Nome do Projeto
Filosofia, Epistemologia e Interdisciplinaridade: O papel das Ciências na Educação
Ênfase
PESQUISA
Data inicial - Data final
25/03/2019 - 24/05/2023
Unidade de Origem
Coordenador Atual
Área CNPq
Ciências Humanas - Filosofia - História da Filosofia
Resumo
Na sociedade capitalista, os preconceitos têm um caráter de classe. Sendo assim, o preconceito nos importa na medida que produz efeitos na vida das pessoas, impondo sofrimentos e, principalmente, contribuindo para as desigualdades sociais. Seguindo esta lógica argumentativa, os preconceitos são obstáculos ao conhecimento e à transformação, pois se fundam na ignorância e têm como traço marcante o conservadorismo. Em nossas aulas, e em nossas pesquisas, preocupados com os obstáculos no processo de ensino-aprendizagem situados nas metodologias de ensino, nos processos cognitivos dos alunos e no contexto educacional mais global, frequentemente nos esquecemos de pensar sobre os obstáculos inerentes ao próprio conhecimento científico. Em função disso, tendemos a não analisar epistemologicamente o que ensinamos e reforçamos obstáculos epistemológicos que deveríamos ajudar os discentes a superar. Em síntese: O problema de pesquisa recai na seguinte hipótese geral: Averiguar as implicações do modelo de saber e fazer Ciência, segundo Bachelard, como impedimento de exercer uma interdisciplinaridade, entendida como transversalidade, segundo Pombo. Não podemos ter opinião sobre problemas que não conhecemos, sobre questões que não sabemos formular claramente. É preciso que formulemos devidamente as perguntas a serem respondidas, os problemas a serem investigados. A noção de "obstáculo epistemológico" pode ser estudada no desenvolvimento histórico do conhecimento científico e na prática da Educação. Em ambos os casos, o trabalho é dificultado pela necessidade que temos de exercer um juízo epistemologicamente normativo: julgar a eficácia de um pensamento. As rupturas no conhecimento científico não ocorrem apenas em relação ao conhecimento comum, mas também no decorrer do próprio desenvolvimento científico.

Objetivo Geral

Objetivo Geral: Averiguar quais são as implicações do fato de a ciência ser um processo que exige uma perspectiva teórica na aprendizagem transversal, a qual corresponde à problemática de interdisciplinaridade, herdada no século XX.

Objetivos Específicos:
I) Verificar o constante reordenamento dos mapas disciplinares, com seu caráter fluído e provisório;
II) Aprofundar os conhecimentos sobre a historicidade referente à pluralidade de modelos de classificação das ciências;
III) Investigar se atualmente coexistem várias descrições e cartografias do saber que são incomensuráveis;
IV) Analisar a possibilidade de implantar/organizar/planejar outras estruturas de investigação com o de buscar compreender aquilo que se constitui como “boas formas” de resistência face aos efeitos negativos da especialização;
V) Indagar sobre a existência de outras metodologias de ensino que englobem a entrada em cena das novas tecnologias, aproveitando-as;
VI) Observar as transformações das novas tecnologias no ato de ensinar e de aprender;
VII) Examinar a unidade da ciência, não somente como uma ideia reguladora, mas como uma determinação subjacente à própria fragmentação das disciplinas;
VIII) Observar se há uma tendência para a unidade do conhecimento, a qual está na raiz mesma da atividade científica;
IX) Aperfeiçoar os conhecimentos sobre a Epistemologia, em especial no pensamento de Bachelard;
X) Apontar para possibilidades de aprimorar o ensino de Filosofia a partir de uma perspectiva transversal.

Equipe do Projeto

NomeCH SemanalData inicialData final
HIGOR LUAN SANTOS CAMARGO225/05/201930/12/2019

Página gerada em 06/12/2019 18:57:22 (consulta levou 0.073046s)