Nome do Projeto
Prevalência autorreferida da perda dentária e do uso de prótese dentária na população idosa: um estudo de base populacional em Pelotas/RS
Ênfase
PESQUISA
Data inicial - Data final
30/03/2014 - 30/06/2014
Unidade de Origem
Área CNPq
Ciências da Saúde - Saúde Coletiva - Epidemiologia
Resumo
Segundo a OMS, o envelhecimento da população configura-se simultaneamente como um dos maiores triunfos e desafios da humanidade, enquanto as pessoas idosas são preciosas para estruturação das sociedades demandam investimentos sociais e econômicas por parte dos governos e organizações internacionais visando garantir a saúde, a segurança e a participação destes cidadãos mais velhos. O impacto dos diferentes fatores de risco à vida saudável é agravado com o envelhecimento devido à menor resistência física e biológica, ao aumento da carga de doenças crônicas e às más condições sociais, ambientais e nutricionais8, necessitando portanto, de atenções especiais. Estes fatores de risco contribuem igualmente para doenças e agravos de saúde bucal, a qual deve ser vista como parte integrante da saúde geral9 e de extrema importância para manutenção da qualidade de vida do idoso8, devido aos impactos da má saúde bucal atingirem a alimentação, o bem estar, a estética e as relações sociais.11 O número de dentes presentes é considerado pela OMS como dado essencial para adequada vigilância da saúde bucal e juntamente com a investigação dos possíveis determinantes de risco para doenças bucais entre os idosos como o comportamento, a saúde geral e as condições socioeconômicas são de extrema importância para o melhor gerenciamento de programas de intervenção41. Infelizmente os países de média e baixa renda ainda estão carentes de estudos epidemiológicos que investiguem a perda dentária entre os idoso41, no Brasil os poucos estudo com enfoque na perda dentária e fatores associados demonstram altas taxas de edentulismo, perda total de dentes, variando de 68,9%36 no estado de São Paulo a 39,5%18 em Porto Alegre/RS. Embora, segundo dados do SB Brasil 2010, a prevalência de edentulismo seja menor na região sul do país35, estudo investigando perda dentária e seus impactos entre idosos inscritos no Programa Saúde da Família na cidade de Pelotas/RS além de demonstrar alta prevalência de edentulismo sugere perda dentária severa elevada39. Nesse contexto faz-se importante um estudo de base populacional objetivando investigar além da prevalência de edentulismo a perda dentária severa e seus fatores associados, e juntamente com as prevalências de uso e necessidade de prótese alertar e dar subsídio ao planejamento de serviços de atenção primária e secundária locais, visando à prevenção da perda dentária e à reabilitação protética da população.

Objetivo Geral

Geral
Estudar a perda dentária e o uso de prótese dentária autorreferidos em idosos da cidade de Pelotas/RS.

Específicos
Estimar a prevalência autorreferida de edentulismo (perda dentária total) entre os idosos da cidade de Pelotas/RS.
Estimar a prevalência autorreferida de perda dentária severa (menos de 9 dentes remanescentes) entre os idosos da cidade de Pelotas/RS.
Estimar a prevalência autorreferida de dentição funcional (no mínimo 21 dentes remanescentes) entre os idosos da cidade de Pelotas/RS.
Descrever as associações das características demográficas, socioeconômicas, comportamental (tabagismo), de saúde (diabetes) e tempo da última visita ao serviço odontológico à prevalência de perda dentária severa entre os idosos.
Estimar prevalência de uso e de necessidade autorreferida de prótese dentária entre os idosos da cidade de Pelotas/RS.
Estimar prevalência de saúde bucal autopercebida como regular ou ruim entre os idosos da cidade de Pelotas/RS.

Equipe do Projeto

NomeCH SemanalData inicialData final
CAMILA GARCEZ RIBEIRO230/03/201430/06/2014
LENISE MENEZES SEERIG130/03/201430/06/2014

Fontes Financiadoras

Sigla / NomeValorAdministrador
CAPESR$ 75.000,00
Recursos própriosR$ 7.000,00

Página gerada em 10/12/2018 21:01:47 (consulta levou 0.100235s)