415/07/201931/12/2021
DOUGLAS ANTÔNIO POSSO2015/07/201931/12/2021
GEOVANA RAFAELI KLUG2001/08/202031/07/2021

Fontes Financiadoras

Sigla / NomeValorAdministrador
CAPESR$ 105.600,00
EMBRAPAR$ 32.000,00
CAPES/PROAPR$ 5.000,00

Página gerada em 25/06/2022 16:36:19 (consulta levou 0.045753s)