Nome do Projeto
AVALIAÇÃO DO EFEITO SINÉRGICO DO ATP E LPS SOBRE A PROLIFERAÇÃO DE GLIOMAS
Ênfase
PESQUISA
Data inicial - Data final
01/03/2012 - 02/03/2014
Unidade de Origem
Área CNPq
Ciências Biológicas - Farmacologia - Farmacologia Bioquimica e Molecular
Resumo
Gliomas são a forma mais comum e devastadora de tumores cerebrais (Dai e Holland, 2001). O prognóstico para pacientes com esse tipo de tumor é péssimo e, apesar de intensos esforços em desenvolver novas terapias, agentes efetivos ainda não estão disponíveis (Konopka e Bonni, 2003). Uma das características mais marcantes dos gliomas é o seu elevado grau de proliferação e invasão, onde a presença de um microambiente inflamatório pode estar correlacionada com a progressão dos mesmos (Demuth et al, 2004). Os mecanismos que correlacionam imunidade inata, inflamação e câncer ainda são pouco claros, porém estudos apontam que a produção de citocinas pelas células imunes ativadas e a ativação de toll-like receptors (TLR) presentes nas células tumorais podem mediar a comunicação entre os diferentes sistemas. De fato, a expressão de TLRs tem sido relacionada com o aumento da malignidade e da resistência a quimio/radioterapia em diversos tumores (Chen et al, 2008). Entre os diferentes subtipos de TLRs, estudos sugerem que TLR-4, o qual é ativado por LPS, desempenha função importante no avanço dos gliomas (Hoelzinger et al, 2007). Diferentes vias de sinalização, incluindo o sistema purinérgico, orquestram o funcionamento do sistema imune (Zhang et al, 2008). Os nucleotídeos extracelulares atuam como sinalizadores endógenos de injúrias exercendo efeitos sobre a resposta inflamatória (Zhang et al, 2008). O ATP liberado do espaço intracelular em resposta a um dano, rapidamente alerta o sistema imune para a injúria celular (Bours et al, 2006). O ATP está envolvido em diversas funções do sistema imune como produção de citocinas e recrutamento de células imunes para os sítios de injúria (Langston et al., 2003; Ventura et al, 1991;1995). A adenosina também é considerada uma molécula sinalizadora de dano celular, porém com ações contrárias as do ATP, mediando uma resposta imunossupressora, importante para proteger os tumores do ataque imune (Bours et al, 2006; Sitkovsky e Ohta, 2005). Além disso, o ATP e a adenosina modulam positivamente o crescimento tumoral, estando envolvidos em processos de morte, proliferação celular e angiogênese. Os efeitos biológicos dos nucleosídeos e nucleotídeos são exercidos através da sensibilização de purinoreceptores (Burnstock, 1976, 1978). As concentrações dos nucleotídeos no compartimento extracelular são controladas por ectoenzimas que catalisam a sua interconversão. As ectonucleotidases, através de reações sucessivas, constituem uma cascata enzimática altamente eficiente, hábil em controlar a concentração e o tempo em que essas moléculas sinalizadoras permanecem no espaço extracelular (Zimmermann, 2001).

Objetivo Geral

Assim, considerando que a expressão de TLRs está correlacionada com resistência a quimioterapia e que o ATP é um importante mediador da resposta inflamatória e que está envolvido com eventos de proliferação celular, nós hipotetizamos que a morte das células normais circundantes ao tumor e o consequente extravasamento de ATP poderia potencializar os eventos prótumorais mediados pelos TLRs. Dessa forma, o objetivo desse estudo é avaliar o efeito sinérgico do ATP e do LPS, um agonista de TLR4, sobre a proliferação dos gliomas em cultura, comparando com as células análogas normais, os astrócitos.

Equipe do Projeto

NomeCH SemanalData inicialData final
03
03
03
03
03
05
05
05
10
CARLUS AUGUSTU TAVARES DO COUTO1201/08/201231/07/2013

Fontes Financiadoras

Sigla / NomeValorAdministrador
CAPESR$ 0,00

Página gerada em 15/12/2018 10:05:55 (consulta levou 0.089127s)