Nome do Projeto
Prevalência de transtornos mentais e fatores associados em crianças de 6 – 7 anos pertencentes à Coorte de Nascimentos de Pelotas de 2004
Ênfase
PESQUISA
Data inicial - Data final
14/07/2014 - 31/05/2015
Unidade de Origem
Área CNPq
Ciências da Saúde - Saúde Coletiva - Epidemiologia
Resumo
Os transtornos mentais representam uma importante causa de incapacidade, dependência e sofrimento na população, afetando 20 a 56% dos adultos em todo o mundo. Determinantes ambientais, genéticos, biológicos e comportamentais têm sido investigados em sua etiologia. Há cada vez mais evidências mostrando que pelo menos 50% de todos os transtornos mentais têm início na infância e adolescência. Atualmente se discute a importância dos determinantes precoces no desencadeamento de diferentes doenças, tanto clínicas (como a hipertensão arterial e a diabetes), quanto psiquiátricas (como a esquizofrenia, o transtorno de déficit de atenção e hiperatividade e depressão). Pouco se sabe da prevalência em si, assim como da influência das vivências perinatais na ocorrência dos transtornos mentais na infância no Brasil, dado relevante no planejamento de serviços e previsão de custos, assim como na implementação de potenciais medidas preventivas. Neste estudo, pretende-se verificar a prevalência de transtornos mentais nas crianças de 6-7 anos de idade pertencentes à Coorte de Nascimentos de Pelotas de 2004. Assim também, pretende-se avaliar os fatores precoces e contemporâneos associados com essas doenças. Os resultados deste estudo contribuirão para delinear recomendações e desenvolver estratégias que possam colaborar na prevenção e na detecção e tratamento precoces dos problemas mentais nas crianças e diminuir suas consequências nas fases posteriores da vida.

Objetivo Geral

Gerais
Descrever a prevalência de transtornos mentais aos 6-7 anos nas crianças
pertencentes à Coorte de Nascimentos de Pelotas de 2004
Avaliar os fatores precoces e contemporâneos associados à presença de
transtornos mentais aos 6-7 anos nas crianças pertencentes à Coorte de Nascimentos
de Pelotas de 2004

1. Descrever a prevalência de transtornos mentais em geral
2. Descrever a prevalência de transtornos mentais específicos (tais como: Transtorno de
Ansiedade de Separação, Fobias, Transtorno de Ansiedade Generalizada, Transtorno do
Estresse Pós Traumático, Transtorno do Pânico e Agorafobia, Transtorno Obsessivo
Compulsivo, Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade, Transtorno de
Oposição e Desafio, Transtorno de Conduta, Transtornos Alimentares e Transtorno de
Tiques). Também serão descritos os transtornos de ansiedade e a depressão agrupados
como “Transtornos de Internalização” e os transtornos de oposição e desafio e de
conduta agrupados em “Transtornos de Externalização.”
3. Comparar a prevalência dos transtornos mentais verificados neste estudo com estudos
nacionais e internacionais na mesma faixa etária
4. Avaliar a associação entre fatores de risco precoces (como por exemplo: idade
gestacional e peso ao nascimento, sexo, exposição ao tabaco ou ao álcool durante a gestação, posição socioeconômica ao nascimento, morbidade na infância (desde o
nascimento até o presente momento) e a ocorrência de transtorno mental aos 6/7 anos
5. Avaliar a associação entre fatores de risco contemporâneos, tais como: cuidados da
criança, relato de maus tratos, depressão materna, morbidade referida e a ocorrência
de transtornos mentais aos 6/7 anos. Os dados disponíveis para estudar “cuidados da
criança” na Coorte de Pelotas de 2004 são: quem é a pessoa que cuida a criança por
mais tempo, local onde a criança é cuidada e relato de maus tratos.

Equipe do Projeto

NomeCH SemanalData inicialData final
SANDRA PETRESCO414/07/201431/05/2015

Fontes Financiadoras

Sigla / NomeValorAdministrador
CNPqR$ 97.431,00

Página gerada em 18/07/2019 14:40:42 (consulta levou 0.077767s)