Nome do Projeto
Bacterina de Escherichia coli recombinante: aspectos de biossegurança relacionados ao marcador de seleção antibiótico
Ênfase
PESQUISA
Data inicial - Data final
01/08/2018 - 01/07/2019
Unidade de Origem
Coordenador Atual
Área CNPq
Ciências Agrárias - Medicina Veterinária - Medicina Veterinária Preventiva
Resumo
Desde o surgimento da tecnologia do DNA recombinante nos anos 70, diferentes sistemas de expressão heterólogos têm ganhado destaque na produção de proteínas, como células de mamíferos e insetos, plantas, fungos e microrganismos. Escherichia coli tem sido o microrganismo destaque neste sistema uma vez que é a pioneira nos estudos de engenharia genética, o que possibilita manipulação genética simplificada, a existência de inúmeras cepas, vetores para clonagem e expressão e processos fermentativos bem adaptados. Dentre as vantagens do uso de E. coli para a indústria podemos citar o crescimento rápido, alta produção das proteínas, facilidade de scale-up e meios de cultura baratos. Escherichia coli recombinantes são uma nova ferramenta na produção de vacinas veterinárias as quais se sobressaem às vacinas de primeira geração compostas de toxinas inativadas que necessitam cultivo e seleção de melhores estirpes, além de purificação e detoxificação das toxinas, o que torna o processo de produção extremamente laborioso e de alto risco biológico. A produção de E. coli recombinante inativada (bacterina recombinante) tem se mostrado um processo favorável em relação as vacinas de segunda geração pois dispensam as etapas de purificação das proteínas recombinantes, aumentam a resposta imunológica pela utilização de adjuvantes de baixo custo (LPS), e diminuem os custos de produção destas vacinas. Estudos recentes demonstraram que cobaios imunizados com bacterinas recombinantes expressando as toxinas botulínicas rHCC e rHCD foram capazes de induzir 12 UI/ml de antitoxina C e 20 UI/ml de antitoxina D, maiores do que os títulos preconizados pelo Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento (MAPA) (6). Entretanto, antígenos recombinantes não purificados oriundos de Organismos Geneticamente Modificados (OGMs) podem conter um gene de resistência à antibiótico, presente no vetor de expressão. Havendo o risco de dispersão no ambiente em caso de acidentes, possibilidade de interação com outras espécies e transferência gênica horizontal do transgene destes OGMs, estudos relacionados à biossegurança devem ser conduzidos. A inativação química por formaldeído tem sido utilizada em processos de detoxificação na indústria farmacêutica. Além disso, atua modificando a conformação das proteínas sem destruir os sítios imunogênicos das mesmas (10). Entretanto, a capacidade do formaldeído em inativar moléculas de DNA não foi ainda descrita na literatura.

Objetivo Geral

Avaliar a eficiência do formaldeído em inativar o gene de resistência a canamicina (KanR) contido no vetor pET28a/HCC presente na bacterina de E. coli recombinante.

Equipe do Projeto

NomeCH SemanalData inicialData final
CLÓVIS MOREIRA JR.201/08/201801/07/2019
MÁRCOS ROBERTO ALVES FERREIRA201/08/201801/07/2019
RAFAEL AMARAL DONASSOLO1201/08/201801/07/2019

Página gerada em 17/11/2019 20:36:48 (consulta levou 0.080148s)