Nome do Projeto
SEMENTES NATIVAS DO RIO GRANDE DO SUL
Ênfase
PESQUISA
Data inicial - Data final
02/04/2012 - 03/04/2014
Unidade de Origem
Área CNPq
Ciências Biológicas - Bioquímica
Resumo
O Rio Grande do Sul é um dos estados brasileiros onde a taxonomia vegetal apresenta maior avanço e, em função disto, surgem grandes dúvidas do ponto de vista fenotípico na identificação de espécies. Por outro lado, este estado apresenta uma grande e biodiversidade de espécies vegetais, que devem ser estudadas não só para se aumentar o conhecimento do nosso patrimônio genético, mas também como uma forma de se aprender a manipular nossas espécies com o intuito de preservação e de avaliação da potencialidade destas espécies como fonte de moléculas biologicamente ativas. Entre os diversos tipos de moléculas biologicamente ativas que o Reino vegetal apresenta as proteínas, particularmente aquelas que interagem reversivelmente com carboidratos (chamadas genericamente de lectinas), tem se constituído num foco constante e crescente de pesquisadores do mundo inteiro, principalmente pela grande variabilidade de aplicações biológicas destas moléculas. Indústrias internacionais de agrotóxicos e farmacológicas estão com uma preocupação constante de patenteamento do uso de certas lectinas nas mais diversas áreas. Como exemplo tem-se a Pierce que patenteou o uso da lectina de Artocarpus integrifolia, como potente arma em imunologia por diferenciar IgA1 de IgA2 , a Ciba Geyger patenteou internacionalmente a lectina de bulbos de Galanthus nivalis, para uso inseticida contra o gorgulho (Callosobruchus maculatus). Em função do exposto, o presente projeto apresenta não só a importância de estabelecer novos parâmetros taxonômicos, mas também a peculiaridade de se tentar encontrar novas fontes de lectinas, principalmente entre espécies nativas e introduzidas na região sul do Rio Grande Sul.

Objetivo Geral

Coletas periódicas de sementes e respectivas esxicatas (para identificação botânica) de espécies nativas e introduzidas na região sul do Rio Grande do Sul bem como manufatura de farinhas das sementes coletadas para posterior extração de proteínas. Realização sistemática de avaliação da capacidade de hemaglutinação dos extratos proteicos e ensaio de inibição da atividade hemaglutinante com açúcares simples e glicoproteínas a fim de se determinar a especificidade da(s) lectina(s) presente(s). Isolamento, purificação e caracterização química, físico-química, imunoquímica de novas lectinas assim como confecção de perfis elétroforéticos das farinhas das espécies estudadas para estabelecimento de possíveis correlações quimiotaxonômicas. Com os dados obtidos estabelecer possíveis correlações quimiotaxonômicas e confecção de dendogramas para estabelecimento das correlações filogenéticas.

Equipe do Projeto

NomeCH SemanalData inicialData final
12
12

Página gerada em 11/12/2018 13:56:45 (consulta levou 0.072710s)