Nome do Projeto
VI Semana Acadêmica da Farmácia (SAFar): Clínica Farmacêutica: Novas perspectivas de atuação profissional
Ênfase
Extensão
Data inicial - Data final
27/08/2018 - 31/10/2018
Unidade de Origem
Coordenador Atual
Área CNPq
Ciências da Saúde
Eixo Temático (Principal - Afim)
Saúde / Educação
Linha de Extensão
Fármacos e medicamentos
Resumo
A Semana Acadêmica do Curso de Farmácia da UFPel (SAFar) do Centro de Ciências Químicas, Farmacêuticas e de Alimentos é um evento tradicional do curso, o qual caracteriza-se como um espaço de ensino, aprendizagem e divulgação de pesquisas para toda a comunidade. O evento contará com uma programação diversificada que evidenciará as diferentes áreas de atuação do farmacêutico, colocando em destaque a versatilidade deste profissional, visto que o mesmo pode atuar nos mais variados locais, de acordo com a especialidade desenvolvida. Sendo assim, a VI SAFar contribuirá para conhecimento, valorização e atualização das atuações do farmacêutico no segmento acadêmico e profissional. Este evento também possibilitará a integração entre diferentes instituições de ensino, através de seus acadêmicos e professores, além de permitir uma aproximação do meio acadêmico aos profissionais farmacêuticos já atuantes no mercado de trabalho.

Objetivo Geral

A VI SAFar tem como objetivo geral difundir o conhecimento acerca do papel do farmacêutico e promover a integração entre a comunidade acadêmica e profissionais da área farmacêutica.

Justificativa

A profissão farmacêutica no Brasil sofreu transformações ao longo das décadas, sendo marcada por períodos importantes e distintos. Inicialmente, o profissional, então chamado “Boticário” era responsável pela preparação e dispensação das fórmulas magistrais prescritas pelos médicos, fornecendo orientações sobre o uso dos mesmos e, por essa razão, desfrutando de grande influência junto aos pacientes (VIEIRA, 2010). Com a industrialização, as atividades farmacêuticas foram direcionadas para a produção de medicamentos numa abordagem técnico-industrial e os profissionais passaram a atuar como intermediários entre a indústria e os usuários, o que possibilitou o atendimento personalizado do farmacêutico em detrimento ao arcaico boticário. Em 1744, o exercício da profissão passou a ser fiscalizado severamente, porém a Lei Federal 5.991/73 permitiu que qualquer empreendedor se tornasse proprietário de uma farmácia ou drogaria, desde que possuísse um profissional farmacêutico tecnicamente responsável pelo estabelecimento. Com isso, farmácias e drogarias se tornaram uma opção comercial para a obtenção de lucro (VIEIRA, 2010; PEREIRA, 2011).
Neste contexto, instalou-se a chamada “crise de identidade profissional” do farmacêutico e, em consequência, falta de reconhecimento social e sua pouca inserção na equipe multiprofissional de saúde, não representando um referencial como profissional de saúde na farmácia (SATURNINO, 2012). Desde então, o profissional farmacêutico vem ampliando suas áreas de atuação, que foram reforçadas pelas diretrizes curriculares adotadas em 2002 no ensino acadêmico. Desta forma, o Farmacêutico Generalista realiza funções de habilitação em medicamentos, análises clínicas, alimentos e indústria farmacêutica.
Recentemente, em 2017, novas diretrizes foram aprovadas pelo Ministério da Educação e os estudantes do curso de Farmácia, além de atuação nas áreas já bem estabelecidas, passam a apresentar um perfil alinhado com o processo de saúde-doença do indivíduo, da família e da comunidade, proporcionando a integralidade das ações de Cuidado em Saúde, Tecnologia e Inovação em Saúde e Gestão em Saúde. Assim, a presença do farmacêutico na área da saúde passa a ser cada vez mais valorizada e a clínica farmacêutica, até pouco tempo apenas idealizada, começa a mostrar-se cada vez mais um forte campo de atuação profissional (COSTA et al., 2017). Assim, com o objetivo de aprofundar o conhecimento das áreas de atuação do farmacêutico e suas interações com as novas diretrizes, a VI SAFar da UFPel visa contribuir com o conhecimento adquirido ao longo do curso nas seguintes áreas de atuação: atenção e assistência farmacêutica, análises clínicas, plantas medicinais e sua utilização na clínica, atuação do farmacêutico no Sistema Único de Saúde (SUS), farmácia magistral, farmácia hospitalar, farmácia clínica, além de proporcionar conhecimento sobre programas de pós graduação e residência para farmacêuticos.
Neste aspecto, a Semana Acadêmica alavancará diferentes focos do conhecimento relacionados às atividades de ensino, pesquisa e extensão que envolvem a atuação do farmacêutico especializado. É importante enfatizar que o evento contará com a participação de palestrantes desta e de outras instituições, cujas palestras e minicursos serão de grande relevância para a complementação da formação de nossos acadêmicos. Além disso, será possibilitada a aproximação dos participantes ao Conselho Regional de Farmácia, que rege a profissão farmacêutica no Estado do Rio Grande do Sul, permitindo, desta forma, um estreitamento de laços entre o conhecimento fornecido, com a ética e conscientização da atuação profissional especializada.

