Nome do Projeto
Parâmetros para o uso de fontes jornalísticas do Ciberespaço
Ênfase
Pesquisa
Data inicial - Data final
14/01/2020 - 18/12/2021
Unidade de Origem
Coordenador Atual
Área CNPq
Ciências Sociais Aplicadas
Resumo
A pesquisa visa dar continuidade ao estudo iniciado em 2019 com o projeto “Parâmetros Éticos para o uso de fontes jornalísticas do Ciberespaço”. Em 2019 propôs-se uma definição e uma classificação para as fontes jornalísticas do ciberespaço (LEITE, 2019) e, na etapa seguinte, buscou-se referências que subsidiassem o uso dessas fontes na prática jornalística com base em bibliografias sobre ética no jornalismo, em códigos deontológicos da profissão e em técnicas de checagem de informações coletadas no ciberespaço. A proposta de pesquisa embasa-se no jornalismo como uma forma social de conhecimento, que trabalha com a apropriação social do homem sobre a realidade (MEDITSCH, 1992; GENRO FILHO, 1997). Como Meditsch destaca, ao definir uma pauta, o jornalista parte de uma observação da realidade, buscando apreender o fato e se apropriar de suas especificidades a partir dos pontos de vistas relevantes nesse processo. Assim, busca-se nas fontes jornalísticas os elementos necessários para se apropriar dos fatos narrados, considerando que esses fatos são situados em um determinado contexto e trabalhados a partir de técnicas jornalísticas. Ao remeter às fontes usadas para a produção do conhecimento jornalístico, entende-se que o ciberespaço se configura como uma memória com diferentes informações que podem contribuir para se apreender o fato narrado. Nesta perspectiva, as fontes jornalísticas do ciberespaço são engendradas em um contexto que opera com diferentes linguagens e com a construção coletiva, ou seja, uma fonte do ciberespaço pode ser uma pessoa que compartilha uma informação ou um dado construído coletivamente, a partir da colaboração de diferentes atores. Essa fonte pode agregar uma informação que define o enfoque da pauta ou pode apenas acrescentar curiosidades ao tema trabalho. Entende-se que o olhar do jornalista, e seu papel de mediador na produção jornalística, possibilita identificar a importância dos elementos informacionais disponibilizados no ciberespaço. Além de saber identificar a fonte, é necessário saber como buscar a informação desejada e como apresentá-la na narrativa jornalística. Essas escolhas estão relacionadas com a ética jornalística e, como Karam (2004) e Christofoletti (2008) apontam, a ética profissional contempla os valores e os códigos deontológicos da profissão, indicando sua principal função. Apresentar a verdade pode ser interpretada como a principal função do jornalismo, o que ajuda a entender e sustentar as escolhas feitas por jornalistas. Assim, a ética pode ser entendida como “um conjunto de processos mentais e reflexivos que derivam em práticas concretas na vida” (CHRISTOFOLETTI, 2008, p. 18), de modo que as escolhas realizadas no exercício do jornalismo carregam uma responsabilidade e tem consequências. Entende-se que as especificidades do ciberespaço trouxeram novos dilemas para o exercício do jornalismo. As normas para esse ambiente não estão completamente estabelecidas e muitas vezes as normas já estabelecidas para os sistemas analógicos não dão conta das situações encontradas nas dinâmicas do ciberespaço. Nesse cenário, a presente pesquisa problematiza: Que parâmetros podem ser elencados acerca do uso de fontes jornalísticas do ciberespaço com base em reflexões sobre ética no jornalismo e técnicas de produção da notícia no ciberjornalismo?

Objetivo Geral

Objetivo Geral:
• Refletir sobre parâmetros éticos e técnicos para o uso de fontes jornalísticas do Ciberespaço com base em códigos deontológicos da profissão, em especificidades do ciberespaço e na ética jornalística.

