Nome do Projeto
Uso de medicamentos durante a gestação, internação e amamentação: Estudo Longitudinal dos Nascidos Vivos em Pelotas-RS, 2015
Ênfase
PESQUISA
Data inicial - Data final
25/03/2014 - 31/12/2016
Unidade de Origem
Coordenador Atual
Área CNPq
Ciências da Saúde - Saúde Coletiva - Epidemiologia
Resumo
Devido às mudanças fisiológicas da unidade materno-feto-placentária, o uso de medicamentos durante a gravidez exige precauções quanto à escolha do fármaco e dosagem apropriada, mas a principal preocupação nesse período diz respeito à interferência na formação, crescimento e desenvolvimento do embrião e do feto, com destaque para os efeitos teratogênicos. Considerando que as gestantes são excluídas da maioria dos ensaios clínicos, a avaliação da teratogenicidade dos medicamentos nos estudos pré-comercialização é limitada, sendo os estudos de coorte e caso-controle, uma alternativa importante não apenas na avaliação do risco teratogênico, mas também no estabelecimento da efetividade do medicamento utilizado em condições clínicas usuais, em diferentes populações. Medicamentos utilizados para a indução de trabalho de parto e na analgesia de parto tem sido objeto de investigação quanto a sua eficácia em ensaios clínicos e revisões sistemáticas, porem, poucos estudos epidemiológicos sobre o padrão de consumo de medicamentos do momento da internação até a alta foram localizados na literatura, sendo uma importante lacuna a ser preenchida, além disso, a análise de diferentes condutas na prescrição entre serviços de saúde públicos e privados podem auxiliar na elaboração de diretrizes terapêuticas. Quanto à amamentação, um dos fatores que pode contribuir para o desmame precoce pode ser a utilização de medicamento, sem orientação adequada. A nutriz pode perceber o risco do uso de medicamento concomitante à lactação maior do que o real, podendo levar a não utilização do medicamento ou à descontinuação da amamentação. As informações sobre o risco do uso concomitante na lactação por ocasião do registro de um novo medicamento são escassas, bem como as informações advindas de estudos pós-comercialização, destacando a necessidade de estudos epidemiológicos nessa área. Poucos estudos nacionais ou internacionais foram localizados na literatura sobre a prevalência de uso de medicamentos na lactação e caracterização dos medicamentos mais utilizados, de acordo com a sua compatibilidade com a lactação, bem como com sua capacidade de inibir ou estimular a lactação. É importante analisar os efeitos tardios da exposição intrauterina a medicamentos, com ênfase naqueles usualmente utilizados para tratamento de doenças maternas pré-existentes ou de intercorrências na gestação, pois alguns medicamentos que até recentemente eram contraindicados na gravidez, estão agora sendo reavaliados

Objetivo Geral

O objetivo geral deste estudo é avaliar o uso e efeitos de medicamentos durante a gestação, parto e amamentação na saúde materno-infantil, até o terceiro mês pós-parto. Os objetivos específicos são: 1) verificar a prevalência de uso de medicamentos durante a gestação em relação a: uso geral e por grupos farmacológicos e uso preventivo; 2) verificar o perfil de utilização de medicamentos durante a internação para o parto; 3) verificar o uso de medicamentos durante a amamentação (até o 3ºmês de vida), em relação a: (a) prevalência de uso de medicamentos; (b) compatibilidade dos medicamentos mais utilizados com a lactação; (c) associação entre o uso de medicamentos e não amamentação ou desmame precoce bem como estudo dos medicamentos mais associados a essas condições e (d) associação entre a amamentação e não utilização de medicamentos/ descontinuação; 4) comparar a efetividade do uso profilático diário de sais de ferro com o uso intermitente na redução de desfechos adversos perinatais (nascimento pré-termo, baixo peso ao nascer, anemia na criança); 5) comparar a efetividade do uso terapêutico de sais de ferro na redução de desfechos adversos perinatais (nascimento pré-termo, baixo peso ao nascer, anemia na criança); 6) avaliar a associação entre níveis maternos de hemoglobina elevados e diabetes gestacional e a pré-eclâmpsia e 7) avaliar efeitos tardios da exposição intrauterina a medicamentos utilizados em intercorrências frequentes na gestação.

Equipe do Projeto

NomeCH SemanalData inicialData final
ALESSANDRA MAIA ALMEIDA1201/08/201531/07/2016
ALINE GONZÁLEZ SILVA1201/08/201428/02/2015
BARBARA HEATHER LUTZ401/04/201631/12/2016
CRISTINA HELOÍSA MÜLLER1201/03/201531/07/2015
MARYSABEL PINTO TELIS SILVEIRA125/03/201431/12/2016
PEDRO RODRIGUES CURI HALLAL125/03/201431/12/2016
VANESSA IRIBARREM AVENA MIRANDA401/03/201531/12/2016

Fontes Financiadoras

Sigla / NomeValorAdministrador
CNPqR$ 94.200,00

Página gerada em 17/11/2019 20:35:36 (consulta levou 0.081582s)