Nome do Projeto
Velocidade de onda de pulso e composição corporal nos adultos da coorte de 1982 – fatores precoces e contemporâneos
Ênfase
PESQUISA
Data inicial - Data final
01/06/2014 - 28/02/2016
Unidade de Origem
Área CNPq
Ciências da Saúde - Saúde Coletiva - Epidemiologia
Resumo
As doenças cardiovasculares (DVC) são a principal causa de morte e incapacidade no mundo. De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), em 2008, as DCV foram responsáveis por 39% das mortes por doenças crônicas não transmissíveis (DCNT) em todo mundo. No Brasil, em 2009, as DCV foram responsáveis por 31,3% do total de óbitos. Entre os principais fatores de risco para as DCV encontram-se a hipertensão arterial sistêmica (HAS), a diabetes mellitus (DM), a dislipidemia, o tabagismo, o sedentarismo e a obesidade. Estes fatores levam a aterosclerose que é a causa mais proximal das DCV. O processo aterosclerótico inicia já na infância, por acúmulo de placas de gordura (ateromas) na camada íntima das artérias de médio e grande calibre. No decorrer do ciclo vital, essas placas podem aumentar e causar obstrução parcial ou total da luz arterial, o que leva às principais manifestações clínicas das DVC, como angina (isquemia) e/ou infarto (morte do músculo cardíaco). Além do acúmulo de gordura na camada íntima das artérias, a rigidez da parede arterial é outro fator de risco para as DCV e está associada ao envelhecimento. O enrijecimento da parede arterial pode ser acelerado por elevações crônicas da pressão arterial e da glicemia, que por sua vez, levam a alterações estruturais e funcionais das paredes das artérias elásticas. Vários estudos demonstram a associação da obesidade com a HAS, a DM e a síndrome metabólica, que são fatores de risco metabólicos para as DCV. As principais medidas de distribuição de gordura utilizadas são o índice de massa corporal (IMC), a circunferência da cintura (CC), a razão cintura-quadril (RCQ) e a razão cintura-altura (RCA). A Velocidade da Onda de Pulso (VOP) é uma medida direta da rigidez arterial e tem sido considerada um marcador de doença arterial, uma vez que a rigidez parece acelerar a aterosclerose. Dentre os diferentes métodos de medida, a velocidade da onda de pulso carotídea-femoral é o padrão ouro, além de ser um método não-invasivo, com relativa facilidade de determinação e confiabilidade. O presente projeto pretende estudar a velocidade da onda de pulso em uma população de adultos jovens do sul do Brasil, que são acompanhados desde o nascimento, avaliando a influência de fatores relacionados à gestação, amamentação e estado nutricional na infância e a VOP aos 30 anos, bem como possíveis associações entre as variáveis de composição corporal na idade adulta e a VOP.

Objetivo Geral

Objetivos gerais

 Avaliar a associação entre a VOP e a composição corporal aos 30 anos dos participantes da coorte de nascimentos de 1982 na cidade de Pelotas, RS, Brasil.
 Investigar a influência de fatores relacionados à gestação, amamentação e estado nutricional na infância sobre a VOP aos 30 anos.


Objetivos específicos
 Avaliar a associação de VOP aos 30 anos com as diferentes medidas de composição corporal (IMC, CC, índice de massa gorda, gordura abdominal e gordura subcutânea)
 Avaliar a associação de fatores de risco, como dislipidemia, HAS, tabagismo e sedentarismo e a VOP aos 30 anos.

Equipe do Projeto

NomeCH SemanalData inicialData final
CAROLINA AVILA VIANNA201/06/201428/02/2016

Fontes Financiadoras

Sigla / NomeValorAdministrador
CNPqR$ 44.951,00
FAPERGS (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio Grande do Sul)R$ 106.890,50

Página gerada em 19/10/2019 17:46:22 (consulta levou 0.069345s)