Nome do Projeto
REPRESENTAÇÕES ICONOGRÁFICAS DE INSTRUMENTOS MUSICAIS NA PINTURA DOS VASOS ÁPULOS: RELAÇÕES INTERCULTURAIS GRECO-INDÍGENAS NA MAGNA GRÉCIA (SÉCULO V E IV A.C.)
Ênfase
PESQUISA
Data inicial - Data final
02/01/2013 - 03/01/2016
Unidade de Origem
Coordenador Atual
Área CNPq
Ciências Humanas - História - História Antiga e Medieval
Resumo
O projeto trata dos significados da música na cultura e vida diária da Magna Grécia nos séculos quinto e quarto antes de Cristo, particularmente na região da Apúlia, formada por três distintas áreas geográficas e culturais (Messápia, Peucécia e Dáunia), que interagiam com a cidade colonial grega de Tarento. As fontes utilizadas são os vasos ápulos de figuras vermelhas, com representações de instrumentos musicais. Desenvolve-se uma análise sistemática deste repertório de imagens através da elaboração de um catálogo, que nos permite interpretar este material de modo a produzir um ponto de vista das relações interculturais entre gregos e populações indígenas do Sul da Itália. Nosso estudo é influenciado pelo debate pós-colonial sobre relações culturais entre colonizadores e colonizados, deslocando-se do conceito de helenização, sob a inspiração dos paradigmas da transculturação e, mais recentemente, da hibridização. Os instrumentos musicais são analisados como indicadores étnicos dos processos de negociações culturais de identidades e memórias entre as populações nativas, com a sua própria herança cultural, e os modelos da Grécia metropolitana, trazidos pelos colonizadores, assim como pelos contatos comerciais diretos com os gregos, principalmente os atenienses.

Objetivo Geral

Gerais
• Estudo da iconografia da cerâmica ápula do período clássico médio e final e do período helenístico inicial (430-270 a.C.)
• Estudo da música e instrumentos musicais na vida social e cultural da Magna Grécia, considerando o contexto das cidades gregas e povos nativos.
• Debate teórico sobre fronteiras e identidades culturais, considerando a relação entre cultura material e identidades étnicas.
• Relações interculturais no contexto colonial entre povos gregos e não gregos. A representação iconográfica dos instrumentos musicais, seja quanto ao seu aspecto morfológico, seja quanto ao seu contexto – realista ou idealizado – de performance, funciona como um importante marcador étnico, sendo um importante instrumento para estudo dos fenômenos da interculturalidade e hibridização, no âmbito das relações ditas coloniais entre gregos metropolitanos, gregos coloniais (o correspondente aos nossos criollos latino-americanos) e nativos.

Específicos
• Elaboração de catálogo sistemático de representações iconográficas de instrumentos musicais na cerâmica ápula.
• Identificação de regularidades e desvios de padrões na representação de instrumentos musicais, considerando elementos diferentes de análise (gênero, atores sociais, personagens mitológicos, ação, cenas de vida diária e contextos imaginários).
• Identificação de continuidades e rupturas na abordagem iconográfica dos instrumentos musicais e temas correlatos, com seus contextos míticos e cotidianos, considerando o horizonte dos modelos da Grécia metropolitana, a herança da cultura local, e as expressões novas resultantes das relações interculturais entre populações gregas e não gregas.
• Interpretação dos significados culturais e sociais dos usos e representação dos instrumentos musicais, de modo a se compreender os fenômenos da transculturação e hibridização na sociedade ápula do período tardo-clássico e helenístico inicial.
Complementares
• Participação em escavação em sítio arqueológico ápulo, de modo a manter contato direto com o contexto material e paisagem.
• Visitas técnicas a museus e sítios arqueológicos ápulos, para estudar o material iconográfico e contexto territorial dos achados.
• Observação da recepção moderna do passado da Magna Grécia na Itália meridional, considerando como o legado cultural é apropriado pela memória social e usado no patrimônio cultural, sob forma cultural, educativa, turística, econômica e política.
• Observação da presença e uso dos vestígios da antiga Magna Grécia (sítios arqueológicos e cultura material) nos museus ápulos modernos (em suas exposições permanentes e temporárias, e em suas reservas técnicas) e no turismo cultural, refletindo sobre a apropriação deste passado pela memória social contemporânea e pelo patrimônio cultural.

Equipe do Projeto

NomeCH SemanalData inicialData final
3
5
ANDRÉIA DA ROCHA LOPES1201/08/201531/07/2016
ANDRÉIA DA ROCHA LOPES1201/08/201431/07/2015
ANDRÉIA DA ROCHA LOPES1201/08/201331/07/2014
Dayanne Dockhorn Seger1201/08/201431/07/2015
FERNANDA GABRIELE BARCELLOS DE MARTINS1201/08/201431/07/2015
FERNANDA GABRIELE BARCELLOS DE MARTINS1201/08/201331/07/2014
LUÍSE DE OLIVEIRA RODRIGUES1201/08/201529/02/2016

Página gerada em 22/11/2019 18:33:37 (consulta levou 0.081174s)