Nome do Projeto
Transtornos mentais comuns e dor lombar em trabalhadores do judiciário federal: associações com a organização do trabalho e com o assédio moral
Ênfase
PESQUISA
Data inicial - Data final
04/12/2017 - 29/02/2020
Unidade de Origem
Área CNPq
Ciências da Saúde - Saúde Coletiva
Resumo
Os novos modelos de gestão que foram implementados no mundo do trabalho desde a reestruturação produtiva do capitalismo, a partir da década de 1970, têm impactado a saúde da classe trabalhadora. No serviço público brasileiro, esse fenômeno se consolida com as reformas neoliberais do Estado iniciadas na década de 90, as quais vêm se aprofundando ao longo dos anos. Tal contexto transformou a gestão do trabalho dos servidores públicos, gerando uma nova organização do trabalho, que se constrói sob uma óptica “gerencialista”. Os servidores públicos do judiciário federal brasileiro estão inseridos nessa conjuntura social e econômica, que implica a utilização de novas ferramentas tecnológicas, um aumento da demanda de trabalho e uma gestão guiada por metas de produtividade nacionais. Os novos modelos de gestão laboral têm aumentado a exposição dos trabalhadores a fatores psicossociais como o estresse e o assédio moral, com repercussões negativas à saúde mental e física. Isso pode ocasionar o aumento da prevalência dos transtornos mentais comuns e dos distúrbios osteomusculares, como a dor lombar. A maioria dos estudos que avaliam o assédio moral como determinante da saúde dos trabalhadores provém de países de alta renda, sendo escassos os estudos sobre esta temática em países de baixa e média renda.

Objetivo Geral

Objetivo geral
Avaliar a prevalência e fatores associados aos transtornos mentais comuns e a dor
lombar em trabalhadores do Judiciário Federal do Rio Grande do Sul, com ênfase na
exposição ao assédio moral.

Objetivos específicos
Verificar a associação entre as seguintes variáveis independentes e os desfechos de dor
lombar e transtornos mentais comuns:
 Variáveis demográficas: sexo, idade, cor da pele, estado civil;
 Variáveis socioeconômicas: escolaridade atual, renda;
 Variáveis comportamentais: religião, tabagismo, uso de álcool, atividade física;
 Idade que iniciou a trabalhar no judiciário;
 Tempo de trabalho na instituição;
 Jornada de trabalho: regime de 6, 7 ou 8 horas diárias; número de horas extras;
número de pausas durante a jornada de trabalho; duração das pausas realizadas;
realização de teletrabalho (trabalho em casa);
 Atividades: uso de computador, digitação, realização de sentenças, atendimento ao
público por telefone, atendimento ao público no balcão, manutenção, informática,
diligências externas, segurança.
 Função: administrativa, judiciária, informática, segurança, oficial de justiça.
 Setor: administrativo primeiro ou segundo grau, judiciário primeiro ou segundo
grau, informática, segurança.
 Cargo: técnico ou analista.
 Cargas fisiológicas: posição viciosa, má postura por inadequação do mobiliário,
atividade repetitiva, movimentos repetitivos, monotonia, necessidade de atenção
constante;
 Cargas psíquicas: assédio moral, estresse ocupacional (demanda, controle, apoio
social).

Equipe do Projeto

NomeCH SemanalData inicialData final
FERNANDO RIBAS FEIJÓ404/12/201729/02/2020

Fontes Financiadoras

Sigla / NomeValorAdministrador
Sindicato dos Trabalhadores do Judiciário Federal do RSR$ 30.000,00

Página gerada em 20/07/2019 19:43:06 (consulta levou 0.080147s)