Nome do Projeto
Padrão de Consumo de Bebidas Alcoólicas entre Adultos na Zona Rural de Pelotas, RS: estudo de base populacional
Ênfase
PESQUISA
Data inicial - Data final
29/09/2015 - 28/02/2017
Unidade de Origem
Coordenador Atual
Área CNPq
Ciências da Saúde - Saúde Coletiva
Resumo
O consumo de bebidas alcoólicas é um hábito presente há séculos na história da humanidade. Consumido com propósitos diversos ao longo do tempo, os problemas oriundos deste consumo, mais especificamente a dependência de álcool, foram entendidos, predominantemente até o final do século XVIII, a partir de um ponto de vista moral, considerado pela igreja como um pecado passível de arrependimento e “cura” através de penitências. Mais claramente, a partir do fim século XIX e início do século XX, a dependência de álcool passou a ser entendida, de forma mais racional, como uma enfermidade, a qual necessitava de tratamento com base na ciência.

Objetivo Geral


As prevalências de dependência de álcool diferem de acordo com as
populações estudadas. Países, culturas, religiões, métodos diagnósticos diferentes,
entre outros, acabam por fornecer dados de prevalência, por vezes, distintos.3
A OMS, no ano de 2010, encontrou uma prevalência de 5,6% de transtornos
relacionados ao álcool no Brasil, os quais incluem uso nocivo e síndrome de
dependência. Além disso, demonstrou que neste mesmo ano, 22,1% da população
brasileira havia apresentado, nos últimos trinta dias, pelo menos um episódio de
consumo pesado, ou binge drinking.
No Brasil, dados do II LENAD, apontaram uma prevalência de dependência
de 6,8% e prevalência geral de consumidores de 50%. A PNS, publicada em 2013,
demonstrou que 24% da população brasileira, com dezoito anos ou mais, referiu
consumir bebidas alcoólicas pelo menos uma vez por semana.5; 6
A intoxicação aguda, o uso nocivo e, principalmente, a dependência de álcool
constituem problemas de saúde pública. Os efeitos tóxicos causados pelo uso do
álcool, especialmente pelo uso crônico, são fatores de risco para diversos tipos de
doenças, como cirrose e alguns tipo de câncer. Além disso, as consequências
advindas do consumo exagerado de bebidas alcoólicas são de grande impacto para
a sociedade como um todo. Há forte associação entre o consumo de álcool e
violência, acidentes, consumo de outras substâncias lícitas e ilícitas, etc. Além disso,
em termos de saúde pública, os custos financeiros decorrentes do consumo
exagerado de álcool são enormes para o estado.3
Pelos dados apresentados pela literatura até o momento, constatam-se altas
prevalências de consumo de álcool, bem como de dependência, principalmente em
populações urbanas. Além disso, percebe-se o grande custo financeiro e humano
que estes problemas representam para a sociedade. No entanto, há ainda uma
lacuna de conhecimento acerca deste problema em populações rurais, que por sua
própria posição geográfica, está afastada dos grandes centros, muitas vezes de
meios de informação e, mais importante, de serviços de saúde que poderiam agir
sobre os problemas relacionados ao consumo de álcool, ao realizar prevenção em
diversos níveis e tratamento de indivíduos doentes.

Equipe do Projeto

NomeCH SemanalData inicialData final
GUSTAVO PEGAS JAEGER429/09/201528/02/2017

Fontes Financiadoras

Sigla / NomeValorAdministrador
CAPESR$ 74.000,00

Página gerada em 09/08/2020 16:29:54 (consulta levou 0.074306s)