Nome do Projeto
Estudo da qualidade e sanidade do leite e glândula mamária de éguas da raça Crioula
Ênfase
PESQUISA
Data inicial - Data final
05/06/2012 - 06/06/2015
Unidade de Origem
Área CNPq
Ciências Agrárias - Medicina Veterinária - Reprodução Animal
Resumo
A fase de lactação é umas das mais importantes na vida dos mamíferos. Em equinos dura em média 180 dias, mas pode variar em função do manejo da propriedade. Nesta fase, a taxa de crescimento é rápida, as exigências nutricionais são maiores, e o leite é a principal fonte de alimento do potro. Para assegurar o crescimento e desenvolvimento de um potro saudável, é necessário que a égua produza quantidade suficiente de leite e que este tenha boa qualidade. Além disso, países principalmente da Europa, utilizam o leite equino como terapia de diversas doenças metabólicas e alérgicas bem como para nutrição humana, devido a grande semelhança com o leite humano. Em relação à mastite em éguas, sabe-se que é uma afecção incomum na espécie provavelmente devido a localização anatômica do úbere e a frequência de mamadas do potro. É importante salientar que as informações existentes sobre a mastite equina se ateiam basicamente a fase aguda da enfermidade, sendo necessária a realização de exames para diagnóstico da fase subclínica. Portanto, é essencial ter conhecimento sobre a produção e composição do leite equino para que se estabeleçam exigências nutricionais das éguas e potros durante o período de lactação, e também há a necessidade de estabelecer um padrão de qualidade e controle de sanidade já que é um produto que pode ser utilizado para consumo humano. Para realizar este estudo serão utilizadas 12 éguas da raça crioula, localizadas na cidade de Cruz Alta, RS (região noroeste do RS), durante o período de duas temporadas reprodutivas. Na primeira temporada serão coletadas amostras de leite de cada égua quinzenalmente durante 6 meses, ou seja, o período de lactação (180 dias). Serão coletadas 12 amostras de cada égua, totalizando 144 amostras. Já na segunda temporada, o leite será coletado mensalmente durante o mesmo período da temporada anterior, sendo que serão 6 amostras de cada égua e 72 amostras totais. Os potros serão apartados das éguas cerca de 2 horas antes das coletas. Os tetos das éguas serão higienizados com álcool 70% e papel toalha. A ordenha de cada teto vai ser completa, pois a gordura é o componente que mais sofre mudanças, sendo 10 a 20 vezes maior no final do que no início da ordenha. Após a homogeneização as amostras serão transferidas para um frasco de plástico com capacidade para 45ml contendo 8mg de bronopol como conservante para a análise de CTB e semeadura em placa, bem como em outro frasco de mesmo porte esterilizado contendo 0,1ml de azidiol para 30ml de leite para análise da composição do leite (gordura, proteína, lactose e caseína), CCS e análise características físico-químicas (crioscopia, pH e uréia). Na segunda temporada, logo após cada coleta de leite, serão realizadas medidas do tórax, canela, altura e peso dos potros. Desta forma, será acompanhado o crescimento dos mesmos verificando se existe relação com a qualidade do leite das éguas. A medida da canela será feita em centímetros através da circunferência da região diafisária do metacarpo do membro torácico direito. A largura do tórax será medida em centímetros através do comprimento entre as articulações escápulo-umerais. Para ambas as medidas será utilizada fita métrica comum. A altura também será medida em centímetros, mas com utilização de fita métrica específica para equinos, sendo desde o chão até a cernelha. Para medir o peso será utilizada fita métrica adaptada para estimar o peso de equinos a partir da circunferência do tórax na região da cernelha e logo atrás das axilas. Cada potro será medido mensalmente, totalizado 6 medições. Após os dados serão analisados e comparados com os dados da qualidade do leite das mães. Na análise será feita distribuição de frequência dos microrganismos e estatística descritiva dos componentes do leite, assim como CCS e CTB. Para comparação entre a qualidade do leite e o crescimento do potro vai ser realizada correlação, analise de variância e qui-quadrado.

Objetivo Geral

5.1. Geral
Analisar a qualidade e a sanidade do leite e da glândula mamária de éguas da raça crioula.

5.2. Específicos
5.2.1. Analisar a contagem de células somáticas do leite de éguas crioulas.
5.2.2. Analisar a contagem bacteriana total do leite de éguas crioulas.
5.2.3. Verificar a presença de microrganismos patogênicos do leite.
5.2.4. Analisar os componentes presentes no leite de éguas crioulas.
5.2.5. Analisar características físico-químicas do leite de éguas crioulas.
5.2.6. Verificar a presença de mastite em éguas da raça Crioula.
5.2.7. Comparar a qualidade do leite de éguas crioulas com o crescimento do seu produto.

Equipe do Projeto

NomeCH SemanalData inicialData final
4
4
4

Fontes Financiadoras

Sigla / NomeValorAdministrador
Recursos própriosR$ 0,00

Página gerada em 10/12/2018 20:30:18 (consulta levou 0.074810s)