Nome do Projeto
Cidades da Fronteira Brasil-Uruguay
Ênfase
Ensino
Data inicial - Data final
01/03/2020 - 31/12/2020
Unidade de Origem
Coordenador Atual
Área CNPq
Ciências Sociais Aplicadas
Resumo
Grupo de estudos que se dedica a estudar e preparar material sobre as cidades-gêmeas da fronteira Brasil-Uruguay (Santana do Livramento-Rivera, Quaraí-Artigas, Jaguarão-Rio Branco, Barra do Quaraí-Bella Union, Chuí-Chuy e Acegua-Acegua), a partir de mapas, cartografias, acervo fotográfico e fílmico, entrevistas, etc; disponíveis no Laboratório de Urbanismo da FAUrb/UFPel.

Objetivo Geral

Integrar as cidades-gêmeas da fronteira Brasil-Uruguay, a partir da produção de material didático acessível para diferentes públicos (acadêmica, escolas, população em geral), afim de levar informações básicas sobre a arquitetura e urbanismo local e regional, dando visualidade aos fenômenos urbanos próprios da contemporaneidade.

Justificativa

O espaço público das cidades na contemporaneidade não esta definido e limitado pelos planos urbanísticos. Em muitas ocasiões são os habitantes da cidade que decidem que espaço vai ser publico e qual não vai ser; que espaço cumprira uma função ou outra. E esses espaços não regulados, espaços anarquistas, onde se produzem atividades que tendem a subverter as leis da economia tradicional, do urbanismo e das relações humanas gerando mudanças importantes, tanto teóricas como praticas, na maneira de pensar e planejar a cidade. Este aspecto informal, longe de ser ocasional, mas sim efêmero, constitui uma regra importante no desenvolvimento de muitas cidades – esses são espaços “para-formais” (GRIS, 2010). Existem países onde aproximadamente 50% da economia e informal e esta gera espaços também informais que, na necessidade urgente, apresentam uma arquitetura e um urbanismo circunstancial em espaços de ecologia descontinua, sem registros, provisória. Estas encruzilhadas humanas onde a atividade e seu entorno geram espaços intermitentes e muitas vezes fugazes nas cidades contemporâneas, são as que se pretende dar visualidade nesse projeto de ensino. A região de fronteira entre Brasil e Uruguai vem sofrendo diretamente com esses movimentos e fluxos próprios da contemporaneidade. Observa-se que as problemáticas são nítidas na fronteira embora os problemas emergentes não sejam propriamente regionais. A fronteira Brasil - Uruguai do sul do estado do Rio Grande do Sul se estende por 985 km desde a tríplice fronteira Brasil-Argentina-Uruguai a oeste ate a foz do Arroio Chuí, ponto extremo Sul do Brasil; No trecho oeste a fronteira e marcada pelo Rio Quaraí, afluente do Rio Uruguai e pelas "Coxilhas de Santana". No trecho mais a leste pelo Rio Jaguarão que desagua na Lagoa Mirim e pela porção sul dessa lagoa ate o Chuí.

Metodologia

A metodologia dessa pesquisa tem como ponto de partida os estudos sobre o caminhar no centro das cidades. O caminhar do errante, aquele que sai sem rumo, não tem um ponto de partida e nem de chegada fixos. Caminha perdido por dentre um território urbano conhecido e ignorado ao mesmo tempo. Ao caminhar esse corpo (usuário, turista, planejador, etc.) cria mapas, deixa marcas e rastros – cartografias urbanas – que podem nos auxiliar a compor um novo universo sobre a cidade na contemporaneidade (DELEUZE, 1995; JEUDY, 2005; JACQUES, 2006). Os procedimentos metodológicos – qualitativos – que traçamos para esta pesquisa se desenvolvem em três planos: teórico, pratico e projetual, assim como o processos esta previsto para acontecer também em três níveis: introdução, desenvolvimento e conclusão, as quais correspondem as metas do projeto.
Os procedimentos dividem-se na prática nas seguintes etapas:
1) organização de material e estudos de referenciais bibliográficos;
2) seminários e palestras de estudos sobre a fronteira;
3) produção de escrita e;
4) reuniões de avaliação.

Indicadores, Metas e Resultados

- organizar e alimentar website (https://wp.ufpel.edu.br/travessias/);
- editar livro sobre as gêmeas da fronteira Brasil-Uruguay;
- propor encontros abertos (palestras, grupos de discussão, etc.) para discutir, ouvir e escrever sobre o sul do Brasil e regiões fronteiriças;
- divulgar os estudos e dados coletados pelos diferentes integrantes do grupo e;
- inserção da temática fronteira no ensino de graduação da UFPel, em diferentes unidades.

Equipe do Projeto

NomeCH SemanalData inicialData final
CAROLINA FRASSON SEBALHOS
EDUARDO ROCHA5
HUMBERTO LEVY DE SOUZA
LAÍS DELLINGHAUSEN PORTELA
LUANA PAVAN DETONI
NATÁLIA LOHMANN D'ÁVILA
SHIRLEY TERRA LARA DOS SANTOS
TAÍS BELTRAME DOS SANTOS
VALENTINA MACHADO
VANESSA FORNECK

Página gerada em 07/08/2022 21:31:51 (consulta levou 0.068682s)