Nome do Projeto
Avaliação pós-ocupação em edificação de uso coletivo: o caso do Shopping Pelotas
Ênfase
PESQUISA
Data inicial - Data final
03/11/2014 - 22/12/2015
Unidade de Origem
Área CNPq
Engenharias - Engenharia de Produção
Resumo
A concepção de espaços acessíveis a pessoas com diferentes habilidades e/ou limitações é fundamental para garantia de um dos princípios estabelecidos pela Constituição Federal: o de ir e vir. Dados do último Censo (IBGE, 2010) indicam que mais de 45 milhões de pessoas declararam ter, pelo menos, uma das deficiências pesquisadas, correspondendo a 23,9% da população brasileira. Tendo em vista esse número alarmante e bastante significativo, entende-se como necessários estudos que visam melhorar as condições dos espaços já edificados e, também, fornecer diretrizes de projeto a serem incorporadas naqueles que ainda estão em fase de planejamento. Deve-se considerar, também, aquelas pessoas com algumas limitações temporárias, como uma mãe com carrinho de bebê, uma gestante, um indivíduo cheio de sacolas nas mãos ou, ainda, uma pessoa que quebrou um braço ou uma perna e está limitada em algum de seus movimentos. Dentre os diferentes “objetos” que poderiam ser adotados a partir do que é estabelecido pela norma brasileira de acessibilidade (NBR9050/2004) – equipamentos, espaços abertos e edificações –, optou-se por trabalhar com uma edificação de uso coletivo - shopping center - pela diversidade de usuários que o frequentam. Inaugurado em 2013, o Shopping Pelotas conta com uma área bruta de 23.275m². A edificação, de um pavimento, está dividida em 130 lojas, 5 âncoras, 3 megalojas, 2 restaurantes e 1.100 vagas de estacionamento (SHOPPING PELOTAS, 2014). De acordo com Carlin (2004, p.13), o ambiente de um shopping center caracteriza-se como um espaço permanentemente monitorado e retrata, em seu interior, um cidade idealizada, oferecendo aos seus usuários centros de consumo, lazer, alimentação e serviços em um único local e que abriga, ainda, condições de segurança. Acredita-se que o projeto foi embasado na legislação vigente de acessibilidade (NBR9050/2004) e, com isso, justifica-se a realização de uma Avaliação Pós-Ocupação (APO) a fim de verificar se atende à referida legislação e se, mesmo assim, ainda podem ser identificados problemas relacionados a acessibilidade espacial.

Objetivo Geral

Este trabalho tem como objetivo geral realizar uma avaliação pós-ocupação de um edifício de uso coletivo – Shopping Center – sob o enfoque da acessibilidade espacial, considerando a diversidade da população usuária em termos de habilidades e limitações. Para isso, é necessário que se atinja alguns objetivos específicos também estabelecidos:
a) Reconhecer as necessidades específicas dos usuários do espaço, principalmente aqueles com algum tipo de deficiência ou limitação;
b) Elencar as tipologias arquitetônicas empregadas em shopping centers brasileiros;
c) Desenvolver e/ou aperfeiçoar instrumentos a serem aplicados;
d) Identificar os principais problemas relacionados a acessibilidade espacial em um estudo de caso – Shopping Pelotas – de acordo com a visão de técnicos baseados em normas e decretos e, também, na visão dos usuários do espaço.

Equipe do Projeto

NomeCH SemanalData inicialData final
Douglas de Castro Brombilla202/03/201522/12/2015
ITALO RODEGHIERO NETO2005/01/201522/12/2015
MAYARA ZANCHIN1203/11/201422/12/2015
MAYARA ZANCHIN1201/11/201431/07/2015
MILENE SOTTORIVA ANDRÉIA1203/11/201402/02/2015

Página gerada em 11/12/2018 04:57:19 (consulta levou 0.078880s)