Nome do Projeto
A VIOLÊNCIA DO INEXISTIR: A CONSTRUÇÃO DE UMA CLÍNICA POLÍTICA DECOLONIAL
Ênfase
PESQUISA
Data inicial - Data final
12/09/2016 - 31/12/2020
Unidade de Origem
Coordenador Atual
Área CNPq
Ciências Humanas - Psicologia
Resumo
O presente projeto “guarda-chuva” objetiva visibilizar a existência de humanidades subalternizadas pelos processos de colonização e colonialidade a partir da construção de uma “Clínica Política Decolonial”, ou seja, uma metodologia de atendimento engajada e politizada a partir de conceitos e categorias de análise de autores pós-coloniais, para o atendimento a pessoas em situações de vulnerabilidades e violências civilizatória, étnico-racial, de gênero e sexualidade. As discussões teórico-metodológica partem de epistemologias que buscam visibilizar outros modos de conhecimentos não hegemônicos, cujos principais autores(as) são: Franz Fanon, Aimé Cesáire, Enrique Dussel, Aníbal Quijano, Walter Mignolo, Ramón Grosfoguel, Catherine Walsh, Nelson Maldonado-Torres, Arturo Escobar e Ignacio Martín-Baró. Trabalha-se na perspectiva de contribuir com a construção de práticas psicológicas insurgentes ao status quo, desencadeadoras de movimentos de resistir, (re)existir e (re)viver ao propor um outro lugar de escuta e fala às humanidades subalternizadas. Palavras-Chave: Clínica Política; Psicologia; Decolonial; Metodologia; Humanidades Subalternas.

Objetivo Geral

Objetivo Geral:
Visibilizar a existência de humanidades subalternizadas pelos processos de colonização e colonialidade a partir da construção de uma “Clínica Política Decolonial”, ou seja, uma metodologia de atendimento engajada e politizada, a partir de conceitos e categorias de análise de autores pós-coloniais, para o empoderamento de sujeitos em situações de vulnerabilidades e violências civilizatória, étnico-racial, de gênero e sexualidade.

Específicos:
1) Tornar visíveis os diferentes modos de violência civilizatória, étnico-racial, de gênero e sexualidade que, por sua vez, entrelaçam-se no cotidiano das relações interpessoais tornando-se, às vezes, imperceptíveis por estarem naturalizadas no contexto social e por terem sido transformadas em hábitos legitimados na sociedade;

2) Dar voz a sujeitos em situações de vulnerabilidade ou violências civilizatória, étnico-racial, de gênero e sexualidade deslocando o sofrimento psíquico da esfera privada, para ser partilhado na esfera pública enquanto um problema a ser discutido e enfrentado pela coletividade;

3) Conhecer a atuação de profissionais, instituições e órgãos que indireta ou indiretamente atendem e cuidam de pessoas em situações de vulnerabilidade ou violências civilizatória, étnico-racial, de gênero e sexualidade;

4) Compreender os efeitos psíquicos da hierarquia civilizatória, étnico-racial, de gênero e sexualidade que estruturam o racismo, o machismo e a homofobia na sociedade brasileira.

Equipe do Projeto

NomeCH SemanalData inicialData final
AMANDA MEDEIROS OLIVEIRA419/05/201719/05/2017
ANDREI BASTOS DE CASTRO419/05/201719/05/2017
BARBARA MEDINA PERES1201/08/201731/07/2018
BEATRIZ FRANCHINI212/09/201612/09/2016
CAMILA DO CANTO PEREZ412/09/201630/09/2017
CATIANE PINHEIRO MORALES408/05/201708/05/2017
CATRINE MORTOLA SANTOS419/05/201719/05/2017
EVELLYN GONÇALVES DA ROSA408/05/201708/05/2017
IAGO MARAFINA DE OLIVEIRA408/05/201731/12/2018
JOSIMARA GONÇALVES SCHUSTER408/05/201708/05/2017
KIZZY LESSA COUTINHO VITORIA419/05/201719/05/2017
LUCAS CASTRO FREIRE DE MORAES408/05/201708/05/2017
MAIARA SCHEILA FREITAS SANTOS1201/08/201731/07/2018
MAIARA SCHEILA FREITAS SANTOS419/05/201731/07/2017
MARIA LEONOR MESQUITA TARQUES DA SILVA412/09/201631/07/2018
MARINA TREMPER408/05/201708/05/2017
MORGANA NUNES408/05/201708/05/2017
PATRÍCIA MEDRONHA SOARES408/05/201731/12/2018
RAUL CARDOZO CORRÊA408/05/201708/05/2017
RENICE EISFELD MACHADO412/09/201631/07/2018
SUELEN DE SOUZA AMARAL408/05/201708/05/2017
SUELEN LEMONS CLASEN408/05/201731/12/2018
TATIANE BORCHARDT DA COSTA408/05/201731/12/2018
TATIANE COELHO AMARAL412/09/201630/09/2017
UELQUER GUEDES DE SOUZA408/05/201731/12/2018
ÍNGRID MOURA DIAS412/09/201630/09/2017

Página gerada em 25/10/2020 03:05:29 (consulta levou 0.366355s)