Nome do Projeto
O RITMO LINGUÍSTICO EM DADOS DE ESCRITA DO PB E DO PE: A RELAÇÃO ENTRE GRUPOS RÍTMICOS E DOMÍNIOS PROSÓDICOS
Ênfase
PESQUISA
Data inicial - Data final
02/06/2017 - 02/06/2018
Unidade de Origem
Coordenador Atual
Área CNPq
Linguística, Letras e Artes - Linguística - Psicolinguística
Resumo
Para a fonologia, estudos sobre ritmo são ainda relativamente polêmicos, sobretudo, os que dizem respeito à classificação rítmica de algumas línguas. Abaurre e Galves (1998) desenvolveram um estudo, com dados de fala, sobre as diferenças rítmicas entre o PB e o PE e propuseram que o ritmo da língua decorra do resultado da hierarquização de três restrições: “integridade da palavra fonológica”, “pé trocaico”, “binariedade do pé”. Neste trabalho, partimos do pressuposto de que os dados de escrita podem fornecer pistas sobre a organização da língua, uma vez que se pode estabelecer relação entre o que se fala e o que se escreve, sem desconsiderar que a aquisição da fala e da escrita sejam processos distintos. Estudos como os de Abaurre (1991), Chacon (2004), Cunha (2004) e Miranda (2007), dentre outros, trazem importantes análises sobre as relações estabelecidas entre a escrita inicial e aspectos do conhecimento linguístico infantil. O objetivo principal desta pesquisa é descrever e analisar de que forma as segmentações não convencionais da escrita inicial, no Português Brasileiro e no Português Europeu, motivadas pela formação de grupos rítmicos, se relacionam com os domínios prosódicos mais altos que a palavra fonológica, bem como fornecer argumentos capazes de colaborar para com a discussão sobre o ritmo linguístico do PB e do PE. Esse tema se justifica devido à escassez de pesquisas, tanto no Brasil quanto em Portugal, que abordem a relação entre essas duas variedades do português de acordo com a perspectiva teórica aqui apresentada.

Objetivo Geral

Objetivo Geral: Descrever e analisar de que forma as segmentações não convencionais da escrita inicial, no Português Brasileiro e no Português Europeu, motivadas pela formação de grupos rítmicos, se relacionam com os domínios prosódicos mais altos que a palavra fonológica, bem como fornecer argumentos capazes de colaborar para com a discussão sobre o ritmo linguístico do PB e do PE.
Objetivos Específicos: - Construir um banco de dados de fala espontânea e de fala controlada de crianças brasileiras e portuguesas.
- Identificar, por meio do programa PRAAT, formações de constituintes prosódicos na fala espontânea infantil.
- Analisar a relação entre a formação de grupos rítmicos e constituintes prosódicos.
- Comparar, em ambas as variedades do português, os dados de fala espontânea com os dados de fala controlada, a fim de estabelecer relações com os dados de segmentação não convencional da escrita infantil, coletados em textos produzidos espontaneamente.

Equipe do Projeto

NomeCH SemanalData inicialData final
LISSA PACHALSKI402/06/201702/06/2018
MARÍLIA MÜLLER DOS SANTOS402/06/201702/06/2018
NADYNE SOUZA DA SILVA1201/08/201431/07/2015

Página gerada em 13/04/2021 01:04:25 (consulta levou 0.039631s)