Metodologia

A VI SAFar da UFPel será organizada pelos discentes do Curso de Farmácia da UFPel, com a supervisão de professores do Curso. No evento serão desenvolvidas atividades diversificadas que terão a finalidade de atender aos objetivos propostos. Basicamente constarão de: - palestras integradas junto aos demais cursos do Centro de Ciências Químicas, Farmacêuticas e de Alimentos (CCQFA); - Palestras relacionadas ao curso de Farmácia e Minicursos com carga horária de 4h ou 8h cada. Serão fornecidos certificados para todos os participantes, bem como aos ministrantes das palestras e assistentes de minicurso.
As palestras e os minicursos têm como alvo demonstrar as importantes áreas de atuação do profissional farmacêutico, aprofundando e/ou aperfeiçoando conhecimentos mais específicos sobre sua atuação nas áreas de Atenção e assistência farmacêutica, plantas medicinais e sua utilização na clínica, farmacêutico no SUS, boas práticas em farmácia magistral, farmácia hospitalar, farmácia clínica, judicialização do acesso a medicamentos, humanização em laboratórios de análises clínicas, atuação no farmacêutico no tratamento e prevenção de doenças crônicas transmissíveis, além de proporcionar conhecimento sobre programas de pós graduação e residência para farmacêuticos.
O coquetel previsto na programação (coffee break) possui função de integração entre os participantes, sobretudo a aproximação entre alunos e palestrantes, permitindo assim a troca de informações úteis de maneira mais informal e agradável. Espera-se assim, contemplar formas complementares de transmissão de conhecimentos, concretizando um aproveitamento ideal dos ouvintes.

Indicadores, Metas e Resultados

Através da VI SAFar espera-se difundir o curso de Farmácia para a Comunidade Universitária ampliando a discussão sobre a atuação deste profissional que vem se mostrando a cada dia mais indispensável em diferentes áreas. As experiências acadêmicas poderão ser compartilhadas entre os participantes, com o objetivo de promover discussões discentes, docentes e profissionais da área formando vínculos e trocas de experiências entre ambos, proporcionando assim um fortalecimento na formação dos acadêmicos sobre o tema. Espera-se, como resultado, que os participantes possam ser multiplicadores das atividades desenvolvidas durante o evento.

Equipe do Projeto

NomeCH SemanalData inicialData final
ALANA SEIXAS DE FARIAS
ALDEMA MACANS HERGER
ANDRESSA DE MOURA FABRA
BIANCA SILVEIRA
CAROLINE NUNES FOLHA
CHAIENE OLIVEIRA DA ROSA
JUCIMARA BALDISSARELLI8
JULIANA BIDONE5
JULIANE FERNANDES MONKS DA SILVA5
KASSIA THANISE MICHELSEN
MARIANA LUIZA MÂNICA
MARILIA MOTA DOMINGOS
MARTA DE OLIVEIRA BARBOSA
MATHEUS VERGARA BORBA
MILENA DE ARAUJO TAVARES
NATALIE DA SILVA DUMMER
RAFAEL SEVERO PEDROLLO
ROBERTA SOCOOWSKI BRITTO
SIMONE DA SILVA SCHIAVON
TAYNE LANGONI PEREIRA
THAIS FIGUEIREDO RODEGHIERO
VILSIMARA ALMEIDA KWIATKOWSKI

Página gerada em 02/07/2022 01:31:43 (consulta levou 0.796275s)