Nome do Projeto
O RITMO LINGUÍSTICO EM DADOS DE ESCRITA DO PB E DO PE: A RELAÇÃO ENTRE GRUPOS RÍTMICOS E DOMÍNIOS PROSÓDICOS
Ênfase
PESQUISA
Data inicial - Data final
01/06/2013 - 01/06/2017
Unidade de Origem
Coordenador Atual
Área CNPq
Linguística, Letras e Artes - Linguística - Psicolinguística
Resumo
Para a fonologia, estudos sobre ritmo são ainda relativamente polêmicos, sobretudo, os que dizem respeito à classificação rítmica de algumas línguas. Abaurre e Galves (1998) desenvolveram um estudo, com dados de fala, sobre as diferenças rítmicas entre o PB e o PE e propuseram que o ritmo da língua decorra do resultado da hierarquização de três restrições: “integridade da palavra fonológica”, “pé trocaico”, “binariedade do pé”. Neste trabalho, partimos do pressuposto de que os dados de escrita podem fornecer pistas sobre a organização da língua, uma vez que se pode estabelecer relação entre o que se fala e o que se escreve, sem desconsiderar que a aquisição da fala e da escrita sejam processos distintos. Estudos como os de Abaurre (1991), Chacon (2004), Cunha (2004) e Miranda (2007), dentre outros, trazem importantes análises sobre as relações estabelecidas entre a escrita inicial e aspectos do conhecimento linguístico infantil. O objetivo principal desta pesquisa é descrever e analisar de que forma as segmentações não convencionais da escrita inicial, no Português Brasileiro e no Português Europeu, motivadas pela formação de grupos rítmicos, se relacionam com os domínios prosódicos mais altos que a palavra fonológica, bem como fornecer argumentos capazes de colaborar para com a discussão sobre o ritmo linguístico do PB e do PE. Esse tema se justifica devido à escassez de pesquisas, tanto no Brasil quanto em Portugal, que abordem a relação entre essas duas variedades do português de acordo com a perspectiva teórica aqui apresentada.

Objetivo Geral

Objetivo Geral: Descrever e analisar de que forma as segmentações não convencionais da escrita inicial, no Português Brasileiro e no Português Europeu, motivadas pela formação de grupos rítmicos, se relacionam com os domínios prosódicos mais altos que a palavra fonológica, bem como fornecer argumentos capazes de colaborar para com a discussão sobre o ritmo linguístico do PB e do PE.
Objetivos Específicos: - Construir um banco de dados de fala espontânea e de fala controlada de crianças brasileiras e portuguesas.
- Identificar, por meio do programa PRAAT, formações de constituintes prosódicos na fala espontânea infantil.
- Analisar a relação entre a formação de grupos rítmicos e constituintes prosódicos.
- Comparar, em ambas as variedades do português, os dados de fala espontânea com os dados de fala controlada, a fim de estabelecer relações com os dados de segmentação não convencional da escrita infantil, coletados em textos produzidos espontaneamente.

Equipe do Projeto

NomeCH SemanalData inicialData final
04
04
NADYNE SOUZA DA SILVA1201/08/201431/07/2015

Página gerada em 13/04/2021 02:30:17 (consulta levou 0.252395s)