Justificativa

A comunicação no ciberespaço caracteriza-se pela digitalização das informações, a qual está codificada em linguagem binária e, por isso, pode ser copiada e replicada indefinidamente sem perda de qualidade técnica e com um processamento rápido e em grande escala. Ou seja, o conteúdo digital pode ser alterado e compartilhado inúmeras vezes. Com isso, impôs-se uma maior velocidade ao jornalismo, tornou-se mais rápido publicar e divulgar informações, o que interferiu no tempo da produção e da circulação jornalística. Também se possibilitou uma maior proximidade entre o profissional de jornalismo e suas fontes, bem como do jornalista com o seu público.
A digitalização da informação influenciou a comunicação no ciberespaço desde os seus primórdios, mesmo quando as trocas entre os internautas eram realizadas através de uma conexão discada e as mensagens eram baseadas em textos e emoticons construídos com caracteres do teclado. Atualmente, junto às possibilidades dos sites de redes sociais na difusão de informações, têm-se o potencial da mobilidade dos dispositivos conectados. Os smartphones com suas câmaras cada vez mais precisas podem captar imagens, que podem ser compartilhadas e comentadas através de aplicativos. Nesse contexto, o jornalista é instigado a refletir sobre o exercício profissional e, como Karam (2017) destaca, vislumbra-se a necessidade de situar as potencialidades e os limites do uso das novas tecnologias na atuação cotidiana da profissão.
O engendramento do ciberespaço trouxe novos desafios para o exercício profissional, com destaque para a seleção de fontes e a publicação de informações coletadas no ciberespaço.
Entende-se que o Ciberespaço trouxe novos desafios para a prática jornalística, tanto no que se refere ao uso de tecnologias digitais e às constantes mudanças dos artefatos usados na produção de conteúdos, quanto na consolidação de uma nova cultura que interfere na produção e na disponibilização dos conteúdos. Apesar dessas transformações, a produção jornalística continua tendo como principal característica o trabalho com as fontes. Entretanto, o acesso e a relação com as fontes disponíveis no ciberespaço está se transformando. Conforme apontado em estudos anteriores (REBOUÇAS, 2019; MARQUES e REBOUÇAS, 2019; LEITE, 2019; 2017; GEHRKE, 2018; BRUNS, 2014; PARMELEE, 2014; PENA, 2012; SCHWINGEL, 2012 e SANT’ANNA, 2006), atualmente a prática jornalística pode contar com a participação dos internautas na produção de conteúdos noticiosos, também pode contar com o resgate de informações na memória digital disponível no ciberespaço (SCHWINGEL, 2012). Essas informações, que muitas vezes são de fácil acesso ao jornalista, constituem-se como um elemento rico para a definição de pautas (LEITE, 2017). Além disso, podem subsidiar o enfoque da história que está sendo contada, caracterizando-se como fontes centrais da pauta.
Assim, considerando o recorrente uso de fontes do Ciberespaço na prática jornalística, aponta-se a necessidade de se pensar parâmetros que auxiliem jornalistas no uso desses elementos, refletindo sobre aspectos éticos e sobre um aporte deontológico.

Metodologia

O projeto “Parâmetros para o uso de fontes jornalísticas do Ciberespaço” caracteriza-se como uma pesquisa qualitativa, buscando entender o uso de fontes do ciberespaço a partir de uma perspectiva integrada. Assim, essa pesquisa está organizada em duas etapas, as quais serão descritas a seguir. A primeira etapa caracteriza-se pela análise de como diferentes jornais usaram fontes do ciberespaço na cobertura de pautas jornalísticas de repercussão nacional, o que será feito com base nos preceitos éticos da profissão e em técnicas de produção da notícia. Nessa primeira etapa serão elaboradas categorias de análise com base no referencial teórico-metodológico sistematizado nas pesquisas desenvolvidas em 2019, com destaque para: fontes jornalísticas do ciberespaço, ética jornalística e interesse público e liberdade de imprensa. Numa segunda etapa da pesquisa, com base nos dados analisados e nas categorias propostas, serão sistematizados parâmetros para o uso de fontes jornalísticas do ciberespaço, buscando subsidiar a seleção e publicização dessas fontes na prática jornalística.

Indicadores, Metas e Resultados

- Produzir um artigo científico com resultados da pesquisa, o qual será encaminhado para periódico Qualis A ou B.
- Produzir um artigo científico com resultados da pesquisa, o qual será publicado como capítulo de livro.
- Participar de eventos científicos (Intercom Nacional e SBPJor), a fim de divulgar a pesquisa.
- Produzir um tutorial voltado a estudantes de Jornalismo com parâmetros éticos e técnicos para o uso de fontes disponíveis no ciberespaço.

Equipe do Projeto

NomeCH SemanalData inicialData final
GIANCARLO SANTORUM
GIORDANNA BENKENSTEIN VALLEJOS
JÚLIA MÜLLER PEREIRA
MARYANA DORNELES CARVALHO
RAFAELA MARTINS DOS SANTOS
SILVIA PORTO MEIRELLES LEITE8

Página gerada em 28/06/2022 16:39:42 (consulta levou 0.096732s)