Nome do Projeto
VIOLÊNCIA OBSTÉTRICA SOB O OLHAR DA GESTANTE NEGRA
Ênfase
PESQUISA
Data inicial - Data final
01/01/2017 - 31/08/2017
Unidade de Origem
Área CNPq
Ciências da Saúde - Saúde Coletiva - Epidemiologia
Resumo
As disparidades étnico/raciais nas condições de saúde permanecem sendo um grande problema de saúde pública no Brasil. A população de negros na cidade Pelotas é de 31.172, representando 9,5% da população total, sendo assim considerada a maior "cidade negra" do Estado do Rio Grande do Sul, devido forte imigração de africanos ao município. Em vista disto, a cidade possui políticas de saúde instituídas, voltadas à população negra e quilombola, entre elas, a política contra o racismo na rede de Atenção Básica de Saúde. O Ministério da Saúde preconiza que a assistência pré-natal deve ser realizada, entre outros, através da incorporação de condutas acolhedoras, de estabelecimento de vínculo entre o pré-natal e o local do parto; e do fácil acesso a serviços de saúde de qualidade. Estudos realizados no município mostraram que mulheres socioeconomicamente desfavorecidas, com baixa escolaridade, de cor preta apresentam os maiores índices associados ao risco de parto pretermo, bem como uma menor propensão a frequentar os cuidados pós-natal. Outros autores brasileiros também observaram que este grupo da população apresenta grande insatisfação com o atendimento pré-natal, reportando casos de violência verbal, física ou psicológica, pior tempo de espera e menos privacidade nos exames. Sendo assim, o presente projeto objetiva avaliar disparidades na ocorrência de episódios de violência obstétrica entre mulheres negras, e suas possíveis consequências para crianças nascidas no ano de 2015, buscando contribuir para o estabelecimento de melhores estratégias de implementação do Programa de Humanização no Pré-Natal e Nascimento (PHPN), do Ministério da Saúde, o qual estabelece o direito de toda gestante ao acesso a atendimento digno e de qualidade no decorrer da gestação, parte e puerpério.

Objetivo Geral

OBJETIVO GERAL:
Avaliar disparidades na ocorrência de episódios de violência obstétrica e possíveis consequências para crianças nascidas no ano de 2015 na cidade de Pelotas, membros da Coorte de Nascimentos de 2015 e suas mães.
Objetivos específicos:
•Descrever a ocorrência de violência obstétrica e a satisfação com o atendimento ao parto relatada pelas mães das crianças membros da Coorte de Nascimentos 2015;
•Identificar disparidades raciais na ocorrência de violência obstétrica e satisfação com o atendimento ao parto, entre mães dos membros da Coorte de Nascimentos 2015;
•Avaliar se a ocorrência de da ocorrência de violência obstétrica está associada a piores desfechos maternos, especialmente no que tange a depressão pós parto.

Equipe do Projeto

NomeCH SemanalData inicialData final
CAROLINA SILVEIRA DA SILVA2001/01/201731/08/2017
CAROLINA SILVEIRA DA SILVA1201/08/201631/07/2017
DULCE STAUFFERT1005/04/201531/12/2016
MARILIA ARNDT MESENBURG2005/04/201531/12/2016
THIAGO GASPAR1201/08/201531/07/2016

Fontes Financiadoras

Sigla / NomeValorAdministrador
Wellcome Trust FoundationR$ 250.200,00

Página gerada em 19/06/2019 20:43:03 (consulta levou 0.079280s)