Nome do Projeto
Doxiciclina na gestação equina: farmacocinética, distribuição em fluídos maternos e impacto neonatal
Ênfase
PESQUISA
Data inicial - Data final
26/03/2018 - 26/03/2020
Unidade de Origem
Área CNPq
Ciências Agrárias - Medicina Veterinária - Farmacologia e Terapéutica Animal
Resumo
As tetraciclinas foram os primeiros antibacterianos de amplo espectro descritos, tendo eficácia contra bactérias gram-positivas, gram-negativas, clamídias, micoplasmas, rickettsias e alguns protozoários. É a classe de antibacterianos mais utilizada na medicina veterinária, sendo rotineiramente empregadas na produção animal. Além da atividade antibacteriana, outras propriedades das tetraciclinas vem sendo estudadas. Em menor ou maior grau, a depender do efeito estudado, as moléculas desta classe apresentam ação anti-inflamatória e de inibição da lipase, colagenase, apoptose e angiogênese, além de outras funções. Na medicina humana há evidencias que este fármaco pode ser utilizado com segurança em mulheres gestantes e seus neonatos (CROSS et al., 2016). Em equinos, existem poucos estudos avaliando o uso de antibacterianos durante a gestação. Com relação à doxiciclina, bem como qualquer outra tetraciclina, as informações são restritas sobre a utilização em éguas gestantes. Com isso, o estudo da farmacocinética da doxiciclina em éguas gestantes é relevante para a utilização clínica segura. Além disso, com este estudo será possível avaliar a dose utilizada para éguas gestantes e a distribuição do fármaco nos fluídos maternos e impacto no potro neonato.

Objetivo Geral

Avaliar a farmacocinética da doxiciclina na égua gestante e sua distribuição aos fluídos maternos e placentários, assim com o impacto no neonato.

Objetivos específicos
• Delinear o perfil farmacocinético da doxiciclina em éguas gestantes.
• Determinar se há passagem transplacentária da doxiciclina e sua distribuição aos líquidos fetais.
• Verificar se há excreção da doxiciclina no colostro e no leite das éguas e determinar sua extensão em dias.
• Investigar a deposição da doxiciclina nas articulações das éguas gestantes e dos neonatos.
• Avaliar ocorrência de inibição de metaloproteinases intra-articulares com o uso da doxiciclina.
• Avaliar o perfil clínico, bioquímico e hematológico dos potros provenientes de éguas que receberam a administração de doxiciclina pré-parto.

Equipe do Projeto

NomeCH SemanalData inicialData final
ALICE CORRÊA SANTOS226/03/201826/03/2020
AUGUSTO LUIZ POSTAL DALCIN226/03/201826/03/2020
BRUNA DOS SANTOS SUÑÉ MORAES226/03/201826/03/2020
CARLOS EDUARDO WAYNE NOGUEIRA126/03/201826/03/2020
DÉBORA MACHADO NOGUERA226/03/201826/03/2020
EDUARDO GAUSS GRIEBELER226/03/201826/03/2020
FERNANDA MARIA PAZINATO226/03/201826/03/2020
FERNANDA TIMBO D'EL REY DANTAS826/03/201826/03/2020
FRANCINE DEQUECH BELEM226/03/201826/03/2020
GABRIELA CASTRO DA SILVA226/03/201826/03/2020
GIOVANA MANCILLA PIVATO226/03/201826/03/2020
JULIA SOMAVILLA LIGNON226/03/201826/03/2020
JULIO NETTO DOS SANTOS DANIELSKI226/03/201826/03/2020
LEANDRO AMERICO RAFAEL426/03/201826/03/2020
LETÍCIA DA SILVA SOUZA226/03/201826/03/2020
LORENA SOARES FEIJO426/03/201826/03/2020
LUCIANA DE ARAUJO BORBA226/03/201826/03/2020
MARCO AURELIO SILVEIRA NUNES FILHO226/03/201826/03/2020
MARTIELO IVAN GEHRCKE126/03/201826/03/2020
MIKAELE SAYURE TAKADA226/03/201826/03/2020
NATALIA RIBEIRO PINTO226/03/201826/03/2020
NATHALIA DE OLIVEIRA FERREIRA226/03/201826/03/2020
RAFAELA PINTO DE SOUZA226/03/201826/03/2020
TATIANE LEITE ALMEIDA1201/08/201831/07/2019
TATIANE LEITE ALMEIDA226/03/201831/07/2018
VITÓRIA MÜLLER226/03/201826/03/2020

Página gerada em 21/07/2019 14:14:19 (consulta levou 0.091340